Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sha Zukang pede pressa nas negociações da Rio+20 para não decepcionar o mundo

Diplomata chinês volta a pedir que conferência produza um documento "ambicioso" e destaca a criação de objetivos para o desenvolvimento sustentável, nos moldes dos objetivos do milênio, estabelecidos em 2000

“Não deveríamos subestimar a nós mesmos. Nada no mundo é mais forte do que a coletividade humana reunida em torno de um propósito para o bem”

“Precisamos acelerar o ritmo das negociações. O mundo inteiro está olhando para nós e não podemos decepcioná-los”, afirmou o secretário-geral da Rio+20, Sha Zukang, durante entrevista coletiva concedida no início da tarde desta quarta-feira, no Riocentro. Zukang falou logo após terem início, a portas fechadas, os encontros diplomáticos que vão definir o conteúdo do documento oficial a ser produzido por todos os países envolvidos na conferência.

O diplomata chinês voltou a pedir por um documento “ambicioso” e destacou a criação de objetivos para o desenvolvimento sustentável (ODS) nos moldes dos objetivos do milênio (acordado em 2000 para combater a extrema pobreza) como um dos resultados esperados da conferência.

Zukang tentou mostrar otimismo, apesar da lentidão com que as negociações se moveram até agora. Segundo ele, a dedicação e a determinação dos envolvidos compensaram o ritmo dos acordos.

“Nos próximos 10 dias, todos vão se encontrar em torno do mesmo objetivo, renovar o nosso compromisso com o desenvolvimento sustentável e agir em cima do que já foi acordado”, afirmou.

Segundo Zukang, o nível de comprometimento e o número de participantes envolvidos já torna a Rio+20 uma conferência histórica. Zukang destacou também os 54 eventos paralelos que ocorrem na cidade simultaneamente ao encontro no Riocentro e convidou a sociedade a olhar para as ideias e inovações neles apresentadas.

“Não deveríamos subestimar a nós mesmos. Nada no mundo é mais forte do que a coletividade humana reunida em torno de um propósito para o bem”, disse.

LEIA TAMBÉM:

Dilma diz que crises não podem abalar política ambiental