Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O poder e o despudor

VEJA teve acesso aos 76 anexos e aos documentos da segunda etapa da delação da JBS

Há um ano, a JBS, a maior processadora de carne do mundo, tornou-se também uma referência entre os campeões nacionais da propina. Em 11 de maio de 2017, a homologação do acordo de delação dos irmãos Joesley e Wesley Batista, donos da empresa, e de cinco de seus subordinados, revelou ao país o repasse de 1 bilhão de reais a políticos e servidores públicos. Desde então, a pessoa jurídica, JBS, e as pessoas físicas, Joesley e Wesley, percorrem trajetórias distintas. A companhia, depois do sufoco, anunciou na semana passada aumento do lucro líquido, redução do endividamento e um novo acordo de renegociação com os bancos. Já os irmãos Batista perderam a imunidade criminal, permaneceram seis meses na cadeia e já figuram como réus. O caso de Joesley é ainda mais espinhoso. O Ministério Público denunciou-o por crimes como corrupção e lavagem de dinheiro.

O empresário – Joesley Batista e os anexos da delação (em destaque, os que se referem a presidentes): a leitura dos casos detalhados, somada aos seus depoimentos complementares à Polícia Federal, mostra que os pagamentos de propina eram uma operação mambembe

O empresário – Joesley Batista e os anexos da delação (em destaque, os que se referem a presidentes): a leitura dos casos detalhados, somada aos seus depoimentos complementares à Polícia Federal, mostra que os pagamentos de propina eram uma operação mambembe (Aílton de Freitas/Agência o Globo)

» Veja aqui a lista dos anexos

Com medo de ser hostilizado ou agredido nas ruas, Joesley vive recluso em sua mansão, em São Paulo, e nem aparelho celular tem mais. Quando selou sua delação, o empresário estava certo de que asseguraria pelo menos a liberdade ao passar sua vida a limpo, o que significou revelar a simbiose entre uma empresa sem limites para comprar favores, partidos venais e governantes sem limites para se vender. A primeira parte da delação contou com 42 anexos. Agora, na tentativa de recuperar os benefícios que perdeu no acordo, Joesley está detalhando uma segunda leva de revelações, que foi apresentada em agosto passado e contém 76 anexos. VEJA teve acesso à íntegra de todos esses textos. No conjunto, a leitura dos anexos, somada aos depoimentos complementares que Joesley vem prestando, revela o envolvimento explícito de três presidentes da República nos achaques de propinas.

O advogado – Francisco de Assis, ex-diretor jurídico do grupo, e seus anexos: coordenação de ações controladas de entrega de dinheiro que quase resultaram na queda do presidente Temer

O advogado – Francisco de Assis, ex-diretor jurídico do grupo, e seus anexos: coordenação de ações controladas de entrega de dinheiro que quase resultaram na queda do presidente Temer (Renato Costa/FramePhoto/Agência o Globo)

» Veja aqui a lista dos anexos

Já se sabia que a JBS contou ter depositado 150 milhões de dólares no exterior para Lula e Dilma Rousseff, e que os valores, administrados pelo ex-­ministro Guido Mantega, seriam comissões por aportes do BNDES e de fundos de pensão na companhia. Sabia-se, também, que a JBS disse que Temer recebeu quantias diversas, como uma bolada de 15 milhões de reais em 2014, da qual saiu o montante de 1 milhão de reais entregue em dinheiro vivo ao coronel João Baptista Lima, suspeito de ser laranja do presidente. Joesley agora se dedica a narrar as negociações por trás de cada transação. O empresário revela que a corrupção atingiu níveis tão rocambolescos nos últimos quinze anos que Dilma e Temer chegaram a tratar de propina pessoalmente com ele, dispensando os intermediários de praxe. Algo que nem Lula, preso por corrupção, fez. Ele nunca falava do assunto abertamente e sempre o delegava a subordinados. Era seu disfarce.

O homem da mala – Florisvaldo de Oliveira (à dir.), ao lado do então ministro da Agricultura, Neri Geller, e seus anexos: entrega de 250 000 reais e uma foto de recordação enviada pela assessoria ao seu e-mail

O homem da mala – Florisvaldo de Oliveira (à dir.), ao lado do então ministro da Agricultura, Neri Geller, e seus anexos: entrega de 250 000 reais e uma foto de recordação enviada pela assessoria ao seu e-mail (./.)

