Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Xingado por Olavo, ministro Santos Cruz se reúne com Bolsonaro

Reunião fora da agenda oficial, em pleno domingo, coincide com a série de ataques contra o ministro da Secretaria de Governo nas redes sociais

Por Estadão Conteúdo Atualizado em 5 Maio 2019, 21h21 - Publicado em 5 Maio 2019, 19h42

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Alberto Santos Cruz, se reuniu na noite de domingo, 5, com o presidente da República, Jair Bolsonaro, no Palácio da Alvorada, em Brasília (DF). O encontro, que não estava na agenda oficial do presidente, durou cerca de uma hora e meia. Santos Cruz deixou o local sem conversar com a imprensa.

A reunião, em pleno domingo, coincidiu com a série de ataques contra o ministro nas redes sociais neste fim de semana. A hashtag #ForaSantosCruz é um dos assuntos mais comentados no Twitter.

O movimento que pede a cabeça do general começou após críticas e xingamentos feitas no sábado 4 e neste domingo, 5, pelo escritor Olavo de Carvalho. O guru bolsonarista disse que Santos Cruz “fofoca e difama pelas costas”. Neste domingo, Carvalho ainda escreveu “Controlar a internet, Santos Cruz? Controlar a sua boca, seu m…”.

O xingamento seria uma referência a uma entrevista concedida pelo ministro à jornalista Vera Magalhães, publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, há um mês.

Na entrevista de abril, ao responder de que maneira as redes sociais podem ajudar o governo e não ser fonte de ruído, Santos Cruz afirmou que as redes podem até ser um instrumento importante de governo para a divulgação das suas ideias, dos seus projetos, mas que precisaria aprimorar a legislação.

“Isso tem de ser feito. Mas tem de usar com muito cuidado, para evitar distorções, e que vire arma nas mãos dos grupos radicais, sejam eles de uma ponta ou de outra. Tem de ser disciplinado, até a legislação tem de ser aprimorada, e as pessoas de bom senso têm de atuar mais para chamar as pessoas à consciência de que a gente precisa dialogar mais, e não brigar”, disse em abril.

Neste domingo, Bolsonaro foi às redes sociais para falar sobre o mesmo assunto. “Em meu governo, a chama da democracia será mantida sem qualquer regulamentação da mídia, aí incluídas as sociais. Quem achar o contrário, recomendo um estágio na Coreia do Norte ou Cuba”, escreveu o presidente.

Outros membros do governo entraram na discussão. O ministro da Justiça, Sérgio Moro, também falou sobre as mídias. “O ponto, bom lembrar que não fosse a vitória eleitoral do presidente Jair Bolsonaro, estaríamos hoje sob ‘controle social’ da mídia e do Judiciário e que estava expresso no programa da oposição ‘democrática’. Aliás, @jairbolsonaro reafirmou hoje o compromisso com a liberdade da palavra.” Para alguns, as postagens foram interpretadas como uma resposta a Santos Cruz.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês