Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Quatro alimentos vegetais que podem escassear no futuro próximo

Fungo que dizimou plantações de banana na América Latina no século passado volta a preocupar

– Cacau
A matéria-prima do chocolate (foto acima) integra o grupo de produtos agrícolas que podem rarear — ou até entrar em extinção — nas próximas décadas. O vilão, no caso do cacau, é previsível: o aquecimento global, que é mais duro nas áreas tropicais onde cresce o fruto. Estudo do Centro Internacional de Agricultura Tropical, na Colômbia, indica uma “imensa baixa” na produção a partir de 2030.

– Banana
O mal-do-panamá, doença causada por fungos que atinge as bananeiras, está voltando a afetar a produção. Quando esse mal dizimou plantações na América Latina no meio do século passado, a solução encontrada foi cultivar a banana do tipo cavendish — que agora corresponde a quase metade da produção mundial. A cavendish, porém, já não é resistente ao fungo. Até agora, a doença tem atingido bananais apenas na Ásia, África e Oceania, mas pode se espalhar.

– Uva
Apenas doze das cerca de 1 000 variedades de uva existentes são majoritariamente usadas na produção de vinho. De acordo com um estudo da revista Nature Climate Change, a produção dessas variedades — sensíveis à mudança climática — pode cair em cerca de 85% nos próximos cinquenta anos, em razão do aumento de temperatura em regiões vinícolas.

– Café
Estimulante mais popular do mundo, o café vive um momento de baixa nas bolsas de commodities, por causa de boas safras, inclusive no Brasil. O aquecimento global, porém, prejudica tanto os cafezais quanto as abelhas que os polinizam. Uma pesquisa publicada em 2017 pela Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos estima que a redução de áreas de produção de café na América Latina chegue a 88% até 2050.

Publicado em VEJA de 1º de maio de 2019, edição nº 2632

Envie sua mensagem para a seção de cartas de VEJA
Qual a sua opinião sobre o tema desta reportagem? Se deseja ter seu comentário publicado na edição semanal de VEJA, escreva para veja@abril.com.br