Blogs e Colunistas

22/01/2013

às 14:00 \ Política & Cia

Entrevista-desabafo do senador Pedro Simon, a grande referência moral do Congresso: “Os bons homens já morreram”; “O PT apodreceu”; “Mensalão será o maior momento da história do Supremo”; “Só há saída com mobilização do povo”

 

Pedro Simon (Foto: Cristiano Mariz)

"Os bons homens se foram: Ulysses Guimarães, Tancredo Neves, Teotônio Vilela, Miguel Arraes, Mario Covas. Se esses tivessem ficado e outros tivessem morrido, o Brasil seria diferente" (Foto: Cristiano Mariz)

Publicado originalmente a 4 de abril de 2012

 

Pedro Simon: “Os bons homens já morreram”

 

O senador diz que a qualidade do Parlamento na média é muito ruim, os líderes políticos só pensam em cargos e que a presidente Dilma não vai conseguir acabar com o fisiologismo

 

O senador Pedro Simon é um iluminado. Fundador do MDB , participou da oposição à ditadura militar, cerrou fileiras pelas Diretas Já e foi um dos protagonistas da ofensiva que resultou no impeachment do então presidente Fernando Collor.

Com meio século de vida pública, esse gaúcho de Caxias do Sul e 82 anos de idade teria motivos de sobra para festejar a atividade política. Mas ele não vê razões para celebrar.

Simon é hoje um retrato acabado do desânimo com a classe política e com o fisiologismo que governa a relação entre o Poder Executivo e o Congresso. O desalento só é deixado de lado quando o senador fala da mobilização popular como a sua derradeira esperança para mudar as atuais regras do jogo.

 

O senhor foi um dos maiores críticos do PT no governo. Que avaliação faz da administração da presidente Dilma?

Estou gostando muito, principalmente quando a presidente diz que não vai aceitar o toma lá dá cá. Esse é o grande fato novo na política. Ela já afastou ministros e tem mostrado que quer um entendimento, mas não aceita imposição.

O caso mais típico foi o do PR. Sete senadores do partido deixaram a base porque queriam e não conseguiram continuar mandando no Ministério dos Transportes. Nos governos anteriores, quando isso acontecia, o presidente capitulava. A Dilma quis mostrar que existe um novo método de governar. Isso levou a um choque com os comandos partidários e do Congresso, porque o troca-troca viciou: vota-se aqui, ganham-se as emendas, vota-se ali, nomeia-se o fulano.

 

O senhor acredita que a presidente vai acabar mesmo com o toma lá dá cá?

Não acredito. Pode até melhorar um pouco, mas acabar não. O que não pode mais, e a presidente está sinalizando nessa direção, é os caras colocarem interesses pessoais acima dos interesses da pátria e da sociedade. É difícil mudar essa prática de uma só vez.

Fazer isso exige mais jogo de cintura. A Dilma não pode ser durona, bater na mesa. Vejo-a dizendo que se entende muito com o presidente do Congresso, o senador Sarney. A primeira pessoa a quem ela deveria fazer um apelo é o Sarney. Ele indicou dois ministros do Maranhão. Onde está a racionalidade de ele e o PMDB , o meu partido, terem dois ministros do Maranhão?

 

Por que Sarney abriria mão de poder? 

O Rui Barbosa é o nosso grande patrono no Senado, mas como político foi um homem de derrotas. Perdeu duas vezes a eleição para presidente da República e não tinha influência no governo.

Quem mandava e elegia presidentes era o (José Gomes) Pinheiro Machado (gaúcho e um dos mais influentes políticos da Primeira República, foi assassinado em 1915), de quem hoje ninguém fala. O Sarney está mais para Pinheiro Machado do que para Rui Barbosa. Vai acabar esquecido pela história.

 

O que o senhor achou da comparação entre a situação de Dilma e a do ex-presidente Collor?

Tem um lado que é correto. Ele, muito vaidoso, não ligou para o Congresso, não ligou para os empresários e não ligou para as Forças Armadas. Era o rei.

Mas não foi por isso que ele foi cassado. Foi cassado pelas bandalheiras que a gente encontrou. O tesoureiro da campanha pagava as contas dele, da mulher, os luxos da família — tudo com dinheiro roubado.

A Dilma não está valorizando muito o Congresso, mas não fez coisa errada.

 

O senhor elogia o governo e critica o ministério. Não é contraditório?

O ministério é fraco, um dos piores que já vi. Antes, colocavam-se no ministério os melhores nomes do Parlamento.

Hoje, o ministério consegue ser pior do que a média do Parlamento, que beira a mediocridade.

No esforço de eleger Dilma Rousseff presidente, valeu tudo. O Lula fez acordo aqui e ali, e houve uma despreocupação com relação à seleção dos nomes. Houve também irresponsabilidade dos partidos na indicação dos ministros.

O PMDB indicou um rapaz que tinha pago conta de motel com dinheiro público. Aliás, o PMDB não. Volta e meia se publica que a bancada do Senado exige algo para o ministério. Mentira. Nunca nos reunimos para escolher um cargo. Essa decisão foi tomada pelo presidente do Senado e pelo líder da bancada falando em nome de todo mundo.

 

Como o PMDB se transformou na marca do fisiologismo?

Deus me perdoe, mas é porque os bons homens se foram: Ulysses Guimarães, Tancredo Neves, Teotônio Vilela, Miguel Arraes, Mario Covas.

Se esses tivessem ficado e outros tivessem morrido, o Brasil seria diferente. Se analisarmos no contexto do Congresso, ocorreu mais ou menos a mesma coisa.

Aquele pessoal que iniciou o PT está todo fora. Faz falta aquele PT que se comportava de maneira competente como oposição.

O partido hoje é de uma gente que não sei de onde veio. Aliás, oposição hoje também não existe mais, o que é muito ruim para o país.

bons-morreram

Ulysses Guimarães, Teotônio Vilela, Mario Covas, Miguel Arraes e Tancredo Neves

 

O senhor não está pessimista demais com o momento político?

Os poderes estão todos nivelados por baixo. O Judiciário, que sempre esteve em um nível bem superior, foi rebaixado nos últimos tempos a um patamar igual ao nosso, do Parlamento. É avaliado bem abaixo da presidente Dilma e igual ao Legislativo.

 

Nada o anima?

Há alguns sinais que me animam. Estou há cinquenta anos na vida pública e — tirando as lutas pelas Diretas Já e pela Anistia — não vi momento tão interessante como o que estamos vivendo agora.

O povo conseguiu sensibilizar e pressionar pela aprovação da Lei da Ficha Limpa. Votamos porque o povão pressionou, entrou nas redes sociais e estava na rua. O Supremo votou porque a gurizada estava lá na porta.

Esse é um fato novo que muda tudo.

 

Por quê?

Um bando de gente já não vai poder ser candidato. O PMDB , por exemplo, está recomendando aos diretórios evitar indicar nomes com problemas com a Justiça.

É o primeiro passo para terminar com a maior maldição do Brasil, que é a impunidade.

Porque a maldita diferença entre nós e o mundo civilizado é que, quando o cara é condenado, aqui ele recorre à segunda, terceira, quarta, quinta, sexta instâncias, até o Supremo. Nesse espaço de tempo, o crime prescreve e ninguém é condenado.

Na Europa e nos Estados Unidos, se for condenado, vai para a cadeia. Pode recorrer, mas está na cadeia.

 

O que falta para que os avanços sociais que estamos experimentando cheguem à política?

Para derrubar a ditadura, avançamos quando a sociedade avançou. O mesmo aconteceu no impeachment. Ele só deu certo porque o Collor pediu ao povo para ir para a rua de verde e amarelo, e o povo foi de preto, de luto.

As grandes mudanças só ocorreram quando o povo participou.

Não se espere nada do Congresso, do Legislativo e do Executivo se o povo não estiver à frente.

 

diretas-e-caras-pintadas

Dois momentos: Diretas Já e Impeachment - "As grandes mudanças só ocorreram quando o povo participou"

Mas o Congresso não deveria exercer esse papel catalisador?

Eu trouxe um mar de gente para a vida pública: jornalistas intelectuais, membros de tribunal. Mas na última eleição não trouxe ninguém.

Estavam todos com nojo.

As pessoas estão se afastando da política. É aquilo que o doutor Ulysses dizia quando reclamavam da qualidade do Congresso: “Esperem para ver o próximo”. Estamos caminhando nesse sentido.

Com essa história do nosso amigo senador  (Demóstenes Torres), estou recebendo um bolo de cartas e telefonemas dizendo que agora só falta eu. É o pessimismo das pessoas.

Eu botava as duas mãos no fogo pelo Demóstenes. Ele era um exemplo de competência parlamentar.

 

O senhor faz algum prognóstico sobre o destino político dele?

Com todo o respeito, se as coisas que estão aí se confirmarem, ele deve ir para casa. Se tudo isso for verdade, o senador é um excelente ator.

Mas tenho obrigação de esperar as explicações dele antes de qualquer julgamento. O fundamental é o Congresso sair ileso, o Senado mostrar transparência.

O Demóstenes está pedindo para analisarem, julgarem e fazerem o que tem de ser feito. Se as acusações forem provadas, não há outro caminho que não a renúncia ou a cassação.

Demóstenes Torres

Demóstenes Torres: "Eu punha as duas mãos no fogo por ele (...) Mas se as denúncias forem comprovadas, não há outro caminho a não ser a renúncia ou a cassação"

 

Por que o senhor diz que há um nivelamento por baixo das instituições?

As instituições foram vulgarizadas nos últimos anos, principalmente no governo do PT.

Todos os meses vocês fazem reportagens demonstrando casos de corrupção e não acontece nada.

O cara não é condenado e também não é absolvido. No Judiciário, surgem denúncias sobre juiz que vende sentença, outro que recebeu não sei o quê, e não acontece nada. Como vamos aceitar isso?

Aparece uma notícia como aquela do Fantástico, completa, indiscutível. Se não tomar cuidado, o diretor do hospital vai acabar demitido, e o jornalista vai para a cadeia, porque no Brasil termina assim.

 

O poder corrompe?

Parece que a tentação é grande. Eu vi o início do PT. Os caras andavam de pé descalço, caminhavam pelas ruas fazendo campanha em troca de nada, era um troço sensacional.

Nos oito anos do Fernando Henrique, o PT foi um baita de um partido na oposição, até exagerado.

Aí foi para o governo e ofereceu ao carinha de chinelo, que trabalhava feito doido em troca de comida, um cargo de 9 000 reais. Então apodreceu. O poder corrompe, sim.

O poder total corrompe totalmente. O PT desmontou, desapareceu. Se o Lula tivesse posto o Waldomiro Diniz na rua quando ele apareceu na televisão recebendo dinheiro do Carlinhos Cachoeira e tratando de porcentuais, não teria havido o mensalão.

Eu entrei com pedido de CPI, mas o Lula e o Sarney lutaram para não deixar criá-la. Fomos ao Supremo e depois de um ano ganhamos, mas era tarde.

 

Quem mudou mais, o PT ou o PMDB?

Eu diria que os dois ficaram muito parecidos — para pior. O PMDB deixou passar vários trens da história. O pior que aconteceu com o PMDB foi a maldade que o Tancredo fez conosco. Nosso acordo não previa a morte do Tancredo. Ele morre e deixa o Sarney.

Ali o nosso destino mudou. Tancredo presidente, todos os governadores, com exceção do de Sergipe, eram do PMDB , tínhamos a maioria na Câmara e no Senado. Era uma grande oportunidade. Com o negócio do Sarney, mudou tudo.

Já me convidaram até a sair do partido. Mandaram uma carta com muita elegância dizendo que se eu saísse seria numa boa, ninguém ia me pedir o cargo. Eu disse que não ia sair, porque eles estavam de intrusos e eu fundei o partido.

 

O senhor falou da queda da qualidade das instituições de maneira geral. Isso se aplica ao Supremo?

Eu não diria isso, mas lá também há indícios dessa vulgarização sobre a qual falei. O Lula nomeou para a corte um advogado dele e do PT na campanha. Esses fatos não são bons. Tem de haver mais rigor nessa seleção.

Esse ministro, o Dias Toffoli, com todo o respeito, não poderia ser nomeado. No processo de indicação dele, fui para a tribuna na hora e disse para o Lula adiar a sua escolha. Agora, descobre-se que ele teria uma namorada que atuou na defesa de um dos homens do mensalão, e ele mesmo trabalhava no governo junto a pessoas do mensalão.

E ele não se dá por suspeito? Isso não me passa pela cabeça.

dias-toffoli (Agência Brasil)

Ministro Dias Toffoli: "Ele teria uma namorada que defendeu acusados do mensalão. E ele não se dá por suspeito? Isso não me passa pela cabeça" (Foto: Agência Brasil)

 

Qual será a importância do julgamento do mensalão para o Brasil?

Vital. O relator foi muito sério, muito competente. Faço um apelo a ele para ser o mais breve possível, porque temos de votar neste ano. Vai ser a coisa mais triste do mundo se prescrever e não for votado. Esse julgamento será o maior momento da história do Supremo.

Isso não quer dizer que tenha de condenar ou absolver, mas é preciso fazer um julgamento de gabarito, de peso, de seriedade. O importante é julgar.

Eu tenho convicção de que se vai julgar com a consciência e não tenho dúvida de que pelo Brasil inteiro as pessoas vão estar  olhando.

 

Este é seu último mandato?

Em tese, sim. Não pretendo concorrer de novo. Na próxima eleição estarei com quase 85 anos e prefiro sair vivo a sair morto.

(Entrevista feita por Paulo Celso Pereira e publicada nas Páginas Amarelas da edição de VEJA que está nas bancas)

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado

72 Comentários

  • Arthur dos Santos H.

    -

    23/7/2013 às 21:54

    O grande problema é que por mais que exista políticos honestos o câncer que maior que os impede são seus próprios partidos políticos, horas senhores, não veja o fato a frente de nossos olhos que não quer!
    O Brasil entra e sai de crises politicas, escândalos com dinheiro publico, mais nada lhe é feito.
    Outorga assim sabemos que o sistema politico Brasileiro é no termo correto uma “porcaria” digamos assim, reforma politica por parte do PT? Pra que?
    Como o Senador Pedro Simon citou acima os bons já morreram, uma nova era de JK’s e Gentulios neste Brasil dificilmente veremos novamente. Daqui pra frente é só Sarneis e Lulas e cia.

  • Osvaldo Aires Bade Comentários Bem Roubados na "Socialização" - Estou entre os 80 milhões.

    -

    7/2/2013 às 16:05

    O PT ESTÁ ISLAMIZANDO O BRASIL!!!
    O mal progride rapidamente – a porta é larga!!!
    http://cinenegocioseimoveis.blogspot.com.br/2013/01/o-pt-esta-islamizando-o-brasil-o-mal.html

  • Margarette Dayrell

    -

    31/1/2013 às 10:58

    Suplico ao nobre senador Pedro Simon, que não desanime, com o poder de uma vida pública ilibada, que seja o porta voz, o líder de um grande movimento contra a corrupção e a impunidade.

  • João

    -

    28/1/2013 às 0:41

    Milton, o seu silêncio faz de você um poeta…

  • milton

    -

    27/1/2013 às 18:19

    Simon, Simon, Simon…Deputado estadual em 64 viu um sem número de deputados serem atirados aos leões pela dita “revolução de março” e saiu-se ileso. Seus “inflamados” discursos na AL gaúcha, nunca passaram de retórica passiva e dolente para com os seus adversários arenístas.Nunca foi ameaçado pelos milicos do poder, que o tinham com elemento útil “a cauda da democracia”.(?)Fez-se, entretanto, bem visto aos olhos dos eleitores do RS e creditou-se para outros voos; chegou a governador e depois ao Senado. O seu “brilho” o colocou dentre os “limpos e acima de qualquer suspeita”, no aspecto moral de sua conduta política; o que parece ser inquestionável. Mas parece-me pouco, para um Senador da República adjetivado com galardões que vão muito além de seus feitos.Ele permaneceu no PMDB,nesse do Sarney e da sua camarilha de malfeitores e corruptos, não para melhorá-lo ou para fazê-lo voltar as suas origens, mas, simplesmente por acomodação e conformismo. Assim não fora, injustificável seria o convívio com grupelhos aéticos, como os do Renan e a sua turma de Senadores igualmente corruptos e indígnos. O Senador Simom viu e passivamente assistiu o MPDB enlamear-se, esboroar-se como partido político e a sua “oposição” – como é tradicional em seu comportamente parlamentar- fez-se aos gritos de uma tribuna vazia, para “inglês ver”! Ocorre porém, e é esse o seu mérito, que dentre a canalha que infesta e empesta o Congresso, ele, Simom, é um dos, ainda éticos. No mais, a história há de fazer-lhe justiça, se é que a história é capaz de tal feito!

  • João

    -

    26/1/2013 às 21:02

    Atenção Sr moderador. eu não tenho o costume de repetir mensagem e nem tão pouco, de copiar,as mensagens que venho postando nesse Sítio, são de minha autoria. Agora, caso não queira publicá-la…

  • João

    -

    26/1/2013 às 20:55

    O cidadão, brasleiro, que fala que político é “honesto”, e, quando o próprio é um político. Isso prova, que o qual desconhece a si próprio…

  • Fernando X

    -

    26/1/2013 às 9:04

    Não basta ser honesto. Tem que parecer honesto.
    .
    Só falta sair do PMDB para ser 100% honesto.

  • janete schneider

    -

    24/1/2013 às 17:06

    Brilhante entrevista. Um dos poucos politicos honestos que restaram…

  • Ekiton

    -

    24/1/2013 às 11:59

    Bravateiro e falastrão.Faz voto de pobreza mas reivindicou aposentadoria de ex-governador e voltou atrás depois da pressão.Votou a favor da CPMF e outros apoios ao governo que aí está, desde o Lula.Do PMDB,Sarney,Renan e outros e integrantes não se pode esperar nada, sempre ao lado do poder.

  • Roberto Cavalcanti

    -

    23/1/2013 às 21:45

    Ele morreu e não está sabendo. Morreu quando votou na Dilma só por que o partido mandou.

  • moacir

    -

    22/1/2013 às 21:04

    Prezado Setti,
    Acredito que passado é apenas aquilo que dele permanece na gente.As lições.os exemplos.
    Nesse sentido terei sempre nítidas na memória as atitudes de Pedro Simon enquanto fundador do MDB,
    opositor ferrenho da Ditadura Militar,defensor das Diretas Já e do impeachment de Collor.Um homem honesto.Um brasileiro que escreveu importantes capítulos da nossa história.E por tudo isso o respeito.
    Porém a vida prossegue depois que sepultamos os nossos mortos.E não nos espera.
    Deve ser difícil passar a limpo a vida aos 85 anos.
    A incapacidante para tanto, num cidadão qualquer seria entendida e até perdoada.Num homem público
    não repensar o cargo ou o mandato ou o partido ,me desculpe,é imperdoável.
    Permanecer num partido que desmoronou,perdeu a identidade,se desfigurou,mudou de nome,passou a ser símbolo da pior fisiologia,só por ter sido um de seus sócios fundadores?Não me convence.É incoerência.
    Dizer que a História se encarregará de obliterar
    um Sarney,esquecendo que até lá o senhor feudal
    poderá causar muito mal ao Brasil e apadrinhar
    muitos novos afilhados bandoleiros? É omissão.
    Ignorar que Dilma, em total desrespeito ao Congresso governa a base de MPs? É servilismo.
    Acreditar que Dilma ao trocar os ministros no tabuleiro da base do governo,alavancou o nível dos
    seus aliados e contribuiu para um menor aparelhamento do Estado? É santa ingenuidade!
    Citar como a maior das esperanças a Ficha Limpa?
    É enxergar muito mal.
    Por que ele permanece se não é cúmplice? Por que
    ataca para todos os lados e não luta contra coisa alguma?
    Por que não sobe na tribuna e denuncia Sarney,Renan,Henrique Alves e o Bode?
    Por que não clama por compostura e denuncia as manobras escusas?
    Não acho que a morte de Tancredo,num momento em que todos os Estados brasileiros,exceto Sergipe,
    eram governados por PMDBistas,tenha sido o que de pior aconteceu ao partido.A verdadeira vergonha
    do eterno aliado de todos os governos,foi ter se perdido,abandonado o norte,aberto as porteiras pra renegados de todas as legendas.Foram os votos trocados por cargos e os palanques por ministérios.
    E essa desesperança de Pedro Simon foi ter permanecido,mesmo esperneando de vez em quando,num partido menor que a biografia dele.
    Se tem saudades de um bravo PT oposicionista por que não se tornou petista?
    Se não mais acredita no Legislativo,por que não renuncia ao mandato?
    Nós temos futuro.A hora de pular da medianidade para um porvir grande é agora.É esse o momento de revolucionar a educaçao, endireitar a saúde,aprimorar a seguramca e deixar que especialistas cuidem de todo o resto.
    É chegado o tempo de eficiência,meritocracia metas,controle,investimento,infraestrutura.
    Para que tudo isso possa acontecer precisamos de
    gestão,coragem e esperança.
    E talvez de gente jovem de idéias,sem glórias pretéritas que lhes possam justificar tanto o silêncio quanto a inércia no presente.
    Abraço

  • Hattori Hanzo

    -

    22/1/2013 às 20:42

    Um comunistaço, portanto um grande idiota.

    Livrou a cara do lula**** quando afirmou, em tribuna, que não acreditava que o apedeuta sabia o que acontecia.

  • Arimatéia Menezes

    -

    19/7/2012 às 17:08

    è uma pena que HOMENS como o doutor SIMON já estejam com essa idade, pois quando ele se for, creio eu, que é o único HOMEM sério que ainda resta no Congresso Nacional. Os outros ele já falou sobre eles.

  • Aluizio Sueth

    -

    28/6/2012 às 23:41

    È uma reserva moral nesse país esse Pedro Simon. Aliás, os senadores do sul são exemplos…

  • josé mário francisco dos santos

    -

    21/5/2012 às 18:21

    Senador Simon, eu sou admirador de V. Excia, seus pronunciamento são sempre oportuno, gosto de ouvir seus questionamento, em relação ao aparte do senador Cristovão, jamais o presidente Lula, digo presidente porque ele continua sendo, mesmo de direito seja Dilma, tudo tem que passar pelo crivo de lula, e esta CPMI só foi a público e estar em funcionamento não foi porque Lula deu aval não, foi porque a Imprensa divulgou tudo, e ele determinou a esta Comissão que fizesse como sempre fez, abafar, os corruptos hoje, ou depois que o PT assuniu, tem um grande defensor que o Ex.presidente Lula, como tambem a Presidente Dilma, mesmo que a presidente tivesse pensamentos diferente, jamais faria diferente da opinião do expresidente Lula, ele age como cidades pequenas do nosso brasil, o ex prefeito apresenta alguém e este sendo vitorioso, o ex é quem dar as cartas. esta CPMI não é para desvendar nada é sim para esconder os erros cometido, desde o governo do presidente Lula, Senador simon, o PT apresento-se como o partido solução, mas todos nós que temos um pouco de conhecimento intendemos que o PT, não foi e nem é solução e sim o grande problema do nosaso pais, justifico:, O governo do PT, não dar a minima, para educação, saúde, segurança pública e infra estrutura, só pensa em aumentar,em aumentar os necessitado do bolsa familia, pois para ela fazendo assim, atende as necessidade dos brasileiros, senador o que dignifica o homem o pai de familia é o trabalho, e não uma ajuda, fazei presidente esta ajuda sem deixar o mais importante que é oferecer traqbalho para todo povo brasileiro. outra coisa que eu não concordo é o apoio aos paises que se diz amigos do presidente Lula Dilma, são beneficiados com tudo que os brasileiros não recebem, veja os aposentados, estão morrendo, os fatores principais de uma nação, como saúde, educação segurançapublica, não exite no brasil, numca se entrou tanto dinheiro no brasil como hoje entra, mas não serve para nada de proveito em beneficio do nosso povo, desaparece, indo para onde não sei, mais eles sabem, aqui eu expresso tambem minha indignação, votei com Lula no 1º mandato dele, no 2º não votei, pois ví o desempenho do lula, , eleaumentou o sálario minimo, mais o restante vem sofrendo na mão do PT, e se o brasil demorar mais dois mandato, pode ter certeza menos os politicos, mais todos vão receber sálario minimo, mesmo sendo aposentado no começo com dez sálario, senador espero amanhã, ouvir seu pronuciamento, que ouvir falar em meu nome, sou seu fã.

  • sérgio katz

    -

    10/5/2012 às 18:27

    Pedro Simon é um dos políticos mais honestos e competentes que o Brasil já conheceu. Nunca, em tempo algum, alguém o acusou de estar envolvido em qualquer falcatrua. Se todos os políticos fossem assim, teríamos certamente um país melhor

  • Osvaldo Aires

    -

    18/4/2012 às 3:08

    Vocês já sabem sobre o Protógenes.

    http://cinenegocioseimoveis.blogspot.com.br/2012/04/o-incrivel-qg-secreto-de-protogenes-no.html

  • Osvaldo Aires

    -

    18/4/2012 às 3:06

    O brasil é um projeto que não esta dando certo
    Osvaldo Aires

  • ramon

    -

    16/4/2012 às 14:48

    Se tratando de politica é dificil se acreditar nesssa nossa politica,nao ha quem recorrer so peço a deus um dia que tudo isso mude…..

  • Marcelo Fonseca

    -

    16/4/2012 às 0:43

    Esta é uma rara oportunidade de ouvir alguém que foi comprometido com a democracia de nosso pais. Alguém, que sempre esteve comprometido com as instituições estabelecidas e dedicou sua vida para um Brasil melhor, parabéns senador o povo merece pessoas como o senhor.

  • ANTONIO ALVES COSTA

    -

    15/4/2012 às 18:59

    acho que os 82 anos nosso grande senador pedro simon esta cada vez melhor pena que ele não foi sempre assim

  • Huelito Toscano Barreto de menezes lyra

    -

    14/4/2012 às 21:54

    Considero Ricardo Setti um colunista extraordinário, e tenho por ele grande admiração.

  • Huelito Toscano Barreto de menezes lyra

    -

    14/4/2012 às 21:50

    QUEM TEM MORAL PARA JULGAR O SENADOR DEMOSTENES TORRES NO CONGRESSO ??????????????????

  • Huelito Toscano Barreto de menezes lyra

    -

    14/4/2012 às 21:44

    Que belissima entrevista. QUE MARAVILHA DE POLITICO. OBRIGADO PEDRO SIMON… DEVE SER UNICO. MAS VOTARIA NO COLLO PARA PRESIDENTE.COISAS MUITO PIOR ACONTECEU CON LULA…

  • ANTHONY KUDSI RODRIGUES

    -

    14/4/2012 às 17:10

    Já estamos há 24 anos em total estado democrático de direito, só falta mesmo “exercitá-lo” mais como mandam as leis, para que ganhem mais “músculos” e possam “nocautear” a corrupção endêmica e os “raivosos saudosistas da ditadura”.
    “ANTES TARDE DO QUE NUNCA”

  • EStado de direito, já!

    -

    14/4/2012 às 9:58


    acho que não vais publicar, mas tudo bem….
    -
    -
    Arraes… (???!!!) Um dos grandes responsáveis pela desorde dos anos 60…… como essa cmabada de heróis indenizados e pensionados, ele não contriubuiu em nada apra a democracia deste país, muito pelo contrário….
    -
    -
    UM DOS GRANDES MALES DESTE PAÍS FOI A CAÇAçÃO (foi assim mesmo) DO COLLOR, com ela, os safados propagarão, com o auxilio da mídia, qeu o Brasil estava livre da corrupção na política…… O Dotô, outro gande enaganador, democrata de araque, fez de tudo apra caçar o Collor, pois queria ser o herói, qeu já o era, coma cosntiotuição “cidadã”… quem viveu em Brasília e o via na TV, e nem precisava ser muitie sperto… suas decalrações eram calras.. queria ser o presidente, tanto qeu aceitava prévias, desde qus eu nome fosse o indicato – democrata…… O IBSEN, que também queria… ele sendo o caçador do Collor. mas o Dotô tinha mais força, e ela acabou caçado, também…….
    -
    -
    CPI DOS ANÕES…. não deu resultado nenhum……
    -
    -
    O COLLOR FOIC AÇADO, QUANDO SDAIMOS DE UMA INFLAÇÃO MOSTRUOSA… a mída todos apoiram….
    -
    -
    COM O MENSALÃO, a oposição se calçopu, a midia emudeceu, e um deputado, não merecordo o nemenem o “partido”, alegou que a casssação do Lula levaria o país à instalbilidade…. quanta hipocrisia….
    -
    -
    SIMPÓSIO DA, OU CONTRA A CORUPÇÃO, em 2000…. o Pedo foi calro…. quem poderai fazer alguma coisa, NÃO QUER – fhc… outro safado… relator da emenda da reeleição, foi contra . NOM PODER,parou o apis até que fosse aprovada, e pior, SE CANDIDATOU A REELEIÇÃO – falta de caráter, de vergonha an cara…… E AINDA É CONSIDERADO, POR MUITOAS DA M´PIDAI, COMO UM ESTRADISTA….

    não fosse por um ou dois atos bons ( estabilidade,. privatizações…. ), seu governo seria um droga……

    Por que você acha que eu não iria publiciar? E por acaso sou censor? Só não publico pouquíssimos comentários, entre os 70 mil que já recebi, e por conterem ofensas, ameaças, agressões, xingamentos e coisas do tipo. Nunca pela opinião da pessoa.

    Abraços

  • Aldo Matias Pereira

    -

    14/4/2012 às 8:22

    Ricardo,
    De fato a entrevista do Senador Pedro Simon foi muito boa. Tocou em temas que as pessoas decentes tentam, de todas as formas, fazer acontecer para o bem do país mas, não conseguem. O problema todo e, parece que ele concorda com isso, é que as pessoas decentes, as pessoas de bem (são poucas mas, ainda existem no país) não estão no Congresso, nem vão estar. E por isso … ainda vai piorar!
    O que não concordo no Senador é que tem um discurso incisivo, inflamado, bem intencionado mas, me parece que fica só nisso. Na hora do vamos ver …
    Por isso o “congresso” é o que é! E o senador ainda hoje luta para se convencer de que seu discurso contra as privatizações (principalmente a da Vale)faz mesmo algum sentido. E que FHC entregou de mão beijada o patrimonio da nação. Uma pena! Por todo o tempo de vida pública, por toda a convivência que já teve com a dignidade de políticos que cita com saudade (todos nós a sentimos)poderia contribuir muito mais para o país e, nesse sentido, ele é, verdadeiramente, franciscano!

  • ANTHONY KUDSI RODRIGUES

    -

    13/4/2012 às 22:27

    A empáfia e o preselitismo barato de alguns, deixam meus dois únicos neurônios, “o tico e o teco”, muito constrangidos, pois eles nunca “processaram” no seu metabolismo cerebral basal a idéia de uma MEIA-GRÁVIDA ou um MEIO-LADRÃO, por exemplo, portanto, quando se trata de POLÍTICA INSTITUCIONAL, EU DISSE INSTITUCIONAL E NÃO PARTIDÁRIA, “o tico e o teco” só “processam” duas alternativas:1) A democracia que engloba um conjunto de leis com previsão para PUNIÇÕES,REGRAS, CIVILIDADE, REFORMAS, LIVRE ARBÍTRIO, LIBERDADE,INCLUSIVE DE IR E VIR, LIVRE EXPRESSÃO,LIBERDADE DE IMPRENSA, DIREITO A AMPLA DEFESA, CADEIA, PRESIDENTES, GOVERNADORES, PREFEITOS E CONGRESSO SOBERANO ELEITOS PELO POVO, SOBERANIA ESTA ATÉ CAPAZ DE ACABAR COM O CPMF DA SAÚDE DA NOITE PARA O DIA COMPROMETENDO SEU FUNCIONAMENTO POR PURA “PICUINHA” POLÍTICA, E QUE EM NADA TROUXE DE MELHORIAS E PREÇOS BAIXOS PARA OS POBRES E A CLASSE MÉDIA QUE TANTO RECLAMOU; MAS A DEMOCRACIA É ASSIM MESMO, UM DIA SE PERDE OU OUTRO SE GANHA, E POR AÍ VAI.
    O “Tico e o Teco” também lembram que O REGIME PARLAMENTARISTA É UMA INSTITUIÇÃO DEMOCRÁTICA E QUE TANTO O PRESIDENCIALISMO COMO O PARLAMENTARISMO SÃO OS REGIMES DOS PAÍSES DO 1º MUNDO.
    2)As ditaduras, sejam com ditador fixo, sejam com juntas, de direita, de esquerda, sejam DITADURAS FIXAS E DITADORES ROTATIVOS, são a negação de TUDO DITO ACIMA, e onde a CORRUPÇÃO “COME” SOLTA E NINGÚEM VÊ PORQUE TEM CENSURA À IMPRENSA E NÃO TEM LIVRE EXPRESSÃO, ALÉM DO QUE OPINIÕES CONTRÁRIAS À DITADURA, ISTO É, SE ALGUÉM CONSEGUIR BALBUCIAR AS PRIMEIRAS PALAVRAS DE UMA DENÚNCIA, ACABA SEMPRE EM “CANA” ARBITRÁRIA OU ENTÃO JOGADO NO FUNDO DO ATLÂNTICO; aliás, para uma parcela considerável da classe média este é o REGIME IDEAL, pois “O QUE OS OLHOS NÃO VEEM O CORAÇÃO NÃO SENTE”, isto sim , uma total idiotia(calem a boca “tico e teco” , não adianta que eu não vou falar palavrão).ESTE REGIME É O PREFERIDO do 3º MUNDO(Já falei “tico e teco” que é por causa da CORRUPÇÃO NA “MOITA”).
    3)As soluções para esta corrupção calamitosa que nos corrói( MAS QUE A IMPRENSA É LIVRE PARA DENUNCIAR), no que concerne à minha opinião , estão nos meus comentários nº40 e 23, todas democráticas.

  • Oiram

    -

    13/4/2012 às 22:07

    Com uma coisa não concordo: “o PT apodreceu’, o PT sempre foi o que é hoje, um partido que visa se perpetuar no poder, acabar com qualquer um que não concorde com ele, o STF, MP, PF todos foram aparelhados e hoje o que se vê é que a s roubalheiras do PT vão para baixo do tapete, as da oposição são expostas e julgadas. A venezuela é aqui.

  • Moises santos

    -

    13/4/2012 às 20:31

    O SENADOR DISSE TUDO. QUANDO ASSISTO O PRONUNCIAMENTO DESSA CAMBADA , PASSO ALGUMAS HORAS CONTROLANDO A PRESSÄO, O MELHOR Ê ESPERAR QUE MORRAM, JÁ QUE ELES, OS CORRUPTOS MATAM TODOS OS DIAS MILHARES DE PESSOAS QUE BUSCAM SOCORRO NOS HOSPITAIS E NAO ENCONTRAM, PELA AUSÊNCIA DO DINHEIRO DESVIADO.

  • carlos nascimento

    -

    13/4/2012 às 14:17

    A esperteza e a idiotia dos falsos democratas, provocam alergia gástrica, essas formosuras geraram um padrão de País que funciona assim:
    - Saúde, para obter tratamento digno, vá para o Sírio-Libanês ou Einstein, caso contrário, morram nos corredores do SUS. Alias, o incrível na área hospitalar chegou ao leito 19, ao invés de oxigênio para os pacientes, acreditem…injetam ar comprimido, inventaram o moderno tratamento do borracheiro.
    - Educação, as salas de aula são de primeiro mundo, as cadeiras,merendas, mesas, banheiros, segurança, limpeza e higiene são iguais….. as escolas africanas, matemática e português na era atual é coisa para otário, 2+2 somam 5, a escrita certa é a errada, é nós mano…. nós pega o peixe, e nós come…. criaram a fina flor do declínio.
    - Justiça, o padrão normal é a impunidade, só prendemos ladrões de galinhas, colarinhos brancos são sócios majoritários.
    - Infra-estrutura, uma beleza, a internet é rápida, o trânsito urbano fluente, os aeroportos modernos e operativos, as estradas sem buracos, acidentes perto do zero, um colosso.
    A verdadeira DEMOCRACIA é aquela em que o princípio básico da vida é respeitado, quando os arautos que por aqui escrevem queiram dar lições, procurem descobrir o que seja isso, que se chama LIVRE ARBÍTRIO, talvez tenham capacidade de avaliar o que de verdade queremos. Queremos REFORMAS, PUNIÇÕES, PADRÕES, REGRAS, CIVILIDADE, isso é a Terceira Via, um novo pacto de convivência, o modelo atual já está esfarelado,faliu, parimos um MONSTRENGO CORRUPTO, é hora de visionários, pessoas com neurônios acima da atual mediocridade.

  • ANTHONY KUDSI RODRIGUES

    -

    13/4/2012 às 6:08

    Não há salvação fora da democracia, “alternativa” fora da democracia é a ditadura DE TRISTE MEMÓRIA para os brasileiros, onde toda esta bandalha “comia solta” mas HAVIA A CENSURA À IMPRENSA para jogar os escândalos para debaixo do tapete e nada ser apurado nem os responsáveis punidos; é sempre importante lembrar que MALUFs,ACMs e SARNEYs tiveram suas carreiras POLÍTICAS lançadas e realçadas como se fossem os “novos políticos ideais”, pela ditadura militar.
    Agora aponto soluções:
    1)O decano dos jornalistas políticos brasileiros, Villas-Bôas Corrêa tem uma frase lapidar: “Brasília, a Capital que não deu certo”, e porque?, porque tem tem um ISOLAMENTO CRÔNICO do restante do país e “OS PODERES NÃO PODEM SER COBRADOS PELO POVO”(Austregésilo de Athayde, em carta à nação de 1957, alertando sobra a transferência da Capital do Rio para Brasília), e no sentido inverso ESTÁ MUITO PRÓXIMA dos seus honrados habitantes, principalmente do funcionalismo público, INIBINDO-OS. Portanto, urge pensar em transferir de novo a Capital para um grande centro urbano como de volta ao Rio de Janeiro, para São Paulo-Capital, Belo Horizonte, Porto Alegre, e por aí vai.
    2) Se isto não for possível, partir para a adoção do VOTO DISTRITAL.
    3) DITADURAS NUNCA MAIS.

  • carlos nascimento

    -

    12/4/2012 às 21:20

    Enquanto isso, o lixo fétido da nossa “democracia” está na sala, grampos revelam os bastidores das virtuoses, vai aqui uma pergunta: quem irá dedetizar esses vermes ? os democratas dirão, os ritos da democracia, vou aguardar….sentado, pois em pé cansa. Já os visionários dirão, é preciso promover profundas reformas.
    Ricardo Setti, passo à bola, vc vai continuar com o senso democrático, ou vai ajudar na criação da Terceira via.

  • lia silva

    -

    12/4/2012 às 8:59

    Concordamos com os belos comentarios ai do Sr Pedro Simon , demonstrando sua sabedoria e coerencia. Os nossos irmãos desavisados ainda ñ compreenderam mesmo depois de tantos avisos de que o mundo está saindo da terceira para a quarta dimenção. As ultmas oportunidades estão sendo dadas para que eles percebam que o poder maior é o de Deus. Nada que se faça está fora do alcance dos olhares de Jesus e dos seus mensageiros. Jajá tds irão constatar essa veracidade , se ainda ñ enxergaram é porque estão tão cegos que ñ estao enxergando um palmo diante do próprio nariz. Publiquem ai para ñ somente os politicos mas que tds tenham acesso. No Google: CRIANÇA INDIGO DA LIÇÃO DE MORAL EM ADULTOS. jESUS DISSE QUE : OS ULTIMOS SERÁO OS PRIMEIROS E OS PRIMEIROS SERÃO OS ULTIMOS. O Lula esta sendo alertado com o cancer que adquiriu, que volte as suas origens. Quem sabe ñ será novamente presidente Deus é quem sabe. Grande abraço. Leiam as obras de Kardek . A Grande Hora X. As obras de Ramatis, as obras de Divaldo Franco. Leiam antes que a natureza ñ se revolte
    mais do que ja está. Fiquem com Deus.

  • Paulo Fernandes

    -

    11/4/2012 às 21:27

    Misturei as coisas. Você realmente não é “a revista Veja”. Você eu consigo ler, mesmo muitas vezes discordando.

  • Paulo Fernandes

    -

    11/4/2012 às 21:17

    “Estou cansado de explicar aos amigos leitores que não publico críticas à revista VEJA no blog, que, por sinal, não é “a revista VEJA”, como pretende você em seu comentário.”

    Desculpe, eu não sabia.

    A revista VEJA é um conjunto de centenas de jornalistas, começando pelo diretor de Redação. Eu sou um colunista no site de VEJA, responsável apenas pelo meu blog. Não creio que seja difícil entender.

  • Ivomir

    -

    11/4/2012 às 0:37

    Uma das minhas grandes decepções foi assistir, na CPI do mensalão, o paladino da moralidade Pedro Simon, o qual tinha minha admiração assim como teve Demo(´stenes) Torres, se derreter em simpatias e admirações ao Duda Mendonça, quem diria, o seu marqueteiro de campanha que sabia das suas possíveis fontes de honorários gaúchos. Está ficando impossível continuar acreditando que ali, nas cúpulas e torres gêmeas de Brasília, todos os pares não são iguais.

  • LUIZ F DE OLIVEIRA

    -

    10/4/2012 às 17:59

    Acompanho o Senador e uns outros, pela TV SENADO. discordo dele quando elogia a DILLLLLMA e critica o mediocre ministério. Mas tirei uma dúvida que me perseguia desde o gov. LUILLLA; a DILLMA é presidennta do BRASIL PRIMEIRO MUNDO ( trem bala,ferrovia norte sul, etc) e os ministros são nomeados por … e governam o BRASIL REAL, onde se morre sem atendimento médico, a educação é a pior possivel, para ser ministro tem que ter ficha suja, especialista em corrupção.

  • Regina

    -

    10/4/2012 às 17:18

    Caro Setti, esse, como disse a sra. Inês, É O ÚLTIMO DOS MOICANOS, ou seja, HOMEM DE FIBRA E QUE AINDA CULTIVA ## A PALAVRA NO FIO DO BIGODE(TERMO USADO NO INTERIOR DO RGS PARA PESSOAS HONRADAS, DE BEM, HONESTAS), SE É QUE ME ENTENDES ##. O Congresso Nacional como dizia LULA(SIC) ANTES DO PUDÊ(SIC) tinha ## 300 PICARETAS ##. Agora lhe faço a mesma pergunta: $$$ QUANTOS PICARETAS TEMOS HOJE NO CONGRESSO NACIONAL COM A BASE ALUGADA PELO PT DO LULA $$$??

  • Ines da silva bandeira

    -

    9/4/2012 às 23:57

    Pedro Simon o último dos moicanos.. se eu fosse o senhor excelencia, eu não me misturava nesta lama que o senhor aponta é verdadae os grandes homens foram estão indo embora, são do tempo onde “a palavras dada avlia ouro”. bons tempos aqueles, senti nas suas palavras uma certa dose de saudosismo, o povo está inerte pois não crê em ninguem no meio político. Parabéns Senador.. o senhor está fazendo a sua parte

  • Paulo Roberto Ribeiro

    -

    9/4/2012 às 23:52

    Meus parabéns pela bela entrevista, o Senador, o Senhor Pedro Simon, um homem de conduta sem mancha
    na política, com pouco de mágoa em suas palavras, com a decepção da sua bancada, tem toda razão em não sentir bons caminhos, do jeito que estão os políticos nacionais em geral, cheios de vícios e interesses, será uma pena que o nobre Senador, deixará a vida parlamentar, pois ele é um dos poucos de animam à assistir a TV Senado!!!

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    -

    9/4/2012 às 23:48

    ANTHONY KUDSI RODRIGUES:
    Esse Passarinho numa gaiola não teria de mim solidariedadeH houve um engano o evento do 11 de abril na rua Pedro Lessa,35/auditorio – casa da America Latina é na quarta feira 18 e 30hs – Operação Condor – palestra por Aluizio Palmar.
    Aos da lista compareçam se puderem.
    Abraços
    Pedro Luiz

  • benjamin rabello

    -

    9/4/2012 às 20:46

    São entrevistas com essa,que nos faz manter a chama aceza,e que melhores dias poderão a vir.

  • ANTHONY KUDSI RODRIGUES

    -

    9/4/2012 às 18:14

    Perguntar não ofende:Não foi o Cel. Passarinho que “MANDOU ÀS FAVAS OS ESCRÚPULOS DE CONSCIÊNCIA”, naquele fatídico dia 13/12/1968 na reunião do General “Presidente” Costa e Silva com os seus ministros, anunciando à nação o AI 5, sendo a única voz discordante e corajosa a do “Vice-Presidente” da República, Pedro Aleixo?.

  • carlos nascimento

    -

    9/4/2012 às 17:01

    Ricardo,
    Anotei suas observações, como bom discípulo de Confúcio sou paciente, sei esperar o resultado do contraditório, o tempo ainda irá me dar razão.
    A terceira via ainda é um sonho, mas prefiro sonhar do que esperar soluções vinda das Alterosas,como é o seu caso, que acredita e torce por isso, apesar de aprendiz, creio que as soluções para o País passarão obrigatoriamente por uma ampla e irrevogável REFORMA.
    O quadro atual é irreversível, ninguém cura infecção generalizada com aspirina.
    Até qualquer dia.

  • carlos nascimento

    -

    9/4/2012 às 16:11

    Ricardo,
    Todos tem direito às suas escolhas, considero o Senador Passarinho uma grande reserva moral, defendia aquilo em que acreditava, quantos naquela época defendiam a democracia,e hoje são as “virtuoses” que transformaram nossa democracia em um monstrengo corrupto, o que vc tem a dizer ?
    Engraçado, vc tem opinião divergente do AN, pergunte ao seu amigo e irmão o que ele pensa do Passarinho, garanto que ficará surpreso.
    Abraços

    Caro Carlos,

    Tal qual o Augusto, considero o ex-senador Passarinho um homem inteligente, um grande orador, um homem culto e de convivência agradável.

    E, tal qual o Augusto, repudio seu papel durante a ditadura militar, da qual ambos somos críticos ferrenhos e irredutíveis.

    Abração
    Carlos Nascimento.

  • Paulo

    -

    9/4/2012 às 16:04

    Estou cansado de explicar aos amigos leitores que não publico críticas à revista VEJA no blog, que, por sinal, não é “a revista VEJA”, como pretende você em seu comentário. É simplesmente um blog do site de VEJA.

    Críticas ao colunista ou ao blog, mande-as à vontade. Quanto a VEJA, dirija-se ao diretor de Redação: veja@abril.com.br

  • carlos nascimento

    -

    9/4/2012 às 15:35

    Ricardo,
    A pobreza moral do atual parlamento, acabou por soterrar até mesmo o Senador Pedro Simon, que foi engolfado pelo nível da casinha do espanto.
    Quanta saudade de Trancredo Neves, Teotonio Vilela, Paulo Brossard, Mário Covas, Jarbas Passarinho, Franco Montoro, biografias que fazem muita falta, recordo-me dos grandes embates na Tribuna, entre Brossard e Passarinho, alto nível, Rui Barbosa se vivo estivesse ficaria muito orgulhoso do padrão.
    Hoje, Santo Deus, comparem: sarney, renan, barbalho, collor, gim, Crivella, Malta, suplicy, etc., dá calafrios, o País afundou, precisamos de muita CORAGEM para sanear essa tragédia.
    Abraços
    Carlos Nascimento.

    Do Passarinho, que está vivo, que conheço pessoalmente e que é uma pessoa educada, culta e agradável, não tenho saudades, não.

    Servidor fiel da ditadura, que foi.

    Abraços

  • ANTHONY KUDSI RODRIGUES

    -

    7/4/2012 às 23:14

    Caro Senador Pedro Simon (de quem eu sou um fã) “OS PODERES NÃO PODEM FICAR LONGE DA COBRANÇA DO POVO”, já alertava o Brasil em 1957 o acadêmico Austregésilo de Athayde , e assim o ISOLAMENTO CRÔNICO de Brasília (nada contra o seu honrado povo trabalhador, sua arquitetura arrojada, sua beleza) atraiu as neo-oligarquias medievais brasileiras e os políticos aéticos com suas deletérias ações contra o Brasil, assim como foi o “casulo” em que a ditadura militar conseguiu governar o Brasil por 21 anos, totalmente apartada do povo brasileiro. O Sr. junto com os ilustres brasileiros que citou e que já morreram , tiveram as suas carreiras políticas formadas quando a Capital do Brasil ainda era o Rio de Janeiro, e onde estes mesmos poderes eram cobrados em suas ruas, praças, espaços culturais pelo politizado povo carioca de então e que enchia a cidade com campanhas históricas a favor do Brasil, como a do “O PETRÓLEO É NOSSO” e também para protestar , aplaudir e defender as instituições(1954 não foi 1964 em razão da maciça manifestação do povo carioca nas ruas , “encarando” os golpistas). Assim, com todo o respeito que eu e todo povo brasileiro lhes deve, por ser ainda um dos últimos exemplos de como deve ser um político brasileiro, quero dizer que será muito difícil a tarefa de mobilizar o povo brasileiro novamente como era no passado a que me refiro e que deve estar povoando as suas recordações de um passado glorioso do Brasil.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados