Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Nova droga promissora contra obesidade reduz peso em 24% em estudo

Retatrutida age em três hormônios ligados à saciedade e metabolismo da glicose; ensaio de fase 2 foi feito com 338 voluntários

Por Paula Felix Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 6 out 2023, 20h18 - Publicado em 6 out 2023, 19h50

Um novo estudo com a droga retatrutida, que tem sido avaliada como promissora para o tratamento de pessoas com diabetes, apontou que o fármaco em análise foi capaz de levar a uma redução de 24,2% do peso corporal no grupo que recebeu a dosagem de 12 mg ao longo de 48 semanas. Entre os voluntários  que utilizaram placebo, a queda foi de 2,1%. O ensaio de fase 2 foi publicado no periódico The New England Journal of Medicine e apresentado à comunidade científica no congresso anual da Associação Europeia de Estudos sobre Diabetes (EASD, na sigla em inglês).

A análise foi realizada com 338 adultos com obesidade ou índice de massa corporal (IMC) acima de 27  e menor que 30 com, ao menos, uma comorbidade. A droga é da família de novos medicamentos contra obesidade e diabetes que ficaram conhecidos ao redor do mundo, como Ozempic e Wegovy (semaglutida) e Mounjaro (tirzepatida), por superar a marca de perda de peso entre 5% e 10% de remédios mais antigos.

Assim como esses fármacos, a retatrutida age em hormônios ligados à saciedade e metabolismo da glicose, com o diferencial de agir em três deles. “A semaglutida imita o hormônio GLP-1, que influencia nossa sensação de saciedade e está presente em todos esses medicamentos de controle de obesidade e diabetes. Mas a retatrutida, que é um agonista triplo, simula mais dois hormônios, o GIP, que melhora a secreção de insulina após uma refeição e o Glucagon, que aumenta o nível de glicose no sangue contrapondo-se aos efeitos da insulina”, explica a endocrinologista Alessandra Rascovski, que acompanhou o evento da EASD.

As expectativas para a próxima etapa de ensaios clínicos (a fase 3) é elevada, porque há uma expectativa da comunidade médica de, no futuro, ofertar o tratamento para a obesidade antes que o paciente tenha o agravamento da doença e ter a possibilidade de indicar a cirurgia bariátrica apenas para determinados casos. Se atingirem índices em torno dos 30%, os medicamentos vão alcançar os mesmos resultados de uma cirurgia bariátrica, mas sem a necessidade de procedimentos cirúrgicos e suas possíveis complicações.

Continua após a publicidade

“Sem dúvida vai ser uma arma importante para o controle da obesidade, problema de saúde pública. Os dados para a população americana mostram que, em 2030, serão 50% da população adulta americana serão obesa, e dentre os obesos, um em cada 4 terá obesidade grau 3, ou seja, com IMC acima de 40, portanto grandes obesos”, diz Rodrigo Lamounier, diretor do Departamento de Diabetes da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).

Lamounier diz que os medicamentos são uma grande esperança e que a retatrutida tem potencial para ser “o medicamento mais potente para o tratamento da obesidade”, mas que outras iniciativas devem ser incorporadas, até porque essas drogas têm um alto custo.

“É muito importante que tenhamos políticas públicas voltadas para o aumento do gasto energético e para melhorar a alimentação da população. Também políticas sobre leis regulatórias, taxação e rotulação de alimentos ultraprocessados, assim como o planejamentos das cidades no sentido de melhorar o acesso para caminhar, estimular o uso do transporte público, para diminuir o tempo sentado, que está relacionado à perda de peso e diminuição de riscos cardiovasculares. São várias iniciativas que devem ser cruzadas.”

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.