Clique e assine a partir de 8,90/mês

Exposição a substância presente em plásticos pode aumentar risco de nascimento prematuro

Uma nova pesquisa americana observou que grávidas com maior nível de ftalatos na urina tiveram maiores chances de dar à luz antes do tempo ideal

Por Da Redação - 19 nov 2013, 09h34

Pesquisadores americanos encontraram uma relação entre a exposição de grávidas aos ftalatos, uma substância química usada principalmente na fabricação de plásticos, tintas e cosméticos, e um maior risco de seus bebês nascerem prematuros. A conclusão faz parte de um estudo feito na Universidade de Michigan, Estados Unidos, e publicado nesta segunda-feira no periódico JAMA Pediatrics.

Os autores do estudo analisaram 130 casos de mulheres que haviam dado à luz de forma prematura e os compararam a outras 352 mulheres de um grupo de controle. Quando estavam grávidas, todas as participantes forneceram amostras de urina para que os pesquisadores analisassem os níveis de ftalatos.

Leia também:

Composto presente em plásticos pode contribuir para a obesidade infantil

De acordo com os resultados, existe uma associação entre níveis mais elevados de ftalatos na urina das gestantes e um maior risco de elas darem à luz de forma prematura. Para os autores, esses resultados são sólidos o suficiente para que médicos indiquem que grávidas evitem a exposição exagerada aos ftalatos.

Em um editorial publicado junto com a pesquisa, a médica Shanna Swan, da Faculdade de Medicina do Hospital Monte Sinai de Nova York, avaliou que este estudo “é o mais forte até agora que sugere que os ftalatos estão em tudo o que cerca as grávidas e que poderiam ser um importante fator que explica os nascimentos prematuros, cujas causas são desconhecidas hoje em dia”.

Prejuízos – Os ftalatos costumam ser utilizados para deixar o plástico mais maleável e podem ser encontrados em materiais como revestimento de pisos e paredes, equipamentos médicos e produtos de cuidado pessoal. Estudos já demonstraram que a substância pode causar a morte precoce das células germinativas dos homens, que dão origem aos espermatozoides. Outras pesquisas também associaram o composto químico a alterações hormonais, distúrbios no sistema reprodutivo masculino, obesidade, diabetes e problemas de tireoide.

O Environmental Working Group, organização americana dedicada a estudar os efeitos ambientais sobre a saúde das pessoas e animais, publicou recentemente uma lista com as 12 substâncias químicas que mais causam danos ao corpo por provocar alterações hormonais. Os ftalatos estão entre os compostos. De acordo com os especialistas do grupo, é possível evitar a exposição exagerada ao composto reduzindo contato com recipientes plásticos, brinquedos e produtos de higiene pessoal que contenham ftalatos e com objetos de plástico feitos de PVC, cujos rótulos levam o número 3 no símbolo da reciclagem.

(Com AFP)

Continua após a publicidade
Publicidade