Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Quatro puxadores de voto podem render bolada de R$ 300 mi a partidos

Cálculo é do Diap e leva em conta pagamentos dos fundos partidário e eleitoral se os candidatos obtiverem mais de 1 milhão de votos nas urnas

Por Laryssa Borges Atualizado em 6 ago 2022, 16h44 - Publicado em 6 ago 2022, 12h32

A escolha de candidatos a deputado federal pelas cúpulas partidárias nas eleições de outubro tem levado em conta um critério pouco conhecido do eleitor comum e que retrata o motivo pelo qual cada vez mais partidos buscam puxadores de voto para apresentar nas urnas: o retorno financeiro – milionário – que um político arrasa-quarteirão pode representar para sua legenda.

Levantamento do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) feito a pedido de VEJA mostra que apenas quatro das principais apostas dos partidos para a Câmara – o atual senador José Serra (PSDB), a advogada Rosângela Moro (União Brasil), o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) Guilherme Boulos (PSOL) e o deputado candidato à reeleição Eduardo Bolsonaro (PL) – podem render uma bolada de mais de 300 milhões de reais para os cofres partidários nos próximos quatro anos. As cifras levam em conta a projeção das próprias siglas de que esses candidatos terão mais de 1 milhão de votos em outubro.

Segundo o Diap, se as previsões se confirmarem e o quarteto bater a casa de 1 milhão de votos, cada um deles será responsável por injetar 29,85 milhões de reais de fundo partidário para suas agremiações, o que equivale a quase 120 milhões de reais nos quatro anos da legislatura. Em 2026, quando os partidos recebem o fundo eleitoral, destinado a financiar campanhas políticas, a mesma votação dos quatro geraria, de acordo com o Diap, mais 49 milhões de reais para as siglas. No total, uma bolada de 315,4 milhões de reais de fundo partidário e eleitoral.

Em 2018, as galinhas dos ovos de ouro dos partidos haviam sido os deputados federais mais votados do país, Eduardo Bolsonaro e Joice Hasselmann, ambos na época no PSL. Juntos, eles conquistaram cerca de 2,9 milhões de votos, cifra maior que os votos que 24 partidos políticos obtiveram na disputa por vagas na Câmara, entre eles o PSOL, o PTB, o PCdoB e o Podemos. Como resultado das votações recordes, apenas os dois foram responsáveis por injetar pelo menos 110 milhões de reais em recursos do fundo partidário nos cofres do antigo PSL pelos quatro anos seguintes.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)