Blogs e Colunistas

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

7:26 \ Governo

Lobão diz adeus

Provocação de correligionários

De volta ao Senado

Edison Lobão não tem a menor dúvida de onde despachará a partir de 2015: do seu gabinete no Senado. Aos mais próximos, assume que não integrará o ministério do segundo governo Dilma. Voltará ao Senado, onde tem mais quatro anos de mandato pela frente.

Por Lauro Jardim

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

11:54 \ Economia

Menos de 1%

trabuco

Pouquíssima chance de ir para a Fazenda

A possibilidade de Luiz Carlos Trabuco assumir a Fazenda é mais do que remota. Um ex-diretor do Bradesco, que conhece a alma da instituição, enxerga apenas uma única chance de isso acontecer – “e, mesmo assim, uma chance de menos de 1%”: se Dilma Rousseff for a Lázaro Brandão, o presidente do conselho de administração do Bradesco, o líder supremo da Cidade de Deus, e pedir que libere Trabuco para essa missão.

Por Lauro Jardim

terça-feira, 28 de outubro de 2014

A conta-gotas

ministros 2010

O ministério de Dilma em 2011

Aqui e ali saiu que Dilma Rousseff anunciaria o ministério do segundo mandato de uma vez só. Nada mais incorreto. Os nomes, como sempre, sairão a conta-gotas.

Por Lauro Jardim
14:24 \ Governo

Dilma, Trabuco e Neca

trabuco

Trabuco: um dos cogitados

A propósito, um ministro de Dilma Rousseff  sobre a especulação do nome de Luiz Carlos Trabuco como ministro da Fazenda:

- Politicamente, vai ser difícil sustentar o nome do presidente do Bradesco depois de termos passado a campanha inteira batendo pesado na Neca Setubal pela proximidade com a Marina Silva.

Por Lauro Jardim

sábado, 21 de junho de 2014

O time

 

Montagem da equipe

Montagem da equipe

Aécio Neves planeja anunciar seus ministros a conta-gotas a partir de agosto. Em alguns casos, o fará nos programas eleitorais do PSDB na TV, onde pretende apresentar-se ao lado de alguns deles, como Arminio Fraga (Fazenda) e Antonio Anastasia (Planejamento).

Aécio já se acertou com José Serra. Se for eleito, dará a Serra um ministério. Entre os tucanos aposta-se que seria o Itamaraty.

A propósito, há um acordo entre Aécio Neves e Geraldo Alckmin sobre o PSD, de Gilberto Kassab. Por ele, Kassab só será o vice de Alckmin se o PSD largar Dilma Rousseff pela estrada e apoiar o PSDB. Objetivamente, hoje a possibilidade de o PSD marchar com os tucanos é próxima de zero.

Por Lauro Jardim

segunda-feira, 10 de março de 2014

7:26 \ Governo

Marcha ré

josé henrique paim

Paim: empossado na primeira leva

No dia 3 de fevereiro, Dilma Rousseff deu posse a quatro ministros – Aloizio Mercadante (Casa Civil), José Henrique Paim (Educação), Arthur Chioro (Saúde) e Thomas Traumann (Comunicação Social).

Parecia que o restante da reforma viria em mais uma semaninha. Cinco semanas depois, não só nada andou, como andou para trás.

Por Lauro Jardim

quinta-feira, 6 de março de 2014

7:24 \ Governo

Xadrez ministerial

Inconformado com o Planalto

Nem tão certo quanto o governo pensa

O governo dá como certo que levará Vital do Rêgo para o Ministério do Turismo. Beleza. Só que o senador peemedebista já disse a Henrique Eduardo Alves que não aceitará o convite se não for dado outro ministério ao PMDB da Câmara.

Por Lauro Jardim

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

7:24 \ Governo

Vontade de servir à Pátria

dilma

Fama pelas broncas

Dilma Rousseff voltou e, abençoada pelo papa Francisco, retornou nos últimos dias ao arrastado enredo da reforma ministerial.

O que impressiona, dado que todos os candidatos a ministros conhecem o temperamento nada fácil de Dilma, é ter tanta gente com disposição para tomar esporros monumentais.

Só pode ser mesmo uma inexcedível vontade de servir à Pátria.

