Clique e assine com até 92% de desconto

Queiroz presta depoimento à PF e diz que iria assumir cargo em Brasília

Ex-policial conta que deixou o gabinete de Flávio Bolsonaro para descansar e se preparava para assumir o cargo de assessor do recém-eleito senador

Por Daniel Pereira Atualizado em 30 jun 2020, 13h05 - Publicado em 29 jun 2020, 20h06

Em depoimento prestado hoje à Polícia Federal, o policial militar aposentado Fabrício Queiroz disse que deixou o gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro, entre o primeiro e o segundo turnos da eleição de 2018, porque estava cansado e queria cuidar da sua saúde e de sua aposentadoria pela PM. Segundo Queiroz, ele avisou Flávio de sua vontade de pedir demissão um pouco antes do primeiro turno, quando a vitória do Zero Um para o Senado parecia encaminhada.

O plano de Queiroz era, tão logo publicada a exoneração, viajar com suas filhas — entre elas, a personal trainer Nathália, que na mesma época deixou o gabinete de Jair Bolsonaro na Câmara dos Deputados. As demissões não representariam o fim do vínculo entre o ex-PM e Flávio. Queiroz esperava ser chamado para trabalhar pelo antigo chefe no Senado, o que ficou inviável depois de vir a público relatório do Coaf, em dezembro de 2018,  sobre suas transações financeiras suspeitas.

ASSINE VEJA

Wassef: ‘Fiz para proteger o presidente’ Leia nesta edição: entrevista exclusiva com o advogado que escondeu Fabrício Queiroz, a estabilização no número de mortes por Covid-19 no Brasil e os novos caminhos para a educação
Clique e Assine

Queiroz não prestou depoimento no famoso caso da rachadinha, mas sobre a acusação do empresário Paulo Marinho, suplente do senador Flávio, de que os Bolsonaro foram avisados durante a campanha de que havia uma operação específica sobre rachadinha prestes a ser deflagrada — e que ela alcançaria Queiroz. Na versão de Marinho, Queiroz e sua filha foram demitidos depois desse alerta, numa tentativa dos patrões de se antecipar ao escândalo. O ex-policial rechaçou essa tese. E insistiu que deixou o emprego por questões pessoais

Publicidade