Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

SP: Uma em cada quatro meninas de 10 a 15 anos já tomou pílula do dia seguinte

Levantamento da Secretaria Estadual da Saúde também mostrou que 75% dessas jovens conhecem a pílula como forma de evitar uma gravidez indesejada

Por Da Redação
12 jun 2013, 17h43

Um levantamento feito pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo mostrou que 23% das adolescentes de 10 a 15 anos de idade já tomaram a pílula do dia seguinte para evitar uma gravidez. Ainda de acordo com pesquisa, que foi realizada com 600 jovens dessa faixa etária, 75% das meninas e 60% dos meninos entrevistados afirmaram conhecer a droga como método de prevenir a gravidez após o sexo desprotegido. “O número de meninas dessa idade que já fizeram uso da pílula do dia seguinte é alto, ainda mais se tratando dessa faixa etária. Isso é preocupante, já que mostra que pelo menos 23% dessas jovens já foram expostas ao sexo desprotegido”, disse ao site de VEJA Albertina Duarte, médica ginecologista e obstetra, e coordenadora do Programa Estadual de Saúde do Adolescente.

A médica acredita que essas adolescentes conhecem a camisinha, mas que não usam o preservativo por uma série de motivos. “Conhecer e usar na prática são coisas diferentes. Muitas vezes, as adolescentes não usam preservativo para agradar o parceiro, por se sentirem pressionadas por eles, entre outras razões”, afirma. “Precisamos entender o que está acontecendo para orientar as pacientes da melhor forma possível.”

Leia também:

EUA liberam pílula do dia seguinte para qualquer idade

Continua após a publicidade

Pílulas anticoncepcionais são ligadas a mortes no Canadá

Como saber a hora da primeira vez

Albertina acredita, porém, que é um bom sinal o fato de a maioria dos adolescentes já conhecer o método contraceptivo. “Isso é um avanço, mas eles precisam entender que se trata de uma medida emergencial, que não pode virar rotina. Além disso, a pílula do dia seguinte não substitui a camisinha, não protege contra doenças sexualmente transmissíveis”, diz Albertina.

Continua após a publicidade

O Centro de Referência e Treinamento (CRT) DST/Aids, órgão ligado à Secretaria de Saúde de São Paulo, registrou 134 novos casos de infecção pelo HIV em jovens de 10 a 19 anos em 2011, um número 25% maior do que o notificado em 2010, que foi de 107 casos. “Até 2010, esse número vinha diminuindo, mas voltou a aumentar. Precisamos continuar reforçando a importância do uso de preservativos”, diz Albertina.

Os anticonceptivos conhecidos como pílula do dia seguinte são baseados no levonorgestrel e têm os mesmos princípios ativos que os anticoncepcionais comuns, mas em doses mais altas, que podem evitar a gravidez mesmo se ingeridos 72 horas após a relação sexual. Segundo a médica, é comum que as adolescentes façam uso da pílula do dia seguinte mais do que uma vez, comportamento que acaba sendo prejudicial por diversos motivos. “Essa pílula oferece uma dose hormonal muito grande ao corpo da mulher, ainda mais ao de meninas tão jovens. Além disso, a pílula do dia seguinte pode apresentar um índice de falha 15 vezes maior do que o anticoncepcional convencional, e a sua eficácia pode diminuir quanto mais vezes ela for tomada”, diz.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.