Clique e assine a partir de 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Bolsonaro faz o Brasil ser ameaça e virar um país pária, diz Ricupero

Embaixador diz que estudos mostram que país pode ser novo epicentro da pandemia e defende o afastamento constitucional do presidente

Por Matheus Leitão - Atualizado em 11 May 2020, 08h47 - Publicado em 11 May 2020, 08h27

O diplomata Rubens Ricupero acredita que o Brasil já é visto como uma ameaça internacional em meio à pandemia do coronavírus e caminha agora para se tornar um pária. Na avaliação do ex-embaixador brasileiro nos Estados Unidos, para além da equivocada ou “autoexcludente” política externa do chanceler Ernesto Araújo, o país será, em breve, o epicentro mundial da pandemia e outros países deverão adotar medidas de quarentena contra o Brasil.

“Infelizmente, creio que, a esta altura, parece cada vez mais claro que o Brasil se encaminha celeremente para se tornar o epicentro mundial da pandemia. Epicentro no sentido de país onde o crescimento da curva de aumento de casos, de mortes e colapso do sistema hospitalar será de longe o mais grave, em comparação aos demais países”, acredita Ricupero.

“Veja bem, digo isso não por ‘achismo’: é a conclusão dos vários cálculos de universidades, da Fiocruz, das projeções estatísticas. À medida que a situação aqui se agrave, parece forte a possibilidade de que outros países adotem medidas de quarentena contra o Brasil”, explicou o embaixador à coluna.

ASSINE VEJA

Quarentena em descompasso Falta de consenso entre as autoridades e comportamento de risco da população transforma o isolamento numa bagunça. Leia nesta edição
Clique e Assine

Rubens Ricupero se refere, claro, aos estudos e publicações internacionais – caso do produzido pela Imperial College de Londres – que apontam que o Brasil, entre 48 países, tem a maior taxa de infecção do novo coronavírus. Ele também comenta o trabalho da The Lancet, uma das mais importantes revistas científicas do mundo, que afirmou que o presidente Jair Bolsonaro é a maior ameaça à resposta do Brasil à Covid-19.

Continua após a publicidade

Mas, afinal, por que o país pode virar um pária? Em primeiro lugar, justamente pelo comportamento do presidente, que insiste em minimizar os efeitos da Covid-19, enquanto o mundo se une em temor e respeito pela violência do vírus. O Brasil atravessa a triste fronteira de mais de 10 mil mortos e ele passeia de Jet Sky, dizendo que tudo não passa de neurose.

O diplomata lembra que líderes de países vizinhos, como Argentina e Uruguai, veem com preocupação a perda de controle no Brasil, e o que isso significa para a população de seus países. Nos EUA, Donald Trump, aliado de primeira hora de Bolsonaro, vem multiplicando ultimamente as referências de preocupação com o Brasil, sempre em busca de um bode expiatório.

Trump já aventou publicamente a possibilidade de suspensão dos voos vindos do Brasil. Dois conservadores republicanos, seja o governador do Estado da Flórida, seja o prefeito de Miami, admitem suspender as rotas que tenham como origem cidades brasileiras.

Na conversa com a coluna, o embaixador Rubens Ricupero, ex-ministro da Fazenda e ex-ministro do Meio Ambiente, avaliou que “enquanto Bolsonaro continuar no poder, não há possibilidade de evitar a tragédia que se anuncia na pandemia, nem, a rigor, de encaminhar ou resolver nenhum problema”.

Continua após a publicidade

“Refiro-me, é claro, ao afastamento dentro da Constituição e das leis. Motivos já há de sobra. Se isso não acontecer, o país vai sofrer cada vez mais até que a dimensão esmagadora do sofrimento torne inevitável o que hoje parece difícil”, diz o diplomata.

Nos EUA, a curva começa a mostrar tendência declinante, assim como já sucedeu na Itália, Espanha, Europa em geral e, antes, na China e na Ásia. A África surpreendeu positivamente, diz Ricupero, tendo desempenho bem melhor do que se esperava. A Argentina adotou de saída o lockdown (bloqueio total) e até agora tem um número de casos e de mortes que não chega a dez por cento do número de São Paulo, estado mais ou menos com a mesma população.

“Coisas mais dramáticas como a proibição de voos ou de ingresso de brasileiros em países estrangeiros poderão ou não ocorrer dependendo do comportamento da pandemia no país. Pode ser até que a tragédia da Covid-19 desperte a comiseração mesclada ao desprezo, do mundo exterior”, acredita Ricupero.

Política externa

Continua após a publicidade

Sobre a política externa comandada por Ernesto Araújo, Rubens Ricupero avaliou que o país já está marginalizado, especialmente pela decisão de hostilizar sistematicamente a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Organização Mundial de Saúde (OMS).

“Ainda [na semana passada], no aniversário da ONU, de 75 anos sem nova guerra mundial, sem uso de bomba atômica, o ‘antiministro’ das Relações Exteriores fez um discurso contra tudo o que a ONU representa, a começar pela ideia de multilateralismo, que associou de forma absurda ao comunismo e ao nazismo. Um governo que se comporta dessa maneira se autoexclui da participação na vida internacional”, disse o diplomata.

Os exemplos recentes são muitos. Duas semanas atrás, quando o México propôs uma moção para reforçar a OMS, por exemplo, o Brasil preferiu obedecer as instruções dos EUA e ficou contra. O Brasil não participou de nenhuma das iniciativas recentes tomadas no âmbito da OMS: a reunião de Chefes de Estado pela internet patrocinada pelo presidente da França, Emanuel Macron, ou a proposta da União Europeia de reunir mais de sete bilhões de Euros para desenvolver uma vacina.

Até a candidatura brasileira à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), antes dada como certa, passou a correr riscos após as denúncias do ex-ministro da Justiça Sérgio Moro contra Bolsonaro, e que apontam para a tentativa de interferência na Polícia Federal.

Continua após a publicidade

“Isso se aplica à OCDE, cuja sede é em Paris e na qual o governo francês exerce enorme influência. O comportamento do governo Bolsonaro já despertou reações públicas de ceticismo sobre a possibilidade de aceitação do país em razão da recente demissão de Moro e do diretor da PF, e do que isso indica em relação ao combate à corrupção”, afirmou Rubens Ricupero.

O embaixador aposentado recorda que, à luz de uma declaração da OMS de que o Brasil poderia recorrer à Organização Panamericana de Saúde a fim de facilitar o acesso à compra de respiradores, o governo brasileiro informou que não fez nenhum pedido de ajuda.

“Veja o caso da China. Você leu que a famosa reunião do governo citada por Moro começou com palavrões de Bolsonaro e do Ministro da ‘Deseducação’ nacional contra os chineses. Acha que a embaixada chinesa aqui não sabe disso, não relata a seu país? E que, diante disso, o governo chinês ergueria um dedo para convencer suas empresas a venderem respiradores ao Brasil?”, questiona Rubens Ricupero.

Como sempre em boa diplomacia, nem a China, nem a França, ofendida até hoje desde a crítica à esposa de Macron, ou mesmo outros países agredidos, vão afirmar isso explicitamente. “Mas não tenha dúvida de que nos darão o troco no momento oportuno”, acredita o diplomata.

Publicidade