Por Lauro Jardim

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

18:58 \ Governo

Com jeitinho, vai?

Descartando convite

Esperança para Dilma

De um peemedebista velho de guerra sobre o convite de Dilma Rousseff para Eunício  Oliveira tornar-se o ministro da Integração, oferta recusada mais de uma vez pelo senador:

- Não é operação trivial, mas se tiver chance, o Eunício topa.

Por Lauro Jardim

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

17:17 \ Governo

Só com aval de Temer

Dilma e Temer: o fiador

Dilma e Temer: o fiador

Dilma Rousseff bateu hoje o martelo com os ministros da casa:  na reforma ministerial, todo e qualquer ministro do PMDB  terá obrigatoriamente que ter o aval de Michel Temer.

Em resumo,  Dilma deixará claro que para o bem e para o mal, o ministro não será indicado por Eduardo Cunha, pelo PMDB do Senado, por Renan Calheiros etc – o fiador será Temer.

Por Lauro Jardim

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

10:22 \ Partidos

Cargo que não compensa

Reunião marcada com os correligionários

Reunião marcada com os correligionários

A especulação em torno do nome de Eunício Oliveira para o Ministério da Integração está levando o PMDB da Câmara à loucura. No cenário que o levaria à Esplanada, Vital do Rêgo seria escanteado e os deputados do partido perderiam uma de duas cadeiras, provavelmente o Ministério do Turismo, que seria entregue ao PTB.

Eunício identificou o tamanho da bomba e tem dito aos correligionários que não aceitaria o convite, caso Dilma Rousseff o oficializasse. A posição não tem nada de altruísmo, mas de instinto de sobrevivência.

Se topasse a empreitada, Eunício estaria automaticamente abrindo mão da candidatura ao governo do Ceará e sendo pivô de uma crise com a bancada da Câmara, a turma do Senado que tenta emplacar Vital do Rêgo e o Palácio do Planalto, que passaria a ser ainda mais torpedeado do que já é pela bancada da Câmara (Leia mais em: Alternativa, tem).

Assistindo o xadrez de perto, Eduardo Cunha já convocou sua tropa. Hoje, às 15 horas, haverá reunião com todos os deputados do PMDB. Cunha já sabe o que ouvirá de sua turma. Se a bancada perder o ministério, vai sobrar petardo para o Planalto e os senadores favoráveis ao nome de Eunício.

Por Lauro Jardim

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Alternativa, tem

Não topa qualquer coisa

Não topa qualquer coisa

Dia, sim, outro, também, Eunício Oliveira procura Michel Temer para queixar-se da bomba que está se armando no Ceará. Caso Cid Gomes não o apoie – algo pouco provável hoje – Eunício concorreria ao governo batendo de frente com as duas máquinas, a estadual e a federal.

Uma das possibilidade que a cúpula peemedebista já tratou com Eunício é a de construir seu nome para a Esplanada. Nesse cenário haverá dois problemas – o menor deles, explicar a Vital do Rêgo que ele dançou; o outro, convencer Dilma Rousseff a entregar a Eunício e ao PMDB um ministério com robustez suficiente para resolver a parada.

Sim, ninguém enxerga Eunício, que já foi ministro das Comunicações, topando abandonar o sonho de ocupar a cadeira de Cid Gomes em troca do mediano Turismo ou do pouco valorizado Ciência e Tecnologia, por exemplo.

Por Lauro Jardim

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

11:28 \ Governo

Data marcada

 

Mercadante: chefe da Casa Civil de fato

Mercadante: chefe da Casa Civil de fato

A posse de alguns ministros deverá acontecer já na segunda-feira de manhã. Entre eles, o mais importante desta fornada, Aloizio Mercadante, o novo homem-forte do governo.

A propósito, Mercadante já é de fato o novo chefe da Casa Civil, mas quando está no Palácio do Planalto despacha numa salinha de reuniões do Ministério. No gabinete da (ainda) ministra Gleisi, não pisa.

Por Lauro Jardim

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

17:12 \ Governo

Não por acaso

Idealizador da proposta

Abrindo o jogo para grupo de confiança

Alexandre Padilha confirmou o que todo mundo já sabia: a opção pelo secretário de Saúde de São Bernardo do Campo e filiado ao PT, Arthur Chioro, para substitui-lo passa também pela ambição eleitoral do partido em São Paulo.

Numa reunião com cerca de cem funcionários da pasta, ontem à noite, no próprio ministério, Padilha elogiou a capacidade administrativa de Chioro, mas acrescentou que a escolha é estratégica porque poderá dar suporte à sua pré-campanha ao governo do maior estado do país.

A conversa aconteceu por volta das 19h30m no auditório Emílio Ribas. Padilha disse que só estavam ali pessoas da sua confiança e batizou o grupo de Bloco Histórico da Saúde. Aproveitou para anunciar que tivera o compromisso de Dilma Rousseff de que o emprego de todos será mantido na nova gestão.

Padilha pediu apoio dos funcionários durante o processo de transição e a Arthur Chioro, quando assumir a cadeira de fato. A atual secretária-executiva do ministério, Márcia do Amaral, foi anunciada como coordenadora de transição. E ao final dos cerca de 20 minutos de explanação, Padilha brincou:

- Por favor, não tirem fotos porque eu não quero ver isso aqui no Facebook.

Por Lauro Jardim

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Nomeação ou eleição?

Novo quadro peemedebista

Josué é quadro peemedebista

Apesar do desejo do Palácio do Planalto e de Lula (leia mais em O Meirelles da Dilma), Josué Gomes da Silva tem dito aos mais próximos que prefere seguir os passos do pai, José Alencar.

Ou seja, entrar na política via voto popular. Assim, seria candidato ao Senado ou a vice-governador de Minas Gerais. A questão é se ele resistirá aos apelos da dupla Dilma-Lula. De qualquer forma, essa novela, assim como todas, tem data para terminar: na segunda semana de fevereiro.

Por Lauro Jardim

terça-feira, 26 de novembro de 2013

17:33 \ Governo

Ministério prometido ao PTB

Alvorada: palco de articulações para 2014

Alvorada: palco de articulações para 2014

No almoço que acabou agora há pouco no Alvorada com os senadores do bloco União e Força (leia mais em Boas relações), Dilma Rousseff  trabalhou por sua reeleição:  comprometeu-se a dar um ministério ao PTB na reforma de janeiro.  Até agora, o partido ainda não foi contemplado com nenhum dos 39 ministérios.

Depois de um coquetel regado a vinho e uísque, o PTB pediu explicitamente o Ministério da Integração Nacional. Dilma reagiu. Disse que a pasta também era ambicionada pelo PP e pelo PMDB.  Deixou no ar que o partido de Roberto Jefferson não levará a Integração, mas não ficará na mão.

O nome indicado pelo PTB foi levado à mesa. É Benito Gama, atual vice-presidente de governo do Banco do Brasil. Dilma não fez oposição ao indicado.

Por Lauro Jardim

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

17:28 \ Partidos

O boato de Negromonte

Ao pé do ouvido

Ao pé do ouvido

Mário Negromonte anda espalhando e sem pedir segredo que o PP ficará com o Ministério do Turismo depois do dia 1 de janeiro de 2014, embora a probabilidade de isso acontecer seja parecida com a da Ponte Preta ganhar o Brasileirão. O jogo almejado por parte da cúpula progressista terminaria com Ciro Nogueira na Esplanada e o próprio Negromonte na presidência do partido.

Como se sabe, na maioria das vezes, em política, há uma enorme distância entre desejo e realidade.

Mas isso nem é o mais relevante. Negromonte conseguiu com seu boato ficar mal dentro e fora do PP. Grande parte dos seus correligionários não abre mão de construir palanques estaduais longe de Dilma Rousseff e, se José Sarney voltar a ouvir falar em perder o Turismo, corre o risco de o conturbado casamento entre PT e PMDB enfrentar ainda mais turbulência.

Quem procurou Eduardo Cunha para saber o que pensa do que anda dizendo Negromonte, ouviu a reação curta e objetiva:

- Nem pensar.

Por Lauro Jardim

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

19:27 \ Congresso

Para ontem

Com pressa

Com pressa

Não é à toa a pressa de Renan Calheiros e seus correligionários para emplacar Vital do Rêgo na Esplanada (Leia mais em: Renan prepara sucessor). Dentro do partido, há o temor de Vital passar por um processo igual ao visto com Gabriel Chalita e seu nome ruir antes mesmo de ser nomeado ministro.

Por Lauro Jardim

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

6:03 \ Congresso

Renan prepara sucessor

O preferido de Renan

Embora resista a admitir publicamente – rito comum a nove entre dez pré-candidatos ao que quer que seja – Renan Calheiros é candidatíssimo ao governo de Alagoas. Não por acaso, vem se empenhando arduamente para emplacar Vital do Rêgo no ministério de Dilma Rousseff.

Renan quer garantir o processo de sucessão de sua cadeira e deixar o posto para alguém de sua turma. Com José Sarney ameaçando pendurar a gravata e Eunício de Oliveira disposto a deixar Brasília para disputar o governo do Ceará, Vital é o favorito de Renan para assumir a presidência do Senado. A ideia é cacifá-lo para o posto.

Um interlocutor de Renan explica:

- Vital já fez dois vestibulares para ficar do tamanho da cadeira: as presidências da CCJ e da CPI de Carlinhos Cachoeira. O ministério seria o último degrau até estar preparado para chegar lá.

Por Lauro Jardim

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

17:28 \ Governo

O nome do inconformismo

Sem pressa

A falta de pressa de Dilma Rousseff para decidir o nome que substituirá Fernando Bezerra é a mais recente faísca na relação Palácio do Planalto-PMDB.

E o inconformismo tem nome, ou melhor, nomes: Eduardo Cunha, Eunício de Oliveira e Renan Calheiros, que vinha negociando a cadeira para o partido. O trio não engoliu o adiamento da decisão. Lógico, querem Vital do Rêgo no posto o quanto antes.

Por Lauro Jardim

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

7:21 \ Partidos

O dilema pedetista

A favor de sair da Esplanada

A Executiva Nacional do PDT se reuniu ontem à tarde, em Brasília. Em meio a mais uma coleção de maracutaias na pasta comandada por Manoel Dias, vários integrantes da cúpula, como Vieira da Cunha e Enio Bacci, defenderam abertamente o pleito de boa parte da bancada da Câmara: que o partido entregue o ministério do Trabalho.

O líder pedetista na Câmara e aliado de Carlos Lupi, André Figueiredo, pelo menos no discurso, afirma não se opôr ao movimento, caso seja a vontade da maioria de seus correligionários.

Figueiredo ponderou, no entanto, que deixar a Esplanada neste momento significa colar de uma vez por todas a sujeira exposta pela Polícia Federal em Manoel Dias, histórico quadro do partido.

Por Lauro Jardim

quinta-feira, 14 de março de 2013

18:51 \ Partidos

Do apetite ao senso de oportunidade

Recuo em cima da hora

Gilberto Kassab deu uma tacada para lá de oportuna – ou melhor, oportunista – dizendo a Dilma Rousseff, aos 44 minutos do segundo tempo: “Não, obrigado, mas, por ora, não vamos integrar a base”.

O recente movimento é só mais uma demonstração de que o PSD nasceu para trafegar nas águas do fisiologismo. Quem não se lembra da definição da criatura por seu criador, Kassab?

- O PSD não é de direita, não é de esquerda, não é de centro.

Agora, depois de não obter a garantia de que receberá os dois ministérios que tanto queria, Kassab preferiu ganhar tempo para novas barganhas até 2014 chegar.

Ainda não se sabe que tamanho terá a candidatura de Eduardo Campos no ano que vem. Assim sendo, convém aguardar.

O recuo foi comunicado oficialmente em cima da hora, não por acaso, quando um de seus correligionários já estava praticamente empossado.

Pronto, feita a reviravolta, se o nome de Afif Domingos for confirmado no ministério criado para abrigar o apetite de Kassab, não entrará na conta. Nem precisa.

Retirá-lo do governo de São Paulo é capital político para Dilma, com quem Kassab voltará a negociar assim que surgir uma nova oportunidade.

Por Lauro Jardim

terça-feira, 5 de março de 2013

13:21 \ Governo

Só falta um

Em contato com o candidato

Desde a desidratação de Gabriel Chalita, Leonardo Quintão está fazendo o que pode para, enfim, chegar à Esplanada.

Quintão e seus correligionários da bancada de Minas Gerais já gastaram todos os argumentos com Michel Temer para convencê-lo de que o grupo merece uma forcinha para conquistar um ministério.

Mas Quintão sabe que só isso não basta e foi pedir benção a Renan Calheiros duas vezes só na semana passada.

Até aí, beleza. Agora, só falta ganhar o apoio de quem bate o martelo: Dilma Rousseff.

Por Lauro Jardim

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

12:21 \ Partidos

Na base, longe do ministério

Na corda bamba

Com Brizola Neto na alça de mira de Dilma Rousseff, o líder do PDT na Câmara, André Figueiredo, não esconde de ninguém que a eventual queda do correligionário pode trazer ao menos um benefício: mais independência para o partido.

Diz Figueiredo:

- Trata-se de uma posição pessoal, mas que acredito que seria mais confortável para o PDT não ocupar nenhum ministério, mesmo integrando a base aliada.

Por Lauro Jardim

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

14:23 \ Governo

Chalita em pane

Denúncias pegaram mal no Planalto

Não passou em branco no Palácio do Planalto a denúncia publicada contra Gabriel Chalita na Folha de S. Paulo, no sábado.  Se Chalita já tinha perdido o Ministério da Ciência e Tecnologia, agora pode ter perdido o plano B – o Turismo.

Por Lauro Jardim

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

11:28 \ Governo

Brizola Neto, o ministério do Trabalho e o PDT

Constatação: normalmente, um partido luta para nomear alguém dos seus quadros para um ministério. Já o PDT, em sua quase totalidade, briga para tirar.

Por Lauro Jardim

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

15:32 \ Governo

Saito no comando

No comando da Defesa

Com a viagem de Celso Amorim para o Uruguai, o comandante da Aeronáutica, Juniti Saito, ocupa até amanhã o cargo de Ministro da Defesa.

Por Lauro Jardim

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

16:29 \ Partidos

PMDB mineiro versus Temer

Alvo de descontentamento

A bancada do PMDB de Minas Gerais não pode nem ouvir falar em Michel Temer. Leonardo Quintão retirou a candidatura à prefeitura de Belo Horizonte para apoiar Patrus Ananias, a pedido de Temer.

Quintão saiu de uma reunião no Palácio Jaburu, quando se comprometeu a sair do páreo, com a certeza de que receberia um ministério em troca do compromisso. Até agora, como se sabe, quando se fala em ministério para o PMDB, só há olhos para Gabriel Chalita e sua dedicação à campanha de Fernando Haddad.

Quintão tem dito por aí que está doido para receber um chamego bem feito de Aécio Neves para chutar o balde e apoiar o projeto tucano em 2014.

Por Lauro Jardim

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

18:48 \ Congresso

Esplanada Niemeyer

Homenagem

Chico Alencar apresentou um projeto de lei sugerindo batizar a área dos ministérios, em Brasília, de Esplanada Oscar Niemeyer.

Por Lauro Jardim

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

6:01 \ Governo

Um ministério por favor

Ele não desiste

Alfredo Nascimento terá uma nova oportunidade para tentar convencer Dilma Rousseff de que é o cara para assumir um ministério (Leia mais em: Homem de confiança).

Dilma abrirá as portas do Planalto para a cúpula do PR, provavelmente no dia 14. Blairo Maggi e Lincoln Portela acompanharão Nascimento e, óbvio, vão fazer coro para tentar recuperar o espaço perdido.

Como se sabe, ninguém considera Paulo Sérgio Passos, ministro dos Transportes, quadro do partido – nem o próprio governo.

Agora, se Portela e Maggi avalizam o nome do Nascimento – a segunda vítima a ser defenestrada na faxina de Dilma – para representar a legenda na Esplanada, mais uma vez, são outros quinhentos.

Mas caso Dilma esteja mesmo disposta a aceitar o PR de volta, faltará apenas concordar com o quadro proposto pela sigla e, claro, o partido não fazer beicinho se a pasta disponível não for a dos Transportes.

Por Lauro Jardim
 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados