Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Garotas obesas vão pior na escola, segundo estudo

Pesquisa mostra que excesso de peso aos onze anos de idade prejudica o desempenho acadêmico ao longo da adolescência em diferentes disciplinas

Por Da Redação 11 mar 2014, 16h20

Os efeitos negativos da obesidade não se restringem à saúde de uma pessoa – como o risco elevado de doenças cardíacas e câncer -, mas também podem afetar o desempenho escolar de adolescentes. Um novo estudo divulgado nesta terça-feira mostrou que meninas que são obesas aos onze anos de idade tendem a apresentar piores resultados na escola ao longo da adolescência do que garotas com peso normal.

A pesquisa, feita nas universidades de Strathclyde e de Bristol, na Grã-Bretanha, reuniu dados de aproximadamente 6.000 meninos e meninas que foram avaliados quando tinham onze, treze e dezesseis anos de idade. Entre os adolescentes, 13,3% apresentavam sobrepeso e 15,3% eram obesos.

Leia também:

Obesidade entre crianças de 2 a 5 anos cai 43% em oito anos nos EUA

Metade dos pais subestima peso de filhos gordinhos e obesos

Continua após a publicidade

Obesidade saudável é um mito, diz pesquisa

Os resultados foram divulgados pela Universidade de Strathclyde. Eles mostram que a média de todas as notas de inglês, matemática e ciências obtidas por meninas obesas dos onze aos dezesseis anos foi “D” – algo semelhante aos conceitos três ou quatro no Brasil. Entre meninas com peso normal, a média foi “C”, ou notas cinco e seis no Brasil. No caso dos meninos obesos e com peso normal, a diferença de conceitos não ficou clara no estudo.

“Mais pesquisas são necessárias para entendermos de que forma a obesidade afeta a vida do adolescente, prejudicando seu desempenho acadêmico, mas está claro que os jovens, seus pais e especialistas em educação e saúde pública devem ficar atentos aos impactos do sobrepeso a longo prazo”, diz John Reilly, autor do estudo.

Associação – Essa não é a primeira vez em que um estudo encontra uma relação entre a forma física dos jovens e o desempenho deles na escola. Uma pesquisa publicada em 2012 e feita com mais de 5.000 crianças concluiu que aquelas que praticavam mais atividade física se saíam melhor na escola do que as sedentárias. Um trabalho americano divulgado em 2011 chegou à mesma conclusão – segundo o estudo, ter uma boa capacidade cardiorrespiratória, além de bom desempenho em atividades físicas que exijam força e resistência muscular e flexibilidade, melhoram os resultados de alunos em testes escolares de matemática e interpretação de texto.

Continua após a publicidade

Publicidade