Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Reeleição não é motivo para prender amigos de Temer, decide juiz do DF

Magistrado recusou argumentação do MPF de que possível candidatura do presidente a um segundo mandato indicaria chance de continuidade do 'quadrilhão'

O juiz federal Marcus Vinícius Reis Bastos negou, em despacho assinado na segunda-feira, 9, a prisão preventiva de pessoas próximas ao presidente Michel Temer (MDB) acusadas de integrar o “quadrilhão do PMDB”. Ele rejeitou o argumento do Ministério Público Federal (MPF) de que a cogitação pública de uma candidatura de Temer à reeleição representasse “risco grave e atual de reiteração de condutas”.

“Afirmar que a anunciada candidatura de Michel Temer à Presidência da República (reeleição) importe na permanência da empresa criminosa e na prática de ilícitos penais por parte dos requeridos demanda a indicação de fatos atuais (contemporâneos) nesse sentido, circunstância que não se verificou”, afirmou Bastos.

A medida mantém em liberdade o advogado José Yunes, o coronel aposentado da Polícia Militar João Baptista Lima Filho, o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures – todos os três foram assessores de Temer -, além de Altair Alves Pinto e Sidney Norberto Szabo, homens próximos ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Apesar de não pesar contra estes novo pedido de prisão preventiva, Cunha e os ex-ministros Henrique Eduardo Alves e Geddel Vieira Lima permanecerão presos por decisões judiciais em outros processos.

Para o magistrado, a prisão destes dois, que “exerciam posição de destaque na organização criminosa”, segundo o MPF, basta para garantir a não continuidade dos fatos investigados. Ele também considerou insuficientes os argumentos para reforçar as detenções de Cunha, Alves e Geddel.

Portos

Recentemente, Yunes e o coronel Lima foram presos provisoriamente para que prestassem esclarecimentos em outro inquérito, o que apura se o grupo de Temer recebeu propina em troca de benefícios a empresas do setor portuário.

Os mandados foram expedidos pelo ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), e revogados dois dias depois quando a maior parte das diligências previstas (depoimentos e mandados de busca e apreensão) já haviam sido concretizados pela Polícia Federal.

Figuras próximas ao presidente da República há décadas, os dois foram incluídos no inquérito do “quadrilhão” após delações e investigações que indicaram que tiveram o papel de coletar propina para campanhas do MDB e de Temer. Ambos, assim como o presidente, negam as acusações em ambos os inquéritos.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Temer não decola. Pesam muitas denúncias contra ele.
    Tem que entrar gente nova. Chega dos velhos bandidos.

    Curtir

  2. Imagine só se não ouve intervenção do Temer.

    Curtir