Clique e assine a partir de 9,90/mês
Coluna da Lucília Por Lucília Diniz Um espaço para discutir bem estar, alimentação saudável e inovação

Ouça o seu corpo

Se a intuição antecipa a razão, é bom prestar atenção ao que ela diz

Por Lucília Diniz - Atualizado em 10 set 2020, 18h41 - Publicado em 10 set 2020, 17h18

Se é verdade que os mais velhos costumam ser mais sábios, então o corpo sabe mais que o cérebro. O corpo resulta de milhões de anos de evolução, enquanto o cérebro, comparativamente, ainda é uma criança, com alguns milhares de anos. Ou seja, as razões do corpo podem ser mais consistentes do que as da mente.

Não se trata de desprezar a racionalização, mas de dar o devido espaço à intuição. As duas esferas não se excluem mutuamente. Ao contrário, são ferramentas complementares para construirmos uma vida melhor, mais saudável.

O foco no racional, restrito à absorção de conteúdos, pode esconder algumas armadilhas. Na área da alimentação, por exemplo, é comum que este ou aquele produto seja, alternadamente, condenado e absolvido, com seu destino selado ao sabor de novas pesquisas ou de acordo com a última moda. Tem sido assim com o café e o ovo, que já desempenharam papéis de vilão e mocinho.

A dar crédito a tudo o que nos chega por intermédio do intelecto, estaríamos um tanto perdidos, sem saber o que deveríamos consumir. Seríamos meros leitores de rótulos nas gôndolas, iludidos por informações que às vezes procedem, às vezes não.

A alternativa é confiar nos sinais que o corpo dá, conceder o que ele está nos pedindo. A natureza é sábia e tem suas próprias razões. Não por acaso somos dotados de intuição, a parte do nosso comportamento que não é fruto de aprendizado. Acredite, o corpo sabe o que faz. Cabe a nós tentar interpretar sua sinalização.

A insuficiência de alguns nutrientes no organismo, por exemplo, pode ser indicada pelo desejo de consumir determinados alimentos. De repente, a pessoa é acometida de uma vontade súbita e irrefreável de comer chocolate, o que, aliás, tem sido frequente durante a pandemia. O que o corpo está dizendo? Que talvez tenha sido detectada uma falta do aminoácido triptofano, o que desencadeia crises de ansiedade ou até depressão. A solução rápida é se deliciar com um brigadeiro, que contém essa substância, responsável por sintetizar a serotonina, neurotransmissor que regula o sono e o humor. Mas o corpo também sabe que há outras fontes de triptofano, como frutas e cereais – daí a importância da interpretação.

ASSINE VEJA

Os riscos do auxílio emergencial Na edição da semana: a importância das reformas para a saúde da economia. E mais: os segredos da advogada que conviveu com Queiroz
Clique e Assine

Os exemplos se multiplicam. O impulso de comer carne está relacionado à falta de ferro e zinco no organismo, o que pode causar anemia. Desejos incontroláveis por iogurte e queijo sinalizam que o nível de cálcio pode estar aquém do ideal. Essas e outras demandas do corpo não devem ser um salvo-conduto para comermos sem moderação. O corpo não quer se empanturrar, quer apenas repor o equilíbrio nutricional.

Lembro-me, a propósito, de um livro que fez muito sucesso nos anos 70, “O corpo tem suas razões”, de Thérèse Bertherat. Nessa obra, a fisioterapeuta francesa desenvolveu o conceito de antiginástica, uma prática que busca o autoconhecimento do corpo, despertando áreas que estão adormecidas a ponto de terem perdido a sensibilidade. Ela demonstrou que um pouco de alongamento na medida certa é garantia de sensação duradoura de bem-estar. O nosso organismo – ossos, músculos, tendões, ligamentos – guarda essa memória. Da mesma maneira que sabe, pela experiência própria, quais alimentos fazem bem à saúde.

Não deixe de se informar, claro, mas, antes de decidir sobre a dieta ideal, ouça o seu corpo.

Continua após a publicidade
Publicidade