Blogs e Colunistas

crise econômica europeia

05/05/2012

às 19:20 \ Vasto Mundo

A forte Alemanha x a Grécia aos pedaços: os dois lados (muito diferentes) da mesma moeda — o euro

Revista VejaEconomia na Europa. Athens, Greece.Repórter: Giuliano Guandalini

AS MARCAS DA CRISE GREGA -- Estima-se que 68000 lojas e pequenas empresas tenham fechado as portas na Grécia. As placas de "enoikiazetai" (aluga-se, em grego) estão por toda a parte. Mas alugar para quem? (Foto: Gilberto Tadday)

 

(Reportagem de Giuliano Guandalini, desde Atenas e Frankfurt, na edição impressa de VEJA)

Euro

DOIS LADOS DA MESMA MOEDA

 

Tanto a Grécia como a Alemanha usam o euro. Mas a diferença na capacidade competitiva explica por que um país vive uma depressão econômica e o outro prospera

Sob a perspectiva de um alemão, é difícil enxergar a crise econômica europeia.

A Alemanha, dona do maior PIB da Europa e do quarto do mundo, superou rapidamente a recessão de 2009. Em três anos, o número de pessoas sem trabalho foi reduzido em 600 000. A taxa de desemprego, de apenas 5,7% da população economicamente ativa, nunca foi tão baixa desde a reunificação, em 1990. As fábricas trabalham em três turnos para suprir a demanda mundial, acima de tudo asiática, pelos seus carros luxuosos e máquinas sem similares.

Na Grécia, o quinto ano seguido de contração do PIB

Para um grego, a crise é real, evidente, diária. Depois de catorze anos ininterruptos de economia em ascensão, bonança catapultada pela adesão ao euro, em 2001, a Grécia entrou em recessão em 2008 – e dela não saiu mais. As últimas estimativas apontam para uma queda de 5% no PIB em 2012, o quinto ano seguido de contração.

Desde 2008, o total de desempregados aumentou em 500 000 pessoas. A taxa de desemprego, de 21%, é a segunda maior da Europa, atrás apenas da taxa da Espanha. Metade dos jovens não possui trabalho (em comparação, apenas 8% dos alemães com menos de 25 anos estão desempregados, o menor porcentual da Europa). Estima-se que 68 000 pequenas e médias empresas tenham fechado as portas na Grécia. Em Atenas, as placas de enoikiazetai (aluga-se, em grego) fazem parte da paisagem urbana.

Revista VejaEconomia na Europa. Athens, Greece.Repórter: Giuliano Guandalini

Para um cidadão grego, a crise é real, evidente, diária. (Foto: Gilberto Tadday)

A Grécia e a Alemanha são os dois extremos da desigualdade crescente entre os dezessete países que utilizam o euro como moeda, a chamada zona do euro.

As economias da Áustria e da Holanda, além da alemã, sentiram um leve impacto com a desaceleração mundial. Portugueses, espanhóis e gregos, no entanto, sofrem na pele com a recessão mais profunda em pelo menos uma geração.

Falta funcionar como região econômica coesa

Como pode coexistir tamanho contraste entre países que fazem parte de um único bloco econômico e compartilham a mesma moeda?

A crise desencadeada em 2008 expôs uma realidade que havia sido encoberta durante os anos de crescimento. A zona do euro não funciona, pelo menos ainda, como uma região econômica coesa. “Precisamos de uma união fiscal que complemente a união monetária”, afirmou a VEJA o economista alemão Joerg Asmussen, diretor do Banco Central Europeu (BCE), em Frankfurt.

Mas Asmussen enfatiza o comprometimento europeu com o futuro da moeda única: “O euro nunca esteve em crise. Existe na verdade uma crise da dívida e de confiança em alguns dos países da região”.

 

Revista VejaEconomia na Europa. Frankfurt.Repórter: Giuliano Guandalini

RIQUEZA ALEMÃ -- Em Frankfurt, o centro financeiro alemão, não se vê sinal de crise e o desemprego nunca foi tão baixo: recompensa pelas reformas (Foto: Gilberto Tadday)

Nos primeiros anos do euro, houve a sensação de que todas as nações operavam como uma única economia. Uma mostra disso é a taxa de juros paga pelos países para financiar suas dívidas. Há duas décadas, quando existiam a peseta, o escudo e a dracma, os governos da Espanha, de Portugal e da Grécia pagavam juros internacionais que chegavam a ser o triplo dos desembolsados pela Alemanha.

Com o euro, praticamente da noite para o dia, espanhóis, portugueses e gregos passaram a dispor de taxas baixíssimas, idênticas às dos alemães. Se todos possuíam a mesma moeda, o risco implícito era igual, e por isso os juros deveriam ser os mesmos, dizia a lógica dos investidores.

