Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Receitas de Jamie Oliver e outros chefs da TV são menos nutritivas do que comida congelada, diz estudo

Estudo britânico concluiu que, em média, pratos feitos por chefs famosos na televisão têm mais gordura e calorias e menos fibras por porção

A popularização de programas de televisão em que um chef de cozinha ensina algum de seus pratos deve ser encarada com cautela, ao menos na opinião de pesquisadores da Grã-Bretanha. De acordo com um novo estudo, as receitas de alguns dos chefs mais famosos da TV britânica, entre eles Jamie Oliver e Nigella Lawson, são, no geral, menos saudáveis do que comida congelada – já que contêm, em média, mais calorias e gordura saturada e menos fibras por porção. A pesquisa, feita pela Universidade de Newcastle junto ao Serviço de Saúde Nacional (NHS, na sigla em inglês), foi publicada nesta segunda-feira na edição de Natal da revista British Medical Journal (BMJ).

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Nutritional content of supermarket ready meals and recipes by television chefs in the United Kingdom: cross sectional study

Onde foi divulgada: revista British Medical Journal (BMJ)

Quem fez: Simon Howard, Jean Adams e Martin White

Instituição: Universidade de Newcastle, Grã-Bretanha, e Serviço de Saúde Nacional (NHS)

Dados de amostragem: 100 receitas de chefs britânicos famosos e 100 refeições congeladas

Resultado: Em média, receitas de chefs famosos são mais calóricas, contêm mais gordura saturada e menos fibras do que comida congelada vendida em supermercados

A equipe chegou a essa conclusão após comparar o valor nutricional de 100 refeições prontas, vendidas em grandes supermercados da Grã-Bretanha, ao de 100 receitas presentes em best-sellers de quatro ‘chefs celebridades’ britânicos – Jamie Oliver, Nigella Lawson, Lorraine Pascale e Hugh Fearnley-Whittingstall. Os pratos foram selecionados de forma aleatória.

Os pesquisadores, então, calcularam o valor nutricional de cada uma das receitas e estabeleceram um valor médio para os pratos dos chefs e para as refeições prontas. De acordo com o estudo, nenhuma receita selecionada cumpriu totalmente as recomendações nutricionais da Organização Mundial da Saúde (OMS) ou da Agência de Normas para Comida (FSA, sigla em inglês) da Grã-Bretanha.

TV x freezer – Os pesquisadores descobriram que as receitas dos chefs da televisão, em comparação com as refeições congeladas, tinham, por porção, ‘significativamente’ mais calorias (2.530 calorias contra 2.067); proteína (37.5 gramas contra 27.9 gramas); gordura (27.1 gramas contra 17.2 gramas); e gordura saturada (9.2 gramas contra 6.8 gramas). Os pratos dos chefs famosos também continham menos fibras (3.3 gramas contra 6.5 gramas).

Segundo o artigo, estudos anteriores já haviam demonstrado que uma parte considerável da população britânica cita os programas de culinária na televisão como uma das fontes para o preparo de suas refeições em casa. Além disso, na Grã-Bretanha, atrações culinárias costumam aparecer entre os 30 programas mais vistos em uma semana. Na conclusão do estudo, os autores sugeriram que informações nutricionais sobre cada receita sejam incluídas nos livros de culinária, assim como ocorre com as embalagens de pratos congelados. Segundo eles, são poucos os best-sellers que fornecem tais dados. Os pesquisadores também acreditam que deva existir algum tipo de regulamentação para que as receitas sejam exibidas na televisão.

Leia também:

“A cozinha é para todos”, diz Jamie Oliver

Frequência – Para Celso Cukier, nutrólogo do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, esses resultados não devem ser alarmantes. “A receita de um chef deve ser considerada como um momento prazeroso, com sabores diferentes e que incrementam o paladar. As mais calóricas somente são prejudiciais à saúde se forem inseridas no cotidiano e consumidas com muita frequência”, diz. “A comida congelada, por outro lado, é normalmente consumida no dia-a-dia e, por isso, é mais preocupante”. Mesmo assim, médico considera pertinente a sugestões dos pesquisadores britânicos de acrescentar informações nutricionais nos livros de culinária. “Temos o direito de saber a qualidade dos nutrientes que fazem parte de uma receita. A partir dessa informação, uma pessoa tem a liberdade de escolher se irá ou não experimentar o prato.”

Para Rita Lobo, autora de livros como Cozinha de Estar: Receitas Práticas Para Receber Bem, da Editora Paralela, e apresentadora do programa Cozinha Prática, do GNT, existe um peso de responsabilidade em divulgar receitas para o público. “É por isso que eu não indico o uso de temperos prontos, por exemplo. Eles são alguns dos responsáveis por detonar uma receita e o seu valor nutricional”, diz. Segundo a autora, substituir esses temperos industriais por caldos de comida naturais já melhora a receita. “É preciso lembrar que comida congelada costuma apresentar outras substâncias maléficas à saúde, como conservantes, por exemplo. Além disso, acredito que seguir uma receita e cozinhar em casa tenha outros benefícios, e juntar a família e os amigos em volta da mesa é um deles.”