Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Covid-19: Saúde antecipa vacinação diante de novas variantes

Decisão vem após surto de casos no Ceará. Mesmo considerada de baixo risco, novas cepas já se espalharam em 47 países

Por Diego Alejandro
Atualizado em 6 dez 2023, 18h57 - Publicado em 6 dez 2023, 18h20

O Ministério da Saúde intensificou suas ações diante da identificação de novas sublinhagens da Covid-19 no Brasil, as variantes JN.1 e JG.3, que têm causado aumento de casos da doença no Ceará, com predominância em Fortaleza. 

A partir desta quarta-feira, 6, a segunda dose de reforço da vacina bivalente contra a doença está disponível para idosos e pessoas com comorbidade com mais de 12 anos que já tenham tomado a última dose do imunizante há mais de seis meses. “Neste momento, é importante que todos os brasileiros atualizem o esquema vacinal com todas as doses recomendadas para cada faixa etária, incluindo o reforço bivalente”, destacou a pasta, em nota.

Subvariantes

A subvariante JN.1, inicialmente detectada no Ceará, vem ganhando proporção global e já corresponde a 3,2% dos registros em todo o mundo. Já a sublinhagem JG.3, também identificada no mesmo estado brasileiro, está sendo monitorada em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Goiás. Ambas as subvariantes já foram encontradas em 47 países, conforme relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS), que classifica as variantes como de “baixo risco”. 

Ainda assim, uma nota técnica do ministério aponta que há aumento expressivo de casos de Covid-19 a partir da segunda quinzena de novembro. Segundo o documento, 80% das amostras dos casos coletados no Ceará, no último mês, são da nova sublinhagem JN.1.

Continua após a publicidade

“O Ministério da Saúde segue alinhado com todas as evidências científicas, com as recomendações da OMS mais atualizadas para o enfrentamento da Covid-19, incluindo o planejamento para vacinação em 2024, que já está em andamento”, afirmou. 

Planejamento 2024

Em outubro, o Ministério anunciou a inclusão da vacinação pediátrica contra a Covid-19 no calendário nacional, com imunização para a população de alto risco prevista para 2024. A aquisição de vacinas para o próximo ano já está em andamento, garantindo estoque suficiente. Para crianças de 6 meses a menores de 5 anos, o esquema vacinal será composto por três doses, aplicadas em intervalos específicos.

Além disso, a pasta ressaltou que o antiviral nirmatrelvir/ritonavir está disponível na rede pública para o tratamento da infecção por Covid-19 em idosos com 65 anos ou mais e imunossuprimidos com 18 anos ou mais, logo que os sintomas aparecerem e houver a confirmação de teste positivo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.