» Veja aqui a lista dos anexos

Na quarta-feira 16, Joesley prestou depoimento sobre uma mesada paga pela JBS a Fernando Pimentel quando este ocupava o cargo de ministro do Desenvolvimento. Pimentel aparece em outro enredo que Joesley pretende revisitar. A história é a seguinte: segundo o empresário, Dilma lhe pediu, dentro do Palácio do Planalto, que fizesse uma doação, em 2014, a Pimentel. Até então, os dois nunca tinham tratado de dinheiro. Como a iniciativa partiu da presidente sem nenhum rodeio, Joesley disse que a ajuda solicitada sairia da conta de propina administrada por Mantega no exterior — e que, com a doação a Pimentel, o saldo da conta secreta ficaria zerado. Dilma deu o o.k. A JBS liberou 30 milhões de reais.

Em seus depoimentos, Joesley apresenta contextos parecidos no caso de Michel Temer, que, segundo o empresário, nunca teve pudor de falar de dinheiro irregular. Aos investigadores, Joesley fez questão de informar que a JBS recorreu a dois aliados do presidente numa tentativa de destravar um projeto de interesse da empresa no Porto de Santos. São eles: Wagner Rossi e Milton Ortolan, que recebiam mesadas da JBS e foram presos na Operação Skala, da Polícia Federal. Joesley costuma contar um caso para ilustrar como Temer e a turma do MDB são agressivos quando o assunto é grana. Ele diz que a dez dias da votação do impeachment de Dilma — a dez dias de virar presidente, costuma ressaltar, com ar de espanto — Temer lhe pediu pessoalmente 300 000 reais. Todos esses enredos já são de conhecimento da polícia. “A gente diz que o Joesley virou funcionário da PF. A cada depoimento, ele brinca que pedirá estabilidade”, diz um de seus interlocutores.

Os depoimentos recorrentes do empresário são uma aposta para manter sua delação de pé. Em 2017, Rodrigo Janot, então no comando da Procuradoria-Geral da República (PGR), pediu a rescisão do acordo por entender que Joesley omitira informações às autoridades. O pedido ainda depende de homologação do ministro Fachin. Em vez de liberdade, Joesley vislumbra o risco de uma nova temporada atrás das grades. Em setembro do ano passado, chegou a ser preso em razão das tais omissões. Dias depois, foi a vez de Wesley, acusado de usar informações privilegiadas na compra e venda de ações da JBS. Os irmãos Batista ficaram numa ala da carceragem da Polícia Federal em São Paulo em que tinham a companhia de servidores encrencados com a Justiça. A cela de um era ao lado da cela do outro. Ambos tinham direito a duas horas de banho de sol por dia e podiam deixar a tranca para conversar com os advogados. Joesley, então, pediu a um de seus defensores que o visitasse, diariamente, de manhã e à tarde.

O negociador – O ex-diretor do grupo JBS Ricardo Saud e os anexos: ele era o encarregado de combinar com os políticos o valor e o local de entrega da propina e acompanhar os interesses da empresa no governo

O negociador – O ex-diretor do grupo JBS Ricardo Saud e os anexos: ele era o encarregado de combinar com os políticos o valor e o local de entrega da propina e acompanhar os interesses da empresa no governo (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

» Veja aqui a lista dos anexos

Na temporada no cárcere, os irmãos Batista tiveram bom comportamento. Cortaram o cabelo um do outro e até deram banho no deputado Paulo Maluf, quando este, adoentado, passou rapidamente pela carceragem da PF em São Paulo. Num fim de semana, conseguiram autorização para limpar a ala feminina. Wesley acabou solto em fevereiro passado. Joesley, no mês seguinte. Hoje, os dois, criminosos confessos, sentem-se injustiçados. Wesley insiste na tese de que não é correto que os delatores sejam presos enquanto os delatados continuam nos cargos mais poderosos da República. Joesley afirma ter sido constrangido a corromper, já que sua empresa estaria subordinada às regras do Estado e era chamada frequentemente pelos representantes do governo para tratar de propinas e dólares no exterior.

Os irmãos Batista decidiram fazer um acordo de delação premiada em fevereiro de 2017, depois que operações de combate à corrupção e delatores se aproximaram da JBS. Era questão de tempo a empresa cair na rede dos investigadores. Naquele mês, o então diretor jurídico da companhia, Francisco de Assis e Silva, que também se tornou delator e coordenou pelo lado da empresa a operação controlada que mergulhou o governo Temer numa crise que não terminou até hoje, entrou em contato com o Ministério Público e prometeu uma colaboração ampla, geral e irrestrita: “Vamos fazer uma delação sobre os donos do poder”.

São sete os delatores da JBS. No varejo, eles detalharam pagamentos em espécie, depósitos no exterior e doações eleitorais, por dentro e por fora. No atacado, jogaram luz sobre grandes esquemas de corrupção protagonizados pelas maiores legendas do país. “Não tem o ‘Escola sem Partido’? A nossa foi a delação sem partido”, diz-se na empresa. De 1 bilhão de reais repassados pela JBS à classe política, 600 milhões de reais foram doações eleitorais, por dentro e por fora, 200 milhões de reais, destinados em espécie ao grupo do ex-deputado Eduar­do Cunha, hoje preso, e 200 milhões de reais, gastos com funcionários da Receita Federal e despesas nos estados.

Parece uma contabilidade detalhada e organizada, mas não é. Ali, o mundo da propina funciona como numa operação mambembe, com pouco controle e muito amadorismo. Dos 400 milhões em doações registradas, a JBS não soube informar quanto foi dado em troca de vantagens indevidas. No caso da Odebrecht, a operação para pagamento de propina era descentralizada. Por isso, foram 77 os delatores da empreiteira. Na JBS, Joesley era o chefe e abria o crédito pedido pelos políticos. Demilton Antônio de Castro, “o planilheiro”, registrava o valor a ser pago. Ricardo Saud, o negociador, combinava com os políticos quanto e como cada um deles receberia — em espécie, doação eleitoral ou no exterior. A Florisvaldo de Oliveira, “o homem da mala”, cabia distribuir a grana. Era tudo tratado de maneira tão simples que, numa de suas incursões, Oliveira entregou 250 000 reais ao então ministro da Agricultura, Neri Geller, dentro do ministério. Depois, posou ao lado de Geller para uma foto, despachada para o seu e-mail pela própria assessoria da pasta. Wesley Batista e Valdir Boni, diretor de tributos, desempenhavam papéis secundários, dedicando-se às negociações nos estados.

Eram tantos e tão recorrentes os repasses de recursos que a JBS até dividiu os três maiores partidos do país em perfis. O MDB era apelidado de “partido conta-corrente” — descobria uma demanda da empresa, batia à porta da JBS e dizia que ela só seria aprovada mediante propina. O PT acolhia todas as demandas da JBS de pronto — e só mais à frente, sobretudo em épocas de eleição, cobrava a conta. O PSDB pedia sem parar e não se comprometia com nada. Queria a grana pelo simples fato de estar bem posicionado no tabuleiro. “O Joesley não procurou ninguém. Ele não procurou Geddel Vieira Lima para dizer que tinha um pedido de empréstimo na Caixa. As operações da JBS no BNDES também eram redondas”, diz um de seus interlocutores. Não é bem assim. O próprio Joesley, ao complementar sua delação, listou políticos que receberam doações sem que houvesse contrapartida, numa espécie de investimento futuro. “O que se queria com esses pagamentos era que os beneficiários se tornassem ou continuassem benevolentes com a empresa”, disse.

Já as operações do BNDES só têm de redondos os muitos zeros das cifras envolvidas. A área técnica do Tribunal de Contas da União (TCU) calculou em mais de 700 milhões de reais o prejuízo do banco só com a compra de ações e títulos da dívida da JBS. A empresa rechaça as conclusões do TCU. Um representante do grupo explica que a companhia não precisava de verba pública para crescer, que podia captar dinheiro no mercado e que, por isso, o repasse de propina não visava à compra de facilidades. Era só uma forma de evitar chateação com agentes públicos. Ele acrescenta ainda que a JBS, ao contrário da Odebrecht, a campeã em pagamento de propina, não distribuía dinheiro sujo obtido com contratos superfaturados, mas subtraído das próprias margens de lucro. Era quase uma ação de caridade.

Publicado em VEJA de 23 de maio de 2018, edição nº 2583

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ataíde Jorge de Oliveira

    EverGreen &/OU EveRRed: Rumo à Vu£vuzZze££A 😮

    Curtir

  2. //Só os mortos verão o fim de todos os processos//. Platão.

    Curtir

  3. povo desta nação vamos excluir este bandidos políticos corruptos que representa 85% é lamentável , estamos preste de ver 5 ex presidentes do Brasil enjaulado por corrupção acorda , vamos excluir estes malfeitores desta nação, para o bem deste Brasil

    Curtir

  4. Raimundo Brito

    OUTRO TÍTULO PARA A MATÉRIA:”BOUSONARO NÃO É CORRUPTO”!!!!! EPRONTO….

    Curtir

  5. alfredo lucio saback soares de quadros

    eles tem que voltar para a prisão, preferencialmente numa cela junto com seus “esmolés”.
    é impressionante uma empresa que só balançou depois de envolvida em escândalos, alegar que doou cerca de um bilhão de seus lucros só por caridade.
    são seguidores do santo bndes, santo para alguns corruptores.

    Curtir