Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

A busca da longevidade

Por Da Redação 10 jul 2009, 21h30

A fantasia de permanecer eternamente jovem acompanha o homem, provavelmente, desde o início da civilização. Embora seja possível deter a marcha do calendário, nos últimos 100 anos a medicina deu passos largos no sentido de retardar processos ligados ao envelhecimento.

Primeiro vieram as melhorias nas condições sanitárias, a descobertas das vacinas, a invenção dos antibióticos e dos recursos para combater doenças como o diabetes, os males cardíacos e alguns tipos de câncer. Todos esses avanços resultaram na adição de anos na expectativa de vida da população. Agora, está em curso um novo e revolucionário capítulo da ciência da longevidade.

O que se procura é proporcionar qualidade de vida e uma existência feliz às populações que estão vivendo mais. Nas últimas três décadas, a expectativa de vida aumentou 11 anos no Brasil. As doenças crônicas do coração e dos pulmões, bem como as artrites, aparecem, hoje, entre 10 e 25 anos depois do que surgiam em gerações passadas. Os 60 anos de idade são os novos 50. Os 50, os novos 40, e assim por diante.

Essa evolução fez com que o próprio conceito de velhice fosse reformulado. Já não se espera dos sessentões que se aposentem e passem os dias de pijama em uma cadeira de balanço. O aumento da longevidade propiciou o surgimento de outro fenômeno, desta vez no comportamento � o de pessoas maduras que cruzam as fronteiras entre gerações e não apenas agem, mas se sentem como se fossem mais jovens.

São homens e mulheres que já passaram dos 40 ou 50 anos, gozam de boa saúde, disposição e acreditam que os hábitos de vida e a forma de se expressar não devem se atrelar à idade, mas à personalidade de cada um. Os americanos os chamam de ageless (sem idade, em português).

Independentemente do comportamento que se adote, todo mundo quer passar os anos a mais ganhos no calendário com qualidade de vida, livre das doenças associadas à velhice. Na edição desta semana, VEJA apresenta uma série de reportagens com as mais recentes e relevantes conquistas da ciência na prevenção de males que costumam surgir com o avanço dos anos. Juntas, elas formam um programa para conquistar a longevidade (na íntegra, exclusivo para assinantes).

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)