Clique e assine com até 92% de desconto

O papa Francisco se revela em novo livro

O pontífice das falas polêmicas deixa claro em nova obra que é intransigente na doutrina, mas isso não o impede de se sensibilizar com aqueles que sofrem

Por Adriana Dias Lopes Atualizado em 23 nov 2020, 17h22 - Publicado em 20 nov 2020, 06h00
FACE HUMANA – O argentino Jorge Mario Bergoglio: mais perto do rebanho católico – Massimo Valicchia/AFP

TENTAÇÃO

“Na minha idade, deveria ter óculos especiais para ver quando o diabo está me rondando, tentando me fazer cair nos meus últimos momentos, uma vez que já estou no fim da vida. (…) Os demônios tocam a campainha, são amáveis, dizem ‘desculpas’, e ‘com licença’, mas mesmo assim tomam conta da casa.”

Se há um consenso em torno dos comentários do papa Francisco é que eles não caem no vazio — sempre despertam críticas de um ou de outro lado. Na Igreja Católica, instituição com mais de 2 000 anos de existência regida por dogmas, preceitos e tradições, ora Francisco acena com simpatia para divorciados e homossexuais e atiça antagonismos na ala mais conservadora, ora eleva a espiritualidade acima das questões terrenas, espalhando desânimo nas hostes mais progressistas. A polêmica tem a ver com a personalidade do pontífice nascido na Argentina: abdicando da costumeira aura de distanciamento que envolve os ocupantes do trono de São Pedro, Jorge Mario Bergoglio gosta de se apresentar como uma pessoa comum, que fala a língua dos fiéis, sem perder de vista a religiosidade e a solenidade inerentes ao líder máximo dos católicos. Equilibrar-se nessa equação significa, entre outras coisas, estar acima da divisão entre esquerda e direita que simplifica as relações no mundo atual.

Aos 83 anos, para sinalizar suas posições e seus pensamentos e evitar ficar marcado pelo conflito de visões acerca de sua pessoa, Francisco escreveu Vamos Sonhar Juntos (Editora Intrínseca), livro com lançamento mundial em 1º de dezembro, ao qual VEJA teve acesso, em que percorre temas de ordem moral, política, econômica e religiosa de forma clara e didática. “É a chave para a compreensão de seu pontificado”, diz Antonio Luiz Catelan, professor de teologia da PUC-Rio, membro da Comissão Teológica Internacional do Vaticano e da Comissão Episcopal Pastoral para a Doutrina da Fé, da CNBB.

John Phillips/Getty Images

MULHERES

“Nunca mais nenhum tipo de abuso, seja sexual, seja de poder, seja psicológico, deve acontecer — fora ou dentro da Igreja. Vimos esse despertar também na sociedade: no movimento #MeToo, nos múltiplos escândalos envolvendo políticos poderosos, magnatas da mídia e homens de negócio.”

Quem é Francisco, afinal? Para começar, uma certeza: ele não se pauta por ideologias e prefere muitas vezes agir sozinho, com a diligência de soldado — lembrando que sua origem é jesuíta, ordem fundada por Santo Inácio de Loyola (1491-1556), ex-militar empenhado em associar a propagação e defesa da fé à obediência e disciplina férrea. Essa formação desenvolveu no papa uma firme intransigência em relação a suas convicções e modo de viver, traço que aparece até mesmo quando expõe suas fragilidades. O livro trata, sem meias-palavras, de tentação, associada, de novo sem rodeios, a uma figura fora de moda: o diabo, citado doze vezes. O demônio perdeu relevância na onda modernizadora do Concílio Vaticano II, marco da reforma da Igreja nos anos 1960. Pois Francisco é o primeiro pontífice dos últimos cinquenta anos a mencionar o capeta de forma enfática, direta e repetida, para que o recado fique claro. “Na minha idade, deveria ter óculos especiais para ver quando o diabo está me rondando, tentando me fazer cair nos meus últimos momentos, uma vez que já estou no fim da vida”, escreve.

