Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Queiroz tem prisão domiciliar negada pela Justiça do Rio

O ex-policial está preso no Complexo de Gericinó, no Rio de Janeiro

Por Da Redação Atualizado em 20 jun 2020, 09h42 - Publicado em 20 jun 2020, 09h19

A desembargadora Suimei Cavaleiri, da 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio, negou, na madrugada de hoje, o pedido da defesa de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), para que ele fosse transferido para prisão domiciliar.

O advogado Paulo Emílio Catta Preta, que representa Queiroz, havia pedido para que a prisão prisão preventiva (sem prazo determinado) fosse substituída por prisão domiciliar. Como argumentos, citou um tratamento contra um câncer no intestino, uma cirurgia de próstata feita há dois meses e o risco de contágio por ele estar no grupo de risco em meio à pandemia do novo coronavírus. Queiroz está preso no Complexo de Gericinó, no Rio. Por causa da pandemia de Covid-19, Queiroz ficará isolado por 14 dias, em uma cela de 6m2, com chuveiro, sanitário e pia.

A íntegra da decisão que negou a concessão de liminar pedida pela defesa de Queiroz não está disponível em razão da decretação do segredo de justiça. O mérito do habeas corpus será julgado futuramente pelo colegiado da 3ª Câmara Criminal.

ASSINE VEJA

Acharam o Queiroz. E perto demais Leia nesta edição: como a prisão do ex-policial pode afetar o destino do governo Bolsonaro e, na cobertura sobre Covid-19, a estabilização do número de mortes no Brasil
Clique e Assine

Queiroz foi preso em Atibaia, no interior de São Paulo, na manhã de quinta, 18, em casa de Frederick Wassef, advogado da família Bolsonaro. Em reportagem de capa, VEJA analisa o impacto da prisão no governo Bolsonaro.

(com Agência Brasil)

Continua após a publicidade

Publicidade