Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

OMS admite falhas no combate ao ebola na África

Em documento interno, agência da ONU fala sobre falta de preparo dos funcionários e problemas provocados por burocracia do órgão

Por Da Redação
17 out 2014, 15h52

A Organização Mundial da Saúde (OMS) admitiu nesta sexta-feira que cometeu erros nas tentativas para conter a epidemia de ebola que assola o Oeste da África, citando falhas como a incompetência de funcionários e a falta de informação. “Praticamente todos os envolvidos na resposta ao surto falharam em ver coisas óbvias”, afirmou a organização, no rascunho de um documento interno obtido pela agência de notícias Associated Press.

A OMS reconheceu que, por vezes, até mesmo sua burocracia interna foi um problema no combate à doença. A entidade assinalou que os chefes dos escritórios nacionais da OMS na África são “indicações politicamente motivadas” do diretor regional para o continente, o angolano Luis Sambo, que não responde à comandante da agência em Gênova, Margaret Chan, natural de Hong Kong..

Leia também:

Fundo da ONU para combate do ebola tem apenas 100 mil dólares

No documento, a agência ainda afirmou que considera “particularmente alarmante” que o chefe do seu escritório na Guiné tenha se recusado a ajudar uma equipe de especialistas em ebola a conseguir vistos para o país e que 500.000 dólares tenham sido bloqueados em obstáculos administrativos.

Continua após a publicidade

Em uma reunião de especialistas da entidade que atuam na epidemia, em junho, a líder da OMS, Chan, foi alertada sobre os problemas da organização na África. Bruce Aylward, normalmente responsável pela erradicação da poliomielite, enviou um e-mail para Chan alertando que alguns parceiros da agência acreditavam que a OMS estava “comprometendo em vez de ajudar” a resposta ao ebola.

Leia também:

Origem, transmissão e como o ebola age no corpo ​

Ebola: como o vírus ‘burro’ se tornou uma epidemia

Continua após a publicidade

Para Peter Piot, especialista que ajudou na descoberta do vírus ebola, nos anos 1970, a OMS foi lenta no combate à doença, principalmente por causa da organização regional na África. “Eles não fizeram nada. Aquele escritório não é realmente competente”, diz. O médico questiona o porquê de a OMS levar cinco meses e esperar por 1 000 mortos antes de declarar o ebola como uma emergência de saúde internacional, em agosto. “Eu pedi para que declarassem um estado de emergência em julho”.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.