Trata-se de uma linguagem totalmente diversa, por exemplo, da do papa que antecedeu a ele, Bento XVI, que nas poucas vezes em que mencionou o diabo o fez com eufemismos e citações eruditas. A maneira de se referir às tentações se encaixa em uma característica que difere Francisco de seus antecessores: a simplicidade, presente até na devoção — ele reza com o olhar posto na imagem santa, como um romeiro, em vez de reverenciá-la de olhos fechados, como é costume entre a maioria dos papas. Bento XVI falava baixinho e não se sentia à vontade em frente a multidões; Francisco sai do palco e se mistura, tocando, literalmente, nos fiéis. Ele e João Paulo II, outro grande comunicador, em suas vindas ao Brasil visitaram duas favelas no Rio. Em 1980, o papa polonês entrou em uma casa, onde se postavam religiosos, autoridades e moradores previamente autorizados. Em 2013, o argentino circulou por barracos apinhados, cumprimentou cada pessoa, pegou no colo e beijou as crianças. Mas postos lado a lado Bento XVI, o tímido conservador, e João Paulo II, o ativista extrovertido, é com o primeiro que o papa atual mais se assemelha. Ambos balizam sua ação em “valores inegociáveis” que lhes deram poder e força para remexer e começar a drenar mazelas perenes, como a pedofilia de sacerdotes, o abuso de freiras e os crimes financeiros do Vaticano.

Cris Faga/Getty Images

ABORTO

“Ainda que muitos possam se aborrecer ao ouvir um papa voltar a esse tema, não posso ficar calado quando entre 30 milhões e 40 milhões de vidas são descartadas, todos os anos, através do aborto. A vida humana nunca é um fardo. Exige que criemos espaço para ela e não que a descartemos (…) Com o aborto nos negamos a ajustar as nossas prioridades.”

Continua após a publicidade

A face humana do papa Francisco, sensível às dores individuais, muitas vezes é confundida com uma suposta disposição — totalmente infundada — de revolucionar preceitos fundamentais da Igreja. Exemplo disso foi a permissão, em 2015, para que sacerdotes perdoassem mulheres que tivessem feito aborto. “Muitas delas levam no coração uma cicatriz por causa da escolha sofrida e dolorosa”, justificou. Em Vamos Sonhar Juntos ele esclarece que seu gesto humanitário não tem nem uma gota de aceitação do ato de encerrar a gravidez. “Não posso ficar calado quando entre 30 milhões e 40 milhões de vidas são descartadas, todos os anos, através do aborto. A vida humana nunca é um fardo”, escreve.

No mesmo contexto da solidariedade com o sofrimento, sem abdicar de dogmas estabelecidos, sua exortação apostólica Amoris Laetitia (A Alegria do Amor), de 2016, destinada a apontar caminhos para o clero, estabelece que a separação de um casal pode se tornar moralmente necessária quando se trata de defender o cônjuge mais frágil ou os filhos pequenos. Como conciliar tal diretriz com a indissolubilidade do casamento? Embora não fale explicitamente do assunto no livro, o papa deixa claro: o que está nas Escrituras é intocável — mas o tom pode mudar, permitindo que se estenda a mão a quem sofre. A união indissolúvel entre homem e mulher também é obstáculo intransponível a qualquer revisão da doutrina em relação ao matrimônio gay — o que não impediu que Francisco desse aí mais uma amostra de humanismo mesclado com pragmatismo, sua marca registrada. O documentário biográfico Francesco, do cineasta russo-americano Evge­ny Afineevsky, apresentado no Festival de Cinema de Roma, exibiu o pontífice afirmando que “os homossexuais são filhos de Deus e têm direito a formar uma família”. O Vaticano apressou-se a explicar que os comentários “foram tirados de contexto e não sinalizam uma mudança”. Francisco interpreta a doutrina de forma estrita, mas com o olhar da compaixão.

Olivier Douliery/AFP

TRABALHO

“A crise econômica nos oferece uma oportunidade de examinarmos nosso estilo de vida, mudarmos hábitos destrutivos e encontrarmos maneiras mais sustentáveis de produzir, fazer negócios (…). É bem possível que seja também a hora de considerar uma redução no horário de trabalho, com ajuste salarial correspondente, o que paradoxalmente pode aumentar a produtividade.”

Como não podia deixar de ser, a pandemia é vastamente abordada no livro, não pelo componente de tragédia imposta ao planeta em 2020, mas, sim, pelas mudanças positivas que tende a trazer para a humanidade. Francisco ressalta os ensinamentos que a crise deflagrada pelo novo coronavírus pode aplicar sobre a maneira de nos relacionarmos e lidarmos com as inevitáveis turbulências da vida. “Cometeremos um grande erro se tentarmos voltar para um estado anterior à pandemia”, afirma. A mudança a que se refere passa pela reflexão — e pelo apoio inequívoco — a movimentos que convulsionaram as ruas e as redes sociais nos últimos tempos. A respeito da condenação do assédio de mulheres, ele diz: “Nunca mais nenhum tipo de abuso, seja sexual, seja de poder, seja psicológico, deve acontecer — fora ou dentro da Igreja. Vimos esse despertar também na sociedade: no movimento #MeToo”. Sobre o rechaço ao preconceito racial, ressalta a indignação provocada pelo policial de Minneapolis, nos Estados Unidos, que matou um negro pressionando o joelho em seu pescoço: “Saber que somos um povo é ter consciência de algo maior que nos une (…). Vimos isso nos protestos em reação ao assassinato de George Floyd, quando muitas pessoas que não se conheciam foram para as ruas unidas por uma saudável indignação”.

Francisco foge do padrão, sem negociar valores, até no ponto em que a doutrina cristã se desvia das posições conservadoras ao condenar o capitalismo e a acumulação de riquezas — vistos como antiéticos e distantes de Deus. No século IV, Santo Ambrósio (340-397) já dispunha, sobre a concentração de renda: “A terra foi dada a todos, e não apenas aos ricos”. O papa atual se atém a esses preceitos e não perde a chance de condenar a desigualdade social, mas, de novo, pondera que as mudanças trazidas pelo mundo agora chacoalhado podem reformular as relações de trabalho com benefícios para todos. “A crise econômica oferece uma oportunidade de examinar nosso estilo de vida, mudar hábitos destrutivos e encontrar maneiras mais sustentáveis de produzir, fazer negócios (…). É bem possível que seja também a hora de considerar uma redução no horário de trabalho, com ajuste salarial correspondente, o que paradoxalmente pode aumentar a produtividade.” Só Francisco para resvalar a Igreja na economia liberal e sair incólume.

Elijah Nouvelage/Getty Images

PROTESTOS

“Saber que somos um povo é ter consciência de algo maior que nos une, algo que não pode ser reduzido a uma identidade legal ou física partilhada. Vimos isso nos protestos em reação ao assassinato de George Floyd, quando muitas pessoas que não se conheciam foram para as ruas unidas por uma saudável indignação. (…) Se me perguntassem qual é, hoje em dia, um dos desvios do cristianismo, diria sem hesitar: o esquecimento de que pertencemos a um povo.”

Vamos Sonhar Juntos foi escrito em primeira pessoa por Francisco, com texto final organizado pelo britânico Austen Ivereigh, autor de duas biografias do papa. Juntos, eles criaram uma obra filosófica que ultrapassa as referências religiosas e se aproxima do cotidiano das pessoas. Tanto pelos temas quanto pela linguagem acessível, o livro pode ajudar o papa em sua missão mais difícil: conter a sangria de fiéis da Igreja Católica para as religiões evangélicas. No mundo, o ponteiro já é positivo — nos últimos cinco anos, o número de católicos aumentou 6%. No Brasil, ele continua caindo, mas desde 2013 a retração desacelerou. Reverter a perda do rebanho no maior país católico do mundo — eis um sonho bom para Francisco, o papa que tempera intransigência com sensibilidade como nunca se viu no Vaticano.

Publicado em VEJA de 25 de novembro de 2020, edição nº 2714

VEJA RECOMENDA | Conheça a lista dos livros mais vendidos da revista e nossas indicações especiais para você.

Continua após a publicidade
Publicidade