Clique e assine a partir de 9,90/mês

Parar de fumar engorda, confirma pesquisa

O ganho de peso médio no primeiro ano sem cigarro é de quatro a cinco quilos. Benefícios do fim do tabagismo, porém, superam os riscos de engordar

Por Da Redação - 11 jul 2012, 19h04

Parar de fumar, embora seja algo extremamente benéfico à saúde, provoca ganho de peso na maioria das vezes. Uma nova pesquisa publicada nesta terça-feira no site do periódico British Medical Journal (BMJ) concluiu que fumantes engordam, em média, entre quatro e cinco quilos no primeiro ano sem cigarro – especialmente nos primeiros três meses. Segundo os autores do estudo, esse aumento de peso é maior do que se pensava anteriormente, mas isso não elimina o fato de que os efeitos positivos que acompanham o fim do tabagismo superam os riscos do ganho de peso.

Opinião do especialista

Jaqueline Scholz Issa

Cardiologista e coordenadora do Programa de Tratamento do Tabagismo do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (InCor)

Continua após a publicidade

“Esses dados vão ao encontro dos resultados de um levantamento que fizemos no Insituto Nacional de Câncer (Inca) com fumantes que tentaram largar o cigarro. Na prática clínica, observamos que, geralmente, quem se preocupa muito em ganhar peso não tenta parar de fumar, e que engordar não é um dos motivos mais comumente apresentados por fumantes que têm recaídas.

Embora a maioria das pessoas ganhe peso ao deixar o tabagismo, é importante que elas saibam que não é impossível evitar que isso ocorra. Como elas provavelmente sentirão mais fome sem o cigarro, a melhor alternativa é dedicar-se a alguma atividade física. A prática, além de ajudar a amegrecer, alivia outros sintomas que acompanham um fumante que está tentando abandonar o vício, como stress e ansiedade.

Por isso, é importante que uma pessoa saiba dos riscos de engordar antes de abandonar o cigarro. Assim, ela pode se preparar e se planejar para que não ganhe peso.”

Esse trabalho foi feito por pesquisadores da Universidade do Sul de Paris, na França, e da Universidade de Birmingham, na Grã-Bretanha, que cruzaram dados de 62 estudos sobre ganho de peso e fim do tabagismo para chegar a essas conclusões. Ainda de acordo com o estudo, entre todos os fumantes que abandonam o cigarro, 37% engordam até cinco quilos; 34% ganham entre cinco e dez quilos e 13% aumentam seu peso em mais de dez quilos. Os outros 16% emagrecem.

Continua após a publicidade

Leia também:

Em 2012, 37% dos casos de câncer no Brasil estarão relacionados ao tabagismo

Apenas 1 em cada 3 fumantes consegue abandonar o vício

A pesquisa indicou que o ganho de peso foi o mesmo independentemente do tipo de terapia farmacológica usada pelos ex-fumantes e também não se alterou entre pessoas que relataram se preocupar, ou não, com o fato de correr o risco de engordar ao parar de fumar. Porém, segundo a equipe, pessoas que usam reposição de nicotina podem ganhar menos peso, pois a substância funciona como supressor de apetite e pode ajudar a aumentar a taxa metabólica. No artigo, os autores enfatizam que, como muitos fumantes desistem de abandonar o cigarro com medo de engordar, o aconselhamento a essas pessoas deveria incluir recomendações para evitar o ganho de peso.

Continua após a publicidade

Brasil – Um estudo feito recentemente no Instituto do Coração do Hospital das Clínicas (InCor) acompanhou 568 fumantes que desejavam largar o cigarro. Segundo a pesquisa, entre os participantes que ficaram ao menos 12 meses sem fumar, 73% ganharam peso, 11% emagreceram e 16% mantiveram o peso. O ganho médio de peso foi entre 4,7 e 5,6 quilos – e as mulheres engordaram mais do que os homens. Ao relatarem como se sentiram após abandonarem o cigarro, 85% das pessoas que engordaram disseram “estar se sentindo melhor de saúde ao parar de fumar, apesar do ganho de peso”, sugerindo que a percepção do benefício da cessação do tabagismo é referida pelo paciente como algo mais positivo que o conseqüente ganho de peso. O artigo ainda será publicado nos Arquivos Brasileiros de Cardiologia.

Publicidade