Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Reforma do Maracanã motivou prisão de Sérgio Cabral

A obra custou 1,2 bilhão de reais, o dobro do valor previsto. Até o momento foram detectadas irregularidades de quase 200 milhões de reais.

Por Da redação - 17 nov 2016, 08h48

O ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), foi preso nesta quinta-feira pela Polícia Federal e um dos motivos de sua prisão foi a conturbada (e caríssima) reforma do estádio Maracanã. Recauchutado para receber a Copa do Mundo de 2014, a obra no estádio mais tradicional do Brasil é alvo de investigação por suspeita de formação de cartel pelas empresas que integraram o consórcio que reformou a arena — Andrade Gutierrez e Odebrecht — e pagamentos de propinas para agentes públicos.

A obra custou 1,2 bilhão de reais, o dobro do valor previsto. Até o momento foram detectadas irregularidades de quase 200 milhões de reais. Reportagem de VEJA revelou recentemente que tanto diretores da Andrade Gutierrez, que fecharam um acordo de colaboração com a Justiça, como da Odebrecht, que estão em negociação com o Ministério Público apontam Cabral como beneficiário das propinas — 5% do valor inicial. Ou seja, cerca de 30 milhões de reais.

Leia também
Polícia Federal prende Sérgio Cabral no Rio
Os rolos de Sérgio Cabral no comando do Rio

De acordo com os depoimentos prestados entre 2010 e 2011, a construtora Andrade fez pagamentos mensais de 300.000 reais em dinheiro vivo ao então governador. Para escamotear o esquema, a empreiteira simulava contratos de prestação de serviços com seus fornecedores. O ex-governador Sério Cabral, por meio de sua assessoria de imprensa, afirma que “jamais interferiu em quaisquer processos licitatórios de obras, também não solicitou benefício financeiro próprio ou para campanha eleitoral”. A PF tem outra versão para tais fatos.

Publicidade