Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Rejeição a Bolsonaro aumenta e certeza de voto nele cai, aponta Ibope

Índice dos que não votariam no candidato do PSL de jeito nenhum passou de 35% para 40%; os que votam nele com certeza foram de 41% para 37%

Por João Pedroso de Campos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 23 out 2018, 21h33 - Publicado em 23 out 2018, 21h23

A pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira, 23, traz duas más notícias ao candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, além da redução de sua vantagem sobre Fernando Haddad (PT) de 18 para 14 pontos porcentuais. O instituto de pesquisas aponta um aumento na rejeição a Bolsonaro, isto é, no número de eleitores que não votariam nele de jeito nenhum, e diminuição no porcentual de eleitores que com certeza votariam no capitão reformado do Exército.

Segundo o instituto de pesquisas, descartaram votar no pesselista 40% do eleitorado, número que era de 35% no levantamento anterior, divulgado em 15 de outubro. Quanto à certeza de voto, o porcentual passou de 41% para 37%. A margem de erro da pesquisa Ibope é de dois pontos porcentuais, para mais ou para menos.

A rejeição a Jair Bolsonaro, que estava 12 pontos porcentuais abaixo da de Haddad há uma semana, agora tem apenas um ponto porcentual a menos. O petista era rejeitado por 47% dos eleitores, índice que foi a 41%. O número dos que declaram votar com certeza no ex-prefeito de São Paulo passou de 28% para 31%.

Responderam que poderiam votar em Bolsonaro 11% dos eleitores, índice que é de 12% para Haddad. Os que não conhecem os candidatos o suficiente para opinar são 11% para o deputado federal e 14% para o ex-prefeito. Eleitores que não sabem ou preferiram não opinar somam 2% para ambos.

Continua após a publicidade

Líder das pesquisas de intenção de voto válido no segundo turno, com 53% no Ibope, Jair Bolsonaro passou por desgaste nos últimos dias, após vir à tona um vídeo em que seu filho Eduardo Bolsonaro, deputado federal reeleito por São Paulo, declarou que bastam “um soldado e um cabo” para fechar o Supremo Tribunal Federal (STF).

Diante da repercussão negativa e das manifestações de ao menos cinco ministros do STF, incluindo o presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, o presidenciável desautorizou a afirmação de Eduardo e enviou uma carta ao decano do Supremo, ministro Celso de Mello, em que afirma que o “Supremo Tribunal Federal é o guardião da Constituição e todos temos de prestigiar a Corte”. Mello havia classificado a afirmação de Eduardo Bolsonaro como “inconsequente e golpista”.

No último domingo, 21, Jair Bolsonaro também deu declarações polêmicas. Em uma transmissão via celular para um ato em seu favor que ocorria na Avenida Paulista, em São Paulo, o candidato falou, em referência aos petistas, que “ou vão pra fora ou vão para a cadeia. Esses marginais vermelhos serão banidos de nossa pátria”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.