Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

OMS anuncia mpox como novo nome para a varíola dos macacos

Mudança considera necessidade de evitar estigmas a países e populações

Por Paula Felix Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 28 nov 2022, 13h00

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou nesta segunda-feira, 28, que a monkeypox, mais conhecida como varíola dos macacos, passará a ser chamada de mpox. A mudança de nome tem como objetivo seguir as práticas atuais para a nomeação de doenças, evitando estigmas a culturas e populações, além de impactos para turismo e bem-estar animal.

Especialistas ao redor do mundo debatem com a entidade a possibilidade de mudança de nome deste a metade do ano. Em junho, a OMS informou que um processo para reconsiderar a nomenclatura já tinha sido aberto pelo Comitê Internacional de Taxonomia de Vírus (ICTV), responsável por procedimentos dessa natureza, e que a alteração teria como objetivo seguir as “práticas atuais na nomeação de doenças”.

No mês seguinte, foi aberta uma consulta para estabelecer a nova nomenclatura. Em uma cartilha de 2015, a organização explica que os nomes dados às doenças devem minimizar impactos negativos para viagens, turismo, comércio ou bem-estar animal e “evitar ofender qualquer cultura, grupos sociais, nacionais, regionais, profissionais ou étnicos”. De acordo com a entidade, o nome varíola dos macacos foi dado antes do estabelecimento desses critérios.

O termo monkeypox ainda será usado por um período de transição de um ano. Depois, será eliminado. “Isso serve para atenuar as preocupações levantadas por especialistas sobre a confusão causada por uma mudança de nome em meio a um surto global. Também dá tempo para concluir o processo de atualização da CID (Classificação Internacional de Doenças) e para atualizar as publicações da OMS”, informou a entidade.

Para a mudança, de acordo com a OMS, foram ouvidos órgãos consultivos e representantes de autoridades governamentais de 45 países.

Continua após a publicidade

Em julho, a zoonose viral foi considerada uma Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional (PHEIC, na sigla em inglês) pela OMS. Segundo a plataforma Our World in Data, ligada à Universidade de Oxford, foram contabilizados 81,1 mil casos e 55 mortes no mundo. O Brasil registrou 9,9 mil casos e 12 óbitos.

Monkeypox

Descoberta em 1958, a monkeypox (varíola dos macacos) recebeu esse nome por ter sido observada pela primeira vez em primatas utilizados em pesquisa. Ela circula principalmente entre roedores, e humanos podem se infectar com o consumo da carne, contato com animais mortos ou ferimentos causados por eles.

Entre os sintomas, estão: febre, dor de cabeça, dores musculares, dores nas costas, linfonodos inchados, calafrios e exaustão. A erupção cutânea começa geralmente no rosto e, depois, se espalha para outras partes do corpo, principalmente as mãos e os pés. Antes do surto, a doença era considerada endêmica em países da África central e ocidental, como República Democrática do Congo e Nigéria.

Análises preliminares sobre os primeiros casos do surto na Europa e na América do Norte demonstraram que o vírus foi detectado por serviços de cuidados primários ou de saúde sexual e os principais pacientes eram homens que fazem sexo com homens. No entanto, a OMS já alertou para o fato de que essa não é uma doença que afeta grupos específicos e que qualquer pessoa pode contraí-la se tiver contato próximo com alguém infectado.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.