Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Testes da ‘pílula do câncer’ em humanos começarão na segunda

A pesquisa prevê a participação de até mil voluntários. A primeira fase será para a determinação da segurança da dose que tem sido utilizada pelos pacientes

Por Da Redação Atualizado em 22 jul 2016, 14h12 - Publicado em 22 jul 2016, 14h11

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), anunciou na quinta-feira que os testes em humanos com a fosfoetanolamina sintética, mais conhecida como “pílula do câncer”, terão início na próxima segunda-feira. Os testes serão encabeçados pelo Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp).

A pesquisa prevê a participação de até 1 mil voluntários e a primeira fase contará com dez participantes que vão receber a substância para que seja determinada a segurança da dose que tem sido utilizada pelos pacientes.

Se eles não apresentarem efeitos colaterais, uma nova etapa será iniciada com 21 participantes para cada um dos dez tipos de tumor que vão fazer parte da pesquisa, entre eles pulmão, mama, próstata, estômago e fígado. Os participantes serão avaliados e, caso a pílula apresente atividade, serão incluídos mais 20 voluntários em cada grupo.

Leia também:

STF suspende lei que autoriza pílula do câncer

“Pílula do câncer” coloca a população em risco, afirma Anvisa

A eficácia da substância será levada em consideração para a inclusão de mais participantes, que pode chegar a 100 para cada tipo de câncer. Os voluntários serão monitorados por uma equipe multidisciplinar do Icesp.

Continua após a publicidade

A fosfoetanolamina sintética virou centro de uma polêmica após começar a ser distribuída para pacientes com câncer antes de ser testada em humanos e sem liberação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Ela foi desenvolvida pelo professor aposentado do Instituto de Química da Universidade de São Paulo de São Carlos Gilberto Chierice.

Testes com cobaias estão sendo realizados pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicação, mas a eficácia da substância ainda não foi comprovada.

(Com Estadão Conteúdo)

 

Continua após a publicidade

Publicidade