Revista VejaEconomia na Europa. Athens, Greece.Repórter: Giuliano Guandalini

Desde 2008, o total de desempregados na Grécia foi acrescido de 500 000 pessoas (Foto: Gilberto Tadday)

Existia, no entanto, uma diferença de competitividade subjacente. O crédito farto e barato impulsionou o consumo e os investimentos, formando bolhas que mais tarde estourariam. Ao mesmo tempo, os gastos públicos também avançaram rapidamente.

Ainda que o total das despesas com políticas de bem-estar social nesses países seja inferior ao de nações mais ricas do bloco, os gastos cresceram rápido demais num curto espaço de tempo. O superaquecimento elevou o custo da mão de obra. Produzir em Portugal ou na Grécia ficou tão ou mais caro do que na Alemanha ou na Áustria, países mais produtivos.

Combinação letal

Num mundo de estabilidade, todos esses desequilíbrios passavam incólumes. Mas eles foram se avolumando. Então veio a crise. O crédito desapareceu, e os investidores começaram a ser mais restritivos. Os juros dispararam para a Grécia, Portugal e também para a Irlanda, um dos primeiros países a ir à lona.

A combinação letal de queda no crescimento e elevação no custo do financiamento tornou as dívidas públicas dessas nações impagáveis. A crise se arrasta há quatro anos.

A Espanha, depois de uma leve retomada no ano passado, entrou de novo em recessão. A Grécia, na melhor das hipóteses, só voltará a ter algum crescimento em 2013.

frankfurt_014

A PLENO VAPOR -- "As reformas trabalhistas aumentaram a competitividade", diz Peter Schwarzenbauer, vice-presidente de vendas e marketing da Audi (Foto: Divulgação)

Vinte anos atrás, era a Alemanha a economia doente da Europa. O país lidava com o custo da reunificação, uma conta anual que oscilava, em valores atuais, entre 30 bilhões e 50 bilhões de euros. Havia 5 milhões de pessoas sem trabalho. “Os desafios posteriores à reunificação estimularam discussões sobre a necessidade de reformas estruturais para aumentar a produtividade”, diz Joachim Nagel, um dos diretores do Bundesbank, o banco central alemão.

A partir de 2003 reformasEssas reformas tiveram como objetivo, em resumo, conter o aprofundamento dos gastos no sistema de seguridade social e também dar maior flexibilidade às leis trabalhistas.

Em 2003, no governo do chanceler social-democrata Gerhard Schroeder, foi lançado um pacote chamado Agenda 2010. Os pacientes do sistema público de saúde começaram a pagar por parte de alguns serviços. As negociações salariais passaram a ser feitas diretamente entre funcionários e empregadores, e os sindicatos perderam poder.

Criou-se a possibilidade de redução dos salários, mediante diminuição das horas trabalhadas. Os impostos sobre os lucros das empresas caíram.

 

Audi Produktion Ingolstadt ? Montage A3 /Bei der Triebwerksmontage werden die Hauptbestandteile Motor, Getriebe, Antriebswelle und Radaufhaengung zusammengefuegt.Bei der Triebwerksmontage haengen die Werkzeuge griffbereit von der Decke - fuer eine schnell

Em Ingolstadt, Baviera, a fábrica da Audi trabalha em três turnos para atender à demanda internacional, principalmente dos russos e chineses. (Foto: Audi AG))

O programa de reformas reduziu os gastos das companhias. Caiu sobretudo o custo final da mão de obra, em um período em que a despesa com funcionários aumentava continuamente na maior parte da Europa. A Alemanha, mais competitiva, passou a amealhar bilhões e bilhões de euros em superávits comerciais. Isso, mesmo lidando com uma moeda forte como o euro. “Foram ajustes difíceis de fazer, houve forte reação”, afirma Nagel. Schroeder, inclusive, perdeu o cargo em 2005, dando espaço a Angela Merkel. “Mas estamos nos beneficiando hoje das reformas estruturais feitas há dez anos.

atenas_035

ADAPTAÇÃO À RECESSÃO -- "Contamos agora com o aumento das exportações para manter os nossos funcionários", afirma Athanase Lavidas, presidente do laboratório farmacêutico grego Lavipharm (Foto: Gilberto Tadday)

É surpreendente, até mesmo para nós, como a economia alemã tem se comportado bem”, conclui Nagel. O país dispõe ainda de vantagens históricas, entre elas a sua liderança na engenharia de máquinas e a sua infraestrutura logística, com poucos paralelos no mundo.

