Clique e assine com até 92% de desconto

‘Vou me apresentar’, diz Roberto Jefferson, após ter prisão decretada

Ex-deputado diz que espera o mandado de prisão em casa, no interior do Rio

Por Daniel Haidar, do Rio de Janeiro 21 fev 2014, 21h10

O ex-deputado Roberto Jefferson, delator do mensalão, foi surpreendido às 18h40 desta sexta-feira com a notícia da decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, de negar o pedido de prisão domiciliar e determinar o cumprimento da pena em regime semiaberto. Uma hora mais tarde, depois de conversar com seu advogado, o ex-deputado afirmou que se apresentará à Polícia Federal assim que receber o mandado de prisão.

Leia também:

Leia também: STF determina prisão de Roberto Jefferson

“Não sei o que fazer. Falei com meus advogados, não temos o despacho na íntegra, não sei onde tenho de me apresentar, onde vou cumprir a pena. Eles já ligaram para a Polícia Federal, mas também não há nenhuma informação. Vou me apresentar”, afirmou, evitando comentar a decisão de Joaquim Barbosa. O ex-deputado diz aguardar o comunicado em sua casa, no município de Comendador Levy Gasparian, interior do Rio de Janeiro, onde tem passado a maior parte do tempo desde o fim do ano passado.

O advogado de Jefferson, Marcos Pedreira Pinheiro de Lemos, insistiu na tese de que o ex-deputado, que cumpre dieta rigorosa depois de uma cirurgia para retirada de um câncer no pâncreas, não tem condições físicas de ficar na cadeia. “Não há a menor dúvida de que ele tem de cumprir prisão domiciliar. Não tem a menor condição de ficar no regime semiaberto. Será uma questão de tempo”, afirmou.

Ao site de VEJA, Lemos contou que seu cliente está “sereno e tranquilo”, pois já esperava a ordem de prisão para esta semana. O advogado pretende recorrer da decisão, mas não tomará nenhuma decisão antes da expedição do mandado. O ex-deputado se recupera de uma cirurgia para a retirada de um câncer no pâncreas e precisa de medicamentos e dieta específicos. Roberto Jefferson foi condenado a sete anos e 14 dias de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Leia também:

Jefferson também faz ‘vaquinha’ para pagar multa

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade