Clique e assine a partir de 9,90/mês

Datas

A Petrobras anunciou acordo milionário para encerrar ação coletiva contra a empresa em Nova York, no dia 3

Por Da Redação - Atualizado em 31 jan 2018, 15h19 - Publicado em 5 jan 2018, 06h00

MORRERAM

Marco Antonio Mora, ex-diretor da Globo. Aposentado desde 2015, Mora foi diretor executivo da Central Globo de Esportes por quase três décadas. Ingressou na emissora em 1972, após sete anos como diretor de novelas na extinta TV Tupi. Antes de migrar para a área esportiva da Globo, atuou na direção do Telecurso, produzido pela Fundação Roberto Marinho, e na implantação dos telejornais locais. Participou da cobertura das primeiras eleições diretas para o governo de São Paulo após a implantação do regime militar no país. Dia 3, em São Paulo, de insuficiência respiratória e falência de múltiplos órgãos, causadas por fibrose pulmonar, aos 71 anos.

Carmen Franco Polo
CARMEN FRANCO Filha do ditador Francisco Franco (1892-1975), ela se casou em 1950, em Madri, e teve sete filhos //Divulgação

Carmen Franco, filha única do ditador espanhol e líder fascista Francisco Franco (1892-1975). Mãe de sete filhos, Carmen foi acusada, junto com a família, de se beneficiar da fortuna do ditador. Discreta, afirmava que não cabia a ela julgar o pai e dizia que o julgamento era “um dever da história”. Franco tornou-se chefe de Estado em 1936 e liderou a Espanha até sua morte, em 1975, mesmo ano em que Carmen recebeu o título de “duquesa de Franco”. Dia 29, aos 91 anos, de câncer, em Madri.

Armando Monteiro Filho
ARMANDO MONTEIRO FILHO – O político foi deputado federal e ministro do governo João Goulart Arquivo/Estadão Conteúdo

Armando Monteiro Filho, político pernambucano e ex-ministro da Agricultura no governo de João Goulart (1918-1976). Natural do Recife, ingressou em 1945 no curso de engenharia da hoje Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Engajado politicamente desde a juventude, foi eleito deputado estadual em 1950, mas não pôde assumir o posto por ser genro do governador Agamenon Magalhães (pela lei, parentes de governadores ou prefeitos podem concorrer apenas à reeleição, mas não podem disputar novo cargo ou eleger-se pela primeira vez). Quatro anos depois, foi eleito deputado federal e tomou posse. Entre 1961 e 1962, afastou-se da Câmara para ser ministro da Agricultura de Goulart. Em 1994, tentou uma vaga no Senado, mas sem sucesso. Dia 2, aos 92 anos, de insuficiência respiratória, no Recife.


ANUNCIOU

a Petrobras um acordo bilionário para encerrar uma ação coletiva que corria contra a empresa em Nova York. A ação, protocolada em 2014, era movida por investidores americanos que se diziam prejudicados pelo esquema de corrupção revelado na Operação Lava-­Jato. A estatal deve pagar 2,95 bilhões de dólares aos investidores para encerrar a ação. Dia 3, no Rio de Janeiro.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 10 de janeiro de 2018, edição nº 2564

Publicidade