O modelo alemão, contudo, reconhecem os próprios alemães, está longe de ser perfeito. Há regulações excessivas em diversas atividades. As novas leis trabalhistas, de acordo com alguns economistas, ampliaram as desigualdades salariais. Por fim, a austeridade e o excesso de poupança fazem com que os alemães desfrutem um padrão de vida inferior ao de outras nações ricas.

Não resta dúvida, porém, sobre seu poder econômico, mesmo em meio à crise continental.

 

atenas_096

Os cortes dos gastos na saúde pública derrubaram as vendas internas do laboratório Lavipharm. (Foto: Gilberto Tadday)

Grécia: desperdício e descontrole

As dificuldades gregas, em contraponto, resultam da completa falta de austeridade e competitividade. “Tivemos uma bolha no setor público”, resume Constantine Papadopoulos, secretário grego para Relações Econômicas Internacionais. “Existia muito desperdício nos gastos do governo.”

Uma amostra desse descontrole ficou evidenciada na semana passada. O governo anunciou os resultados de uma auditoria no sistema previdenciário e descobriu que 200 000 pessoas não deveriam estar recebendo benefícios – ou porque não tinham direito a eles ou porque estavam mortas fazia algum tempo.

O PESO DO ARROCHO O professor de economia social Savas Robolis, da Universidade Panteion, em Atenas, é um exemplo típico de funcionário público atingido pelas medidas de austeridade. Seu salário foi reduzido em 22%. "Não há dúvida de que precisamos fazer reformas para permanecer no euro. Mas não vejo como conseguiremos pagar a dívida pública apenas com medidas de austeridade e sem incentivos ao crescimento", afirma Robolis (Foto: Giuliano Guandalini)

O PESO DO ARROCHO -- O professor de economia social Savas Robolis, da Universidade Panteion, em Atenas, é um exemplo típico de funcionário público atingido pelas medidas de austeridade. Seu salário foi reduzido em 22%. "Não há dúvida de que precisamos fazer reformas para permanecer no euro. Mas não vejo como conseguiremos pagar a dívida pública apenas com medidas de austeridade e sem incentivos ao crescimento", afirma (Foto: Gilberto Tadday)

Milhares de funcionários públicos foram dispensados, e os salários dos servidores, reduzidos em mais de 20%, assim como as aposentadorias. São ajustes tidos como inevitáveis, mas de impacto recessivo a curto prazo.

Driblando o Fisco

O país possui também um problema histórico de sonegação.

Nas lojas e restaurantes, é comum os vendedores e garçons dizerem que a máquina de cartão de crédito não está funcionando. Trata-se de uma desculpa para receber em dinheiro vivo, e assim driblar o Fisco.

“Se a nossa arrecadação fosse similar à dos demais países europeus, o déficit público deixaria de ser problema”, diz Loukas Tsoukalis, presidente da Fundação Helênica para Políticas Europeias.

 

DEFESA DA AUSTERIDADE Joachim Nagel, diretor do Bundesbank, o banco central alemão, respalda a política de austeridade monetária: "A Alemanha vive sob a influência da experiência de hiperinflação, na década de 20 e no pós-II Guerra. A inflação baixa estimula os investimentos (Foto: Giuliano Guandalini)

DEFESA DA AUSTERIDADE -- Joachim Nagel, diretor do Bundesbank, o banco central alemão, respalda a política de austeridade monetária: "A Alemanha vive sob a influência da experiência de hiperinflação, na década de 20 e no pós-II Guerra. A inflação baixa estimula os investimentos" (Foto: Gilberto Tadday)

Apesar das dificuldades, os gregos permanecem comprometidos com as reformas. Essa disposição terá de ser mantida pelo governo a ser eleito nas próximas eleições, amanhã, 6 de maio.

“Optamos pelo caminho mais difícil que, no fim, será mais produtivo”

O problema é que as reformas demoram a surtir efeito. Além disso, mesmo depois da renegociação da dívida (o maior calote da história, de 206 bilhões de euros), o endividamento público permanece acima de 160% do PIB, o triplo do considerado saudável.

Na prática, a dívida não mudou de tamanho. Os gregos deixaram de dever aos investidores privados e passaram a dever ao Fundo Monetário Internacional (FMI) e aos outros países europeus, ainda que em termos mais favoráveis. Mas a maioria absoluta da população (70% dos eleitores) apoia a permanência na zona do euro. ”

É ilusório imaginar que uma desvalorização cambial aumentaria a nossa competitividade, como afirmam alguns”, diz Constantine Papadopoulos. “A desvalorização cambial não passaria de um truque. Não haveria incentivo para fazermos as reformas necessárias. Optamos pelo caminho mais difícil. Acredito que, no fim, será mais produtivo.”

(LEIA NA CONTINUAÇÃO ENTREVISTA COM DIRETOR DO BANCO CENTRAL EUROPEU)

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados