Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

TRF nega liberdade a Adriana Ancelmo por “joias e dinheiro”

Desembargador Abel Gomes acolheu recurso do Ministério Público contra a prisão domiciliar

O desembargador Abel Gomes, do Tribunal Federal Regional da 2ª Região (TRF-2), acaba de decidir que a ex-primeira-dama Adriana Ancelmo vai permanecer na cadeia.

Na decisão, o desembargador afirma que ela manipulou joias e dinheiro em espécie, mesmo após a prisão de Sérgio Cabral. E que por isso, ela foi presa pouco tempo após o marido. 

Gomes também rebate o argumento de que Adriana precisa cuidar dos filhos. Segundo ele, a decisão precisaria ser estendida a todas as outras mulheres presas na mesma condição.

O desembargador acolheu o mandado de segurança do Ministério Público Federal contra a decisão do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio. Na última sexta (17), Bretas havia convertido a prisão preventiva de Adriana em domiciliar. 

Veja a íntegra da decisão que mantém Adriana Ancelmo presa

Adriana Ancelmo exige que Cabral permaneça em Bangu

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Por essas decisões tomadas por competentes servidores da justiça eu renovo minha esperança de que nem tudo está perdido, nem todos estão corrompidos. Parabéns a esse ilustre desembargador. Porque deveríamos favorecer a essa e não as outras tantas que se encontram na mesma situação? Só porque e’ mais rica?

    Curtir

  2. Arsenio Meneses

    Cabral e sua mulher já estavam comentando: “Devagar as coisas vão chegando no lugar . É só esperar e continuar seguindo o esquema”.
    Erraram. O Brasil está começando a mudar. Esse Desembargador faz parte do novo Brasil

    Curtir

  3. Difícil entender a decisão do juiz Bretas em liberar a criminosa. Realmente lamentável decisão do juiz. Ainda bem que um desembargador anulou a decisão do juiz. Criminosos e ladrões devem permanecer na cadeia por longos anos além de devolverem todo o dinheiro roubado.

    Curtir

  4. Arthur Silva Costa

    PARABÉNS SENHOR DESEMBARGADORO BRASIL PRECISA DE HOMENS IGUAL AO SENHOR

    Curtir

  5. Os requisitos da prisão temporária continuam presentes e ativos. Portanto, o relaxamento, por fatos estranhos a legislação, seria imprudente e incompetente. Tolerância zero, ou vamos estar fadados ao eterno sub-desenvolvimento.

    Curtir

  6. E’, a gente fica pen$ando como pode um juiz favorecer uma detenta $omente quando outra$ tanta$ ne$$a me$ma $ituacao nao con$eguem e$$e beneficio…onde e$ta e$$a ju$tica ? $era que e$ta rolando alguma coi$a por debaixo da me$a que a gente nao fica $abendo ?

    Curtir

  7. Tudo bem, ela tem que continuar presa. Enquanto isso o tal de Bruno dá autógrafo, tira foto, concede entrevistas, vai jogar uma bolinha, etc…etc….

    Curtir

  8. Marcos Binelli

    É isso aí….por que não pensou nos filhos antes de cometer crimes? Decisão acertada. Agora o ‘mané’ que tentou colocar a moçoila fora da cela deveria ser investigado….

    Curtir

  9. VALEU PELO SENSO DE HUMOR, BLOGUEIRO — ONTEM UM JORNALECO CARIOCA QUE APOIA ESSA CORJA, POSTOU A SEGUINTE MANCHETE = ADRIANA ANCELMO SERÁ SOLTA PELOS ( FILHOS ) O CERTO É ISSO MESMO — TRF NEGA LIBERDADE A MARIA ANTONIETA DO FAVELÃO POR DINHEIRO E JÓIAS COMPRADOS COM DINHEIRO ROUBADO —

    Curtir

  10. josé pereira filho

    Eu acho que no logar de privar ela da lei o promotor tinha estender a lei para as outras pessoas na mesma situação, pebre, rico afinal lei é lei.

    Curtir