Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Doença do pombo deixa três pessoas hospitalizadas em Brasília

Os pacientes foram diagnosticados com criptococose, doença infecciosa letal transmitida por fungos presentes nas fezes de aves

Por Da redação 22 fev 2018, 12h44

Três pessoas estão internadas no Hospital de Base do Distrito Federal devido à criptococose, uma doença infecciosa transmitida por fungos encontrados nas fezes de pombos. Outros dois pacientes também foram hospitalizados com a doença, mas receberam alta no início da semana.

A criptococose é transmitida pela inalação de esporos dos fungos Cryptococcus neoformans ou Cryptococcus gatti, presente em fezes secas de aves, sendo os pombos os principais transmissores. O fungo acomete o trato respiratório e o sistema nervoso central, podendo levar a complicações cerebrais, meningite e pneumonia.

Sintomas

Os sintomas podem incluir tosse com muco ou sangue, febre, suores noturnos, emagrecimento, fraqueza, dor de cabeça, náuseas, vômitos, rigidez da nuca e fotofobia. Dependendo da região do cérebro atingida, pode haver diminuição do nível de consciência, convulsões, cegueira e surdez. Se não houver tratamento rápido e eficaz, pode levar à morte.

Embora não seja comum, a criptococose se manifesta com maior gravidade em pacientes com aids ou alguma doença imunodepressiva. O índice de mortalidade é alto, chegando a 70%.  A doença é conhecida por outros nomes como torulose, blastomicose européia e doença de BusseBuschke e pode acometer animais, como gatos, cavalos e vacas.

Controle de pombos

Além da criptococose, os pombos podem transmitir psitacose, doença que atinge os pulmões, histoplasmose, mal que causa infecções e a salmonelose, que afeta o intestino. Os casos registrados em Brasília alertam para a necessidade de controle da proliferação dos pombos na cidade.

No entanto, a Secretária de Estado de Saúde do Distrito Federal afirma que não há confirmação de que os pacientes internados foram contaminados por contato com fezes de pombos. Segundo um porta-voz da secretária, o fungo “pode estar em qualquer ave ou no meio ambiente e não é possível saber como os pacientes contraíram a doença”.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês