Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Mercado dos carros velozes e de luxo acelera com desempenhos históricos

No nicho, a demanda continua mais alta do que nunca e grandes montadoras, como Lamborghini e Ferrari, comemoram

Por André Sollitto Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 8 Maio 2024, 13h27 - Publicado em 7 abr 2024, 08h00

No mercado automotivo, superar a marca de 10 000 unidades vendidas em um ano não é lá grande coisa. No Brasil, é número equivalente à média mensal de emplacamentos dos modelos mais procurados. Nos Estados Unidos, é o que algumas montadoras negociam em três dias. Para as marcas de luxo, no entanto, pôr nas ruas 10 000 veículos com valores que ultrapassam 1 milhão de reais é feito a ser celebrado. Em 2023, a Lambor­ghi­ni teve o melhor desempenho de sua história, com exatos 10 112 esportivos comercializados. É um espanto. A título de comparação: a companhia italiana vendeu apenas 8 000 unidades somadas em seus primeiros trinta anos de existência. Para alguns modelos, agora, há fila de espera de até três anos. “Estamos em nossa melhor forma”, disse a VEJA o CEO da empresa, Stephan Winkelmann.

ALMA ITALIANA - Ferrari Purosangue: esportividade intacta
ALMA ITALIANA - Ferrari Purosangue: esportividade intacta (Paul Yeung/Bloomberg/Getty Images)

A crise que brota em outros nichos do luxo parece ter ficado no retrovisor dos carrões. A italianíssima Ferrari registrou em 2023 o maior volume de transações anuais desde sua fundação, com 13 663 unidades — lucro de 1 bilhão de euros. A participação do Brasil na história de sucesso é pequena, mas não desprezível. A Lamborghini vendeu trinta unidades no país no ano passado e acaba de abrir um novo showroom em São Paulo. A Ferrari anunciou a chegada do novo modelo, Purosangue, por cerca de 7,5 milhões de reais. Detalhe: a espera por um exemplar, pelas bandas de cá, chega a dois anos. Outras fábricas do topo da pirâmide têm aproveitado a tração. As britânicas Rolls-Royce, Bentley e Aston Martin também registraram bons resultados em 2023 e correm firmes por fora.

A explicação para o fenômeno é interessante e não pode ser desdenhada: a acumulação de riqueza, em parte da sociedade, durante a emergência sanitária da Covid-19, que freou o planeta, mas não os investimentos da roda financeira. “A faixa de consumidores de luxo é maior do que antes da pandemia”, diz Winkelmann, da Lamborghini. “Temos mais clientes do que há dez ou vinte anos.” Mas, é claro, para além do empuxo dos dólares e euros, houve visão estratégica. As mon­tado­ras do nicho souberam explorar as demandas do mercado automobilístico global, principalmente a sede pelos grandalhões SUVs. O Urus, da Lamborghini, é um fenômeno de vendas e representa hoje 60% dos emplacamentos da italiana. A Ferrari, inicialmente resistente à tendência, acabou se rendendo e desenvolveu o Purosangue — o nome deixa claro, aliás, que a alma da companhia está lá, sob a enorme carroceria. A Bentley tem o Bentayga, outro êxito. A Aston Martin ostenta o DBX 707, e a Rolls-­Royce, o Cullinan.

arte carros

Continua após a publicidade

O pico atual pode ser, segundo analistas, o derradeiro suspiro bilionário da era dos motores a combustão. E luxo, em futuro breve, estará atrelado a zelo com o ambiente, sem o qual haverá mau gosto, simples assim. A pressão por mudanças nas frotas de veículos rumo à eletrificação é imparável. Entre os fabricantes de esportivos, é verdade, o processo tem sido um pouco mais lento, focado inicialmente nos híbridos. O elétrico da Lamborghini, nas pranchetas e computadores, deve sair da linha de montagem em 2030. Na Ferrari, os modelos elétricos já representam parte relevante das vendas. A Rolls-Royce apresentou recentemente o Spectre elétrico, nova versão de um clássico.

FUTURO - O Rolls-Royce Spectre elétrico: tão luxuoso quanto a versão a gasolina
FUTURO - O Rolls-Royce Spectre elétrico: tão luxuoso quanto a versão a gasolina (John Keeble/Getty Images)

A mudança de direção é inexorável, atenta aos interesses dos novíssimos consumidores — para eles, a força magnética das máquinas sobre quatro rodas é eterna, mas desde que não sejam sujonas. O desafio, agora, é provar para os amantes da velocidade luxuosa que a eletricidade não subtrai o charme de sempre. É missão complicada, mas longe de ser impossível. E continuará a ecoar uma frase de Ferruccio Lamborghini (1916-1993), o criador do ícone metálico: “Nunca parei de pensar no carro ideal”.

Publicado em VEJA de 5 de abril de 2024, edição nº 2887

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.