Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Brasileiros curam ‘neurônio da esquizofrenia’ em laboratório

Célula do cérebro recriada a partir de células da pele apresentava consumo anormal de oxigênio

Por Da Redação
30 ago 2011, 21h24

Uma equipe de brasileiros liderada por pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) conseguiu recriar neurônios a partir de células da pele retiradas de um paciente com esquizofrenia e ‘curá-los’. O trabalho, descrito em um artigo já aceito para publicação no periódico científico especializado Cell Transplantation, fornece um modelo para estudos sobre a doença.

Glossário

Célula-tronco – Célula capaz de se transformar (se diferenciar) em outra célula ou tecido especializado do corpo. Pode se replicar muitas vezes, diferente de outras células, como as do cérebro ou músculo.

Célula-tronco embrionária – Formada no blastocisto, aglomerado de células que forma o feto. Por ter o ‘objetivo’ de ajudar na criação e desenvolvimento de um novo organismo, pode se diferenciar em praticamente todos os tecidos do corpo.

Continua após a publicidade

Célula-tronco pluripotente induzida (iPS) – Célula adulta especializada que foi reprogramada geneticamente para o estágio de célula-tronco embrionária. Pode se transformar em qualquer tecido do corpo.

Radicais livres – Átomos ou grupos de átomos formados quando o oxigênio interage com moléculas específicas. Eles podem criar uma reação em cadeia e causar danos às células, levando-as à morte ou atrapalhando seu correto funcionamento.

Os pesquisadores retiraram células da pele da nuca de dois voluntários – um diagnosticado com esquizofrenia e o outro saudável -, ‘forçaram’ as células a retornar ao estágio de células-tronco embrionárias e depois as transformaram em neurônios.

Continua após a publicidade

Ao comparar as duas culturas, entretanto, perceberam que as células diferenciadas do paciente com esquizofrenia consumiam duas vezes mais oxigênio do que as obtidas a partir de células do paciente sem esquizofrenia, induzindo o acúmulo de radicais livres – tóxicos ao organismo quando em excesso. Ao administrar ácido valproico (um estabilizador de humor) nessas células ‘esquizofrênicas’, os pesquisadores conseguiram fazer com que elas retornassem aos níveis normais.

De acordo com o líder da pesquisa, Stevens Rehen, do Laboratório Nacional de Células-Tronco Embrionárias da UFRJ (Lance-UFRJ), é a primeira vez que um trabalho realizado totalmente no país modela uma doença humana. O grupo contou com a ajuda de pesquisadores de outras universidades, como a USP e UFRGS.

(Com Agência Estado)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.