Clique e assine com 88% de desconto
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Conteúdo para assinantes

Governadores cobram Paulo Guedes por declarações de Bolsonaro sobre ICMS

Declaração do presidente sobre redução dos impostos estaduais foi classificada como 'irresponsável' durante fórum em Brasília

Por André Siqueira - Atualizado em 11 fev 2020, 15h25 - Publicado em 11 fev 2020, 15h20

Reunidos em Brasília para um fórum, governadores criticaram a postura do presidente Jair Bolsonaro no episódio sobre a redução do ICMS nos combustíveis. Os representantes dos estados disseram, também, que os filhos de Bolsonaro têm utilizado as redes sociais para “jogar a população contra os governos estaduais”.

Segundo relatos feitos a VEJA por um dos participantes, o clima da reunião não foi ameno. O ministro da Economia, Paulo Guedes, presente no encontro, foi cobrado pelos governadores pelas declarações de Bolsonaro. O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), foi um dos mais enfáticos – o emedebista chegou a dizer que o presidente foi “irresponsável” naquele episódio.

Na quarta-feira 5, na saída do Palácio da Alvorada, o presidente da República disse que estava preparado para zerar os impostos federais sobre os combustíveis se os governadores também zerassem o ICMS, cobrado pelos estados. “Eu zero federal se eles zerarem o ICMS. Está feito o desafio aqui, agora. Eu zero o federal hoje, eles zeram o ICMS. Se topar, eu aceito”, disse na ocasião.

Na avaliação dos governadores, o presidente os coloca contra a população dizendo algo que a equipe econômica de Guedes sabe que é impossível de ser feito. Diante das críticas, o ministro da Economia afirmou que a intenção de Bolsonaro era provocar uma discussão concreta sobre o assunto – mas a versão do ministro não foi “comprada” pelos governadores.

Publicidade

Governadores e vice-governadores de 22 estados se reuniram nesta terça-feira, em Brasília, para tratar sobre temas referentes a segurança pública, preço dos combustíveis e a renovação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento de Educação Básica e Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

Os governadores também sinalizaram um incômodo com a atuação dos filhos do presidente nas redes sociais. Prevalece o sentimento de que há uma atuação para mobilizar a população contra os governos estaduais. Nesta terça-feira, 11, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) compartilhou, em seu perfil no Twitter, um vídeo que seu pai também havia publicado, na sexta-feira 7 – em um comentário durante o programa da televisão gaúcha, um jornalista fala sobre a “vigarice” do governo do Rio Grande do Sul no controle do preço do combustível.

Publicidade