Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Estudantes criam preservativo que muda de cor ao detectar DST

Três adolescentes da Grã-Bretanha desenvolveram o S.T.EYE – um tipo de camisinha inteligente que brilha com diferentes cores ao entrar em contato com DSTs como clamídia e sífilis

Por Da Redação - Atualizado em 31 out 2017, 11h46 - Publicado em 25 jun 2015, 14h34

Um grupo de estudantes britânicos desenvolveu um preservativo masculino que muda de cor ao detectar doenças sexualmente transmissíveis (DSTs). A camisinha, chamada de ‘S.T.EYE’, possui um indicador que revela infecções como clamídia e sífilis. Segundo o experimento, a cor poderá variar de acordo com a cepa das bactérias presentes.

Leia também:

Metade dos brasileiros não usa camisinha no sexo casual

SP: casos de aids entre jovens aumentam 21,5% em sete anos

Publicidade

Daanyaal Ali e Chirag Shah, de 14 anos, e Muaz Nawaz, com 13 anos queriam uma forma de detectar DSTs de forma segura e sem a necessidade de testes invasivos. “Temos certeza que somos capazes de dar paz de espírito aos usuários e permitir que as pessoas vivam de forma mais responsável do que nunca”, disseram.

A invenção ganhou o prêmio TeenTech, que encoraja adolescentes a explorar ciência, engenharia e tecnologia, na categoria melhor inovação em saúde. Como recompensa, os jovens receberam 1.000 libras (cerca de 4.800 reais) e uma viagem ao Palácio de Buckingham, em Londres.

Outros dos principais projetos do prêmio eram tênis que recarregam aparelhos eletrônicos e um dispositivo que ajudaria a melhorar a distribuição de água na África – embora seja apenas uma ideia, uma empresa já entrou em contato com os estudantes para torná-lo uma realidade.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de um milhão de pessoas adquirem diariamente alguma infecção sexualmente transmissível.

Publicidade

(Da redação)

Publicidade