Arenas da propina: a corrupção em cinco estádios da Copa

Obras foram superfaturadas em pelo menos 1,5 bilhão de reais, e os métodos em tudo lembram os crimes investigados na Lava Jato

Por Da Redação - Atualizado em 26 fev 2018, 13h58 - Publicado em 5 nov 2016, 09h25

A Lava Jato e a Copa do Mundo de 2014 fazem parte de um mesmo jogo. Reportagem de VEJA desta semana mostra que, até o momento, foram identificados nas arenas sobrepreços que somam 1,5 bilhão de reais, fraude que tem como protagonistas as mesmas empreiteiras, os mesmos políticos e os mesmos métodos de corrupção revelados pela operação da Polícia Federal. No texto, as histórias de corrupção em cinco estádios em quatro regiões do país: Mané Garrincha (Brasília), Itaquerão (São Paulo), Maracanã (Rio), Arena Amazônia (Manaus) e Arena das Dunas (Natal).

 

Para ler a reportagem na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no iba clube.

Publicidade