Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Hipertensão na gravidez pode prejudicar a cognição do bebê a longo prazo

Nova pesquisa mostrou que dificuldades de aprendizado e raciocínio apresentadas por uma pessoa durante a vida pode ser resultado de pressão alta da mãe ao longo da gestação

A hipertensão na gravidez pode afetar de forma negativa as habilidades de pensamento, raciocínio e aprendizado do bebê não só em seus primeiros anos, mas ao longo de toda a vida. Essa é a conclusão de uma pesquisa feita na Finlândia e publicada nesta semana no periódico Neurology, da Academia Americana de Neurologia.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Hypertensive disorders in pregnancy and cognitive decline in the offspring up to old age

Onde foi divulgada: periódico Neurology

Quem fez: Soile Tuovinen, Katri Räikkönen, Eero Kajantie, Markus Henriksson, Jukka T. Leskinen e outros

Instituição: Universidade de Helsinki, Finlândia

Dados de amostragem: 398 homens nascidos entre 1934 e 1944

Resultado: Filhos de mães que tiveram pressão alta durante a gravidez se saem pior, tanto aos 20 quanto aos 69 anos, em testes cognitivos de linguagem, matemática e noções espaciais em comparação com homens cujas mães tiveram pressão sanguínea normal na gestação.

“A pressão arterial elevada e as doenças relacionadas à condição interferem no ambiente do útero, onde está o bebê durante a gravidez. Nosso estudo sugere que problemas de cognição apresentados por um indivíduo mesmo em sua velhice pode ter se originado no período pré-natal, quando é dada a maior parte do desenvolvimento cerebral de uma pessoa”, diz Katri Raikonen, pesquisadora da Universidade de Helsinki, na Finlândia, e uma das autoras do trabalho.

Leia também:

Tabagismo na gravidez pode aumentar risco de autismo nos bebês

Dieta no início da gravidez pode afetar cérebro do feto

Tempo de gestação pode determinar desempenho escolar ao longo da infância

Na pesquisa, Raikonen e sua equipe avaliaram a cognição de 398 homens nascidos entre 1934 e 1944 em duas ocasiões: uma, quando eles tinham uma idade média de 20 anos, e a outra, quando eles tinham, em média, 69 anos. A avaliação foi feita por meio de testes de linguagem, de matemática e de noções espaciais e visuais. Além disso, os pesquisadores analisaram os registros médicos das mães dos participantes durante a gravidez.

Veja também: Especialistas tiram dúvidas sobre gravidez e cuidados com o bebê

Pontuação – Ao final do estudo, os autores descobriram que os homens cujas mães apresentavam pressão alta durante a gravidez tiveram menores notas nos testes cognitivos tanto aos 20 quanto aos 69 anos de idade em comparação com os participantes cujas mães apresentavam pressão sanguínea normal. Além disso, o declínio da pontuação entre uma avaliação e outra foi maior entre o grupo das mães hipertensas. A associação foi mais forte para os resultados das provas de matemática.

Saiba como tratar a hipertensão nos vídeos abaixo:

*O conteúdo destes vídeos é um serviço de informação e não pode substituir uma consulta médica. Em caso de problemas de saúde, procure um médico.