Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Cronologia dos ataques virtuais a sites do governo

Entenda também como funciona o sistema de proteção federal

Por Da Redação 24 jun 2011, 18h56

O Brasil se prepara para enfrentar os ataques virtuais. O Exército Brasileiro criou o Núcleo do Centro de Defesa Cibernética, que deverá capacitar os profissionais que garantirão a segurança de ambientes virtuais militares e governamentais. O setor ainda está em fase de implantação e começará a operar no segundo semestre.

Por ora, o gerenciamento de parte dos endereços públicos federais está a cargo do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), que cuida, entre outros, dos sites da Presidência da República e do governo federal (ambos atacados nesta semana) e Receita. Alguns ministérios cuidam de suas próprias estruturas, caso do Esporte, também atacado. A Polícia Federal vai investigar as ocorrências e determinar quando abrir inquéritos.

Leia também:

A nova – e perigosa – onda cracker: conheça grupos Anonymous e LulzSec

Cronologia – As invasões aos sites brasileiros

Continua após a publicidade

  • 18 de junho O grupo Fatal Error Crew furta dados, como nomes, endereços de e-mail e CPF, de aproximadamente mil militares após quebrar a segurança do site do Exército brasileiro. Em nota, a instituição garante que a ação não compromete dados confidenciais da corporação.
  • 22 de junho Os sites da Presidência e do governo federal são invadidos e saem do ar por algumas horas. O grupo LulzSecBrazil assume a responsabilidade pela queda das páginas, que apresentam instabilidade durante o dia.
  • 22 de junho No mesmo dia, o LulzSecBrazil anuncia a tentativa de invasão ao site da Petrobras. A empresa admite que recebeu um alto volume acessos simultâneos.
  • 22 de junho O Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) informa que o site da Receita Federal sofreu uma tentativa de ataque cracker. Segundo a entidade, a página não chegou a ficar fora do ar porque o Serpro detectou o problema a tempo.
  • 23 de junho O LulzSecBrazil divulga em seu perfil no Twitter dados – como números de CPF, PIS, data de nascimento, telefones fixos e celulares, signo e e-mails pessoais – atribuídos à presidente Dilma Rousseff e ao prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab.
  • 23 de junho Os sites da Presidência da República e do Senado Federal apresentam instabilidade depois de um grande número de tentativas de acesso. Não houve confirmação da ação de crackers.
  • 23 de junho O site do Ministério do Esporte sai do ar por algumas horas para varredura em toda a página. De acordo com comunicado oficial divulgado pela assessoria de imprensa, a decisão foi tomada após o grupo cracker LulzSecBrazil anunciar no Twitter que teria furtado informações sigilosas do banco de dados do órgão.
  • 24 de junho O site oficial do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sai do ar após ser invadido por crackers durante a madrugada. Segundo a assessoria de imprensa do órgão, a ofensiva não afeta o banco de dados do IBGE.
  • 24 de junho A assessoria de imprensa do Ministério da Cultura informa que o site da pasta sofreu uma tentativa de ataque, deixando a página fora do ar por algumas horas. O órgão não confirma que o problema tenha sido causado pela ação de crackers, mas garante que não houve violação de dados.

Leia mais:

Por que o site da Presidência cai, e o da Amazon, não

Lista: 13 ataques virtuais envolvendo o Anonymous

Lista: 9 ataques virtuais envolvendo o LulzSec

Cronologia dos ataques aos sites do governo

Continua após a publicidade

Publicidade