Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Brasileiros estão menos preocupados com a pandemia

Feito pela UnB, levantamento mostra ainda que 14% dos participantes acham que não correm risco de desenvolver a Covid-19

Por Simone Blanes 23 ago 2021, 20h22

A preocupação dos brasileiros com a pandemia diminuiu. É o que mostra uma pesquisa realizada pelo Centro de Pesquisa em Comunicação, Política e Saúde Pública da Universidade de Brasília (CPS-UnB), em parceria com o Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados (IBPAD). Segundo o estudo, dos 1009 entrevistados entre junho e julho, apenas 35% disseram estar muito preocupados com a Covid-19; 34% responderam estar bastante preocupados; 26% afirmaram estar só um pouco preocupados e 5% falaram que não estão preocupados. Em março, o número dos muito preocupados chegava a 52%.

O levantamento também apontou que 14% dos participantes acreditam que não têm nenhum risco de ter Covid-19, contra 21% que acham que têm um grande risco. Já 86% afirmaram que conhecem alguém que morreu pela doença. “Não podemos diminuir os cuidados. A variante delta está circulando e mostrando seu potencial de contaminação, o que tem feito vários países retomarem medidas de restrições. Reforço que precisamos continuar com uso de máscaras e álcool em gel, evitar aglomerações, entre outros”, alerta Wladimir Gramacho, coordenador do centro de pesquisa onde o estudo foi realizado. Pare ele, a queda do nível de preocupação pode ter ocorrido pelo fato de a pandemia estar mais controlada na maioria dos estados brasileiros, principalmente pelo avanço da vacinação.

A pesquisa ainda aborda a questão da testagem de brasileiros na pandemia. Entre junho e julho, 58% dos entrevistados disseram não ter tido a Covid-19, mas nunca realizaram o exame; 20% afirmaram não ter tido a doença, mas fizeram o teste; 3% tiveram a doença sem sintomas; 18% desenvolveram Covid-19 e a trataram em casa; e 1% teve a doença e foi hospitalizado. “Esses números só comprovam que o Brasil realmente testou pouco. Isso preocupa bastante, já que a realização de exames é uma das melhores estratégias para conter a transmissão da Covid-19, além claro, da vacinação em massa e dos cuidados individuais da população, que não podem ser flexibilizados”, completa Wladimir Gramacho.

Confira o avanço da vacinação no Brasil:

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês