Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

A história da professora que doou o rim para sua aluna

A americana Natasha, de 8 anos, nasceu com uma rara síndrome e precisava de um transplante de rim. Jodi Schmidt, sua professora, doou o órgão à aluna

Por Da redação - 26 set 2016, 15h38

Quem não lembra de um professor especial da época da escola? A maioria das pessoas tem pelo menos um. Mas, certamente a relação da aluna Natasha Fuller com sua professora Jodi Schmidt, da Oakfield Elementary School, em Wisconsin, nos Estados Unidos, supera qualquer uma. Natasha, de apenas 8 anos, nasceu com uma síndrome rara e precisava de um rim. Ao saber do problema da menina, Jodi, decidiu fazer o teste de compatibilidade e lhe doou um rim.

Natasha nasceu com a síndrome de Prune-Belly, também conhecida como síndrome de Eagle-Barret, ou síndrome do abdômen de ameixa seca, uma doença rara que causa problemas no trato urinário e fraqueza nos músculos abdominais. A doença fez com que a menina precisasse de um transplante de rim. Enquanto esperava o transplante na lista nacional de doadores, Natasha era submetida à sessões regulares de hemodiálise, mas seu tempo estava acabando.

Leia também:
Morre mulher submetida ao primeiro transplante de rosto no mundo
Incor comemora a marca de mil transplantes de órgãos

Jodi sabia da síndrome de Natasha, mas só teve ideia da real dimensão do problema quando os pais da menina fizeram uma publicação no Facebook implorando por um rim para a filha. Ao descobrir o caso da aluna que, apesar de tudo, frequentava a escola sempre com um sorriso brilhante, a professora tomou a decisão de fazer o teste para saber se ela era compatível para realizar a doação. Surpreendentemente, Jodi foi a combinação perfeita para Natasha e, em maio, o transplante foi realizado.

Antes do transplante, além da diálise, a menina não podia realizar muitas atividades comuns para crianças da sua idade, como nadar ou comer “besteiras”. Neste verão – que no hemisfério norte vai de junho à setembro – Natasha pôde a uma festa na piscina pela primeira vez e começou a comer coisas como chocolate. “Eu gosto de M&Ms e Kit Kats. Kit Kat é o meu favorito”, disse Natasha.

Publicidade

“Me ajudou muito saber que ela está curada e ela vai viver muitos e bons anos com meu rim”, disse Jodi após a cirurgia. Sobre a professora, Natasha afirmou “ela é da minha família. Eu a amo muito”.

Publicidade