Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Vitaminas são desperdício de dinheiro para adultos saudáveis

Conclusão é de cientistas que afirmaram que não há evidências suficientes de que suplementos ajudem a prevenir doenças

Por Sabrina Carmo 22 jun 2022, 15h09

Não há evidências suficientes de que multivitaminas e suplementos possam ajudar a prevenir doenças cardiovasculares e câncer em adultos saudáveis ​​e mulheres que não estão grávidas. A conclusão faz parte das novas recomendações da Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos Estados Unidos (United States Preventive Services Taskforce – USPSTF), um painel independente de especialistas que propõe recomendações baseadas em evidências sobre serviços clínicos preventivos.

Em editorial publicado no Journal of the American Medical Association (JAMA), Jeffrey Linder e outros cientistas da Northwestern University Feinberg School of Medicine se mostram a favor das novas recomendações da USPSTF, que foram baseadas em uma revisão sistemática de 84 estudos.

Os cientistas afirmaram que, para pessoas saudáveis, vitaminas são um desperdício de dinheiro, com exceção apenas para grávidas e mulheres que estão tentando engravidar.

Só em 2021, os americanos gastaram cerca de US$ 50 bilhões em vitaminas e suplementos alimentares. Mais da metade dos adultos dos Estados Unidos toma suplementos alimentares e a tendência é de que esse número continue a crescer.

“A força-tarefa não está dizendo ‘não tome multivitaminas’. Se fossem realmente bons para você, já saberíamos”, disse Linder. Aqueles que têm deficiência de vitaminas ainda podem se beneficiar da ingestão de suplementos alimentares, como cálcio e vitamina D, que demonstraram prevenir fraturas e quedas em adultos mais velhos.

Continua após a publicidade

Segundo o médico, não existe uma fórmula mágica para se manter saudável, é preciso fazer dieta e exercício. Para reduzir efetivamente os riscos de doenças cardiovasculares, é necessário também parar de fumar.

A ingestão de frutas e vegetais está associada à diminuição do risco de doenças cardiovasculares e câncer. Frutas e vegetais inteiros contêm uma mistura de vitaminas, fitoquímicos, fibras e outros nutrientes que provavelmente atuam de forma sinérgica para oferecer benefícios à saúde. Os micronutrientes isolados em vitaminas e suplementos podem agir de maneira diferente no corpo.

Jenny Jia, coautora do editorial do JAMA, entende que a adoção de uma dieta saudável e a prática de exercícios pode ser mais difícil para americanos de baixa renda, principalmente em razão do sistema alimentar industrializado que não prioriza a saúde.

“A alimentação saudável é cara e as pessoas nem sempre têm meios de encontrar ambientes para se exercitar – talvez seja inseguro ao ar livre ou não possam pagar uma instalação. Então, o que podemos fazer para tentar facilitar e ajudar a apoiar decisões mais saudáveis?”, questionou a médica.

A força-tarefa não recomenda o uso de suplementos com betacaroteno, substância que pode aumentar o risco de câncer de pulmão. Além disso, ela também não recomenda o consumo de suplementos de vitamina E, pois não há benefícios na redução da mortalidade, doenças cardiovasculares ou câncer.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)