Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Rui Costa, o “Correria”, aposta as fichas no investimento privado

Ministro da Casa Civil quer fortalecer mecanismos que impulsionem a participação de empresas e fundos de investimentos em projetos públicos

Por Daniel Pereira 10 jan 2023, 09h52

O novo ministro da Casa Civil, Rui Costa, tem um discurso complementar ao do chefe na área econômica. Enquanto o presidente Lula prega a favor de mais intervencionismo estatal e do uso de bancos públicos e estatais como indutores do crescimento, Costa gosta de destacar a importância de a nova administração atrair investimentos privados. Entre as suas prioridades estão o lançamento de novas rodadas de concessões em diferentes setores de infraestrutura e até a realização de parcerias público-privadas, instrumento já usado por estados e municípios, mas não pelo governo federal.

“A palavra de ordem é crescer para melhorar emprego e renda. Para crescer, é preciso retomar investimentos, o investimento público direto, mas também dar celeridade a projetos de concessões, licenciamentos e outorgas que possam ser tocadas pela iniciativa privada”, declarou o ministro em entrevista à Globonews. “O governo garantirá segurança jurídica e previsibilidade de longo prazo para atrair aqueles que buscam investimentos com segurança”, acrescentou.

Para Rui Costa, o dinheiro privado é bem-vindo mesmo nos setores de petróleo e gás, nos quais o PT historicamente adota uma postura mais estatizante. O ministro diz que a Petrobras deve voltar a investir em refinarias e que, nesse processo, as parcerias com empresas são uma alternativa. “Não há  nenhum dogma, nenhum preconceito, de que esses investimentos possam ocorrem em parceria com a iniciativa privada. Se empresas privadas querem fazer projetos com a Petrobras, ótimo”, disse na mesma entrevista.

Rui Costa também quer fechar parcerias com empreiteiras que firmaram acordos de leniência no âmbito da Operação Lava-Jato. A ideia é que essas empresas, desde que haja aval do Ministério Público Federal, da Controladoria-Geral da União (CGU) e do Tribunal de Contas da União (TCU), possam pagar parte de suas dívidas bilionárias com a União terminando obras inacabadas, que hoje, segundo o ministro, seriam cerca de 14 mil por todo o país.

Ex-governador da Bahia, o ministro ganhou à frente do estado o apelido de “Rui Correria”, dado por seus auxiliares por ser um bom tocador de obras. A fama — a mesma que fez Dilma Rousseff saltar da Casa Civil para uma candidatura presidencial vitoriosa — será agora testada em âmbito nacional. Com humildade, o ministro garante, até aqui, que não pensa em concorrer ao Planalto em 2026.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.