Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Estudo sugere que antidepressivo na gravidez eleva risco de TDAH no bebê

Segundo pesquisa americana, uso do medicamento por gestantes não parece estar associado a maior probabilidade de autismo

Por Da Redação 26 ago 2014, 12h54

Um novo estudo americano sugere que mulheres que tomam antidepressivo durante a gravidez podem ter filhos com um maior risco de desenvolver transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) na infância. Segundo a pesquisa, publicada nesta terça-feira no periódico Molecular Psychiatry, a probabilidade do problema é maior se a mãe da criança ingere o medicamento nos primeiros três meses da gestação.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Prenatal antidepressant exposure is associated with risk for attention-deficit hyperactivity disorder but not autism spectrum disorder in a large health system​

Onde foi divulgada: Molecular Psychiatry

Quem fez: Roy Perlis e equipe

Instituição: Hospital Geral de Massachusetts da Universidade Harvard, Estados Unidos

Recomendação: O uso de antidepressivos durante a gravidez pode aumentar em até 80% o risco de o bebê ter TDAH na infância. O medicamento, porém, não parece elevar as chances de autismo na criança.

As conclusões se baseiam em um estudo estatístico realizado no Hospital Geral de Massachusetts, filiado à Universidade Harvard, nos Estados Unidos, a partir dos dados de aproximadamente 3 500 crianças diagnosticadas com TDAH ou autismo e outras 10 000 sem os transtornos.

Continua após a publicidade

Segundo os resultados, o uso de antidepressivo na gravidez pode elevar em até 80% o risco de TDAH na criança. Os autores da pesquisa consideram que mais estudos são necessários para consolidar o dado.

Autismo – Inicialmente, o objetivo da pesquisa era verificar se tomar antidepressivo na gravidez eleva a probabilidade de autismo no bebê, como estudos anteriores haviam sugerido. Segundo as conclusões, porém, o aumento não é significativo. O que está associado a um risco de autismo no bebê, de acordo com o trabalho, é a depressão materna não tratada.

Leia também:

​Fumar na gravidez eleva risco de bebê ter déficit de atenção

​Onze passos para uma gravidez saudável

“Nós sabemos que a depressão não tratada pode representar sérios riscos para mãe e filho, então é importante que a mulher que toma antidepressivos e que engravida saiba que essa medicação não vai aumentar o risco de seu bebê ter autismo”, diz Roy Perlis, professor do departamento de psiquiatria da Universidade Harvard e coordenador do estudo.

Em um texto que acompanhou o estudo, Guy Goodwin, presidente do Colégio Europeu de Neuropsicofarmacologia, disse que é preciso ter cautela ao analisar os resultados da pesquisa. Segundo ele, é possível que o risco de TDAH entre as crianças tenha relação com o fator genético. Ou seja, a mãe que tem depressão pode transmitir ao filho uma maior propensão genética para desenvolver transtornos psiquiátricos, independentemente do uso de medicamentos.

(Com AFP)

Continua após a publicidade
Publicidade