Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Remédio para osteoporose evita crescimento do câncer de mama

Segundo pesquisadores americanos, a droga bazedoxifene, já aprovada na Europa para tratar osteoporose, impede que os tumores da mama sejam 'alimentados' pelo hormônio estrógeno

Pesquisadores americanos descobriram que um remédio já aprovado na Europa e usado no tratamento contra a osteoporose é capaz de impedir o crescimento dos tumores na mama. Segundo esses especialistas, o bazedoxifene é benéfico mesmo nos casos em que o câncer se tornou resistente às terapias específicas para a doença. A descoberta faz parte de um estudo apresentado durante o encontro anual da Sociedade Endócrina, que acontece até esta terça-feira em San Franciso, Estados Unidos.

Sabe-se que o crescimento dos tumores da mama depende do estrógeno, que serve como um ‘alimento’ às células cancerígenas. Para que alimente os tumores, o hormônio precisa se ligar a receptores de estrógeno localizados no núcleo dessas células. Tratamentos comuns contra o câncer de mama incluem drogas que bloqueiam a ação do estrógeno e evitam que as células cancerígenas cresçam. O tamoxifeno é um exemplo desses medicamentos – tais remédios se ligam aos receptores de estrógeno nas células cancerígenas, ocupando o lugar que seria do hormônio e impedindo que o estrógeno alimente o tumor.

Leia também:

Pesquisa identifica possível origem do câncer de mama

Medicamento contra câncer de mama avançado é aprovado no Brasil

Dupla ação – A nova pesquisa, feita no Instituto de Câncer Duke, estudou a ação do bazedoxifene em cultura de células animais e descobriu que esse medicamento tem ação semelhante ao tamoxifeno. Porém, a droga possui outra propriedade: a capacidade de destruir o receptor de estrógeno presente nas células cancerígenas da mama. “Pelo fato de a droga remover o receptor, ela diminui a propensão do câncer se tornar resistente ao remédio, já que o alvo é destruído”, diz Suzanne Wardell, uma das autoras da pesquisa.

Segundo o estudo, esse efeito foi observado inclusive em células cancerígenas da mama que haviam desenvolvido resistência a tratamentos comuns contra a doença, como o tamoxifeno. Atualmente, pacientes com a doença que desenvolvem resistência a esses medicamentos costumam receber tratamento quimioterápico.

Mudança de paradigma – Segundo Donald McDonell, presidente do Departamento de Farmacologia e Biologia do Câncer de Duke, muitos especialistas acreditam que, uma vez que o paciente desenvolve resistência ao tamoxifeno, ele se torna resistente a todas as outras drogas que têm como alvo o receptor de estrogênio. “Nós mostramos que o receptor de estrogênio é um bom alvo para medicamentos contra o câncer de mama mesmo com o desenvolvimento da resistência ao tamoxifeno”, diz.