Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Pesquisadores identificam medicamento que reduz mortes por Covid-19

Estudo realizado pela Universidade de Oxford identificou taxas mais altas de sobrevivência em pacientes que precisaram de oxigênio

Por Da Redação Atualizado em 16 jun 2020, 17h41 - Publicado em 16 jun 2020, 11h30

Cientistas da Universidade de Oxford, na Inglaterra, afirmaram nesta terça-feira, 16, que foi identificado o primeiro medicamento comprovado a reduzir mortes por coronavírus. Um estudo clínico com a droga foi feito com 6.000 pacientes no Reino Unido e mostrou que a dexametasona, um corticoide, apresentou resultados positivos.

Em pacientes que receberam ventilação, a quantidade de mortes foi reduzida em um terço. No caso de pacientes que tiveram tratamento apenas com oxigênio, a redução de óbitos chegou a um quinto. Os cientistas disseram que não encontraram benefícios em pacientes que não precisaram de suporte respiratório.

ASSINE VEJA

Os desafios dos estados que começam a flexibilizar a quarentena O início da reabertura em grandes cidades brasileiras, os embates dentro do Centrão e a corrida pela vacina contra o coronavírus. Leia nesta edição.
Clique e Assine

De acordo com o secretário de Saúde do Reino Unido, Matt Hancock, os profissionais do Serviço Nacional de Saúde, o NHS, vão passar a usar a droga no tratamento contra a Covid-19. O governo começou a estocar dexametasona há alguns meses porque acreditava no potencial do medicamento e 200.000 doses estão disponíveis para a população.  

LEIA TAMBÉM
Vitaminas para a imunidade: mitos e verdades

Em um comunicado, o professor de doenças infecciosas emergentes na Universidade de Oxford e um dos autores do estudo, Peter Horby, afirmou que a “dexametasona é a primeira droga a mostrar uma melhoria na taxa de sobrevivência por Covid-19. O benefício de sobrevivência é evidente e eficaz em pacientes que estão doentes o suficiente para precisarem de tratamento com oxigênio”. 

O professor afirmou que a dexametasona deveria se tornar o padrão de tratamento para estes pacientes, principalmente por ser considerada barata, amplamente disponível e poder ser usada imediatamente. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)