Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

EUA concluem primeira fase de estudo de vacina contra chikungunya

Pesquisa, ainda inicial, sugere que método é seguro e pode proteger contra a doença, provocada por vírus "primo da dengue"

Por Da Redação
15 ago 2014, 09h31

Testes clínicos iniciais feitos com uma vacina contra a chikungunya apontam que o método parece ser seguro e eficaz em proteger contra a doença, que é transmitida por um vírus e provoca sintomas semelhantes aos da dengue. A imunização vem sendo desenvolvida pelo Instituto Nacional de Saúde (NIH, na sigla em inglês) dos Estados Unidos.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Safety and tolerability of chikungunya virus-like particle vaccine in healthy adults: a phase 1 dose-escalation trial

Onde foi divulgada: periódico The Lancet

Continua após a publicidade

Quem fez: Lee-Jah Chang, Kimberly Dowd, Floreliz Mendoza, Theodore Pierson, Barney Graham, Julie Ledgerwood e outros

Instituição: Instituto de Alergia e Doenças Infecciosas do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos

Resultado: Testes inicias de vacina chikungunya sugerem que ela pode ser segura e eficaz para reduzir os casos da doença.

Continua após a publicidade

Não existe uma vacina contra a chikungunya atualmente, mas há algumas em fases de testes. A desenvolvida pelo NIH é composta por partículas do vírus da doença que não são capazes de provocar uma infecção, porque não contêm material genético do microrganismo. Ao entrar em contato com tais partículas, o sistema imunológico do paciente desencadeia uma reação parecida com a que aconteceria se ele fosse infectado de fato. Com isso, o seu corpo fica mais fortalecido para combater um possível contágio.

Essa é a primeira etapa clínica dos testes da vacina, que, até então, havia sido testada somente em macacos. A fase inicial de um estudo clínico é feita para analisar a segurança e a tolerabilidade de uma substância, mas já dá pistas sobre a sua eficácia.

Vacinação – Participaram dos testes 25 voluntários de 18 a 25 anos. Eles receberam três doses da vacina: uma no início do estudo, outra após quatro semanas e a última, após dezesseis semanas. Em seguida, os pesquisadores analisaram a resposta imunológica dos participantes. Para isso, mediram os seus níveis de anticorpos relacionados ao combate da infecção.

Continua após a publicidade

De acordo com os resultados, publicados nesta sexta-feira na revista médica The Lancet, a vacina foi bem tolerada de maneira geral e não foram registrados eventos adversos graves ou quadros de inflamação. Todos os voluntários apresentaram resposta imunológica após as doses da vacina. Além disso, os anticorpos puderam ser detectados no corpo dos indivíduos mesmo seis meses após a última imunização.

“Onze meses após a vacinação, os níveis de anticorpos foram comparáveis aos de pessoas que acabaram de se recuperar de uma infecção natural de chikungunya, sugerindo que a vacina pode oferecer proteção a longo prazo”, diz a coordenadora do estudo, Julie Ledgerwood, pesquisadora do Instituto de Alergia e Doenças Infecciosas do NIH. “Além disso, a vacina gerou anticorpos contra várias cepas do vírus.”

Leia também:

​EUA confirmam primeira transmissão de chikungunya dentro do país

A febre chikungunya é provocada por um vírus que pode ser transmitido pela picada principalmente dos mosquitos Aedes aegypti, o mesmo da dengue, e o Aedes albopictus. Ambos existem no Brasil. A doença é comum em algumas regiões da África, mas já houve casos em países da Ásia e da Europa. Recentemente o vírus foi identificado em ilhas do Caribe e na Guiana Francesa.

Brasil – Neste ano, trinta pessoas foram diagnosticadas com febre chikungunya no Brasil. No entanto, não há casos de transmissão dentro do país. Todos os pacientes foram infectados em países onde há circulação do vírus, como o Haiti.

Continua após a publicidade

Em um texto publicado junto com a pesquisa, Ann Powers, especialista do Centro Para Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, fez algumas ressalvas em relação aos custos da vacina. “O desenvolvimento de uma vacina para um único agente é um desafio, porque o mercado pode não ser grande o suficiente para justificar o investimento. O custo do desenvolvimento de uma vacina, desde os estudos pré-clínicos até o seu registro, é estimado em 200 a 500 milhões de dólares”, diz.

“Apesar disso, vacinas são as estratégias com maior custo-efetividade para a prevenção de doenças. Por isso, dada a carga dos surtos de chikungunya em determinadas regiões, o desenvolvimento dessa vacina deve ser encorajado.”

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.