Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

PT quer votação de denúncia contra Temer no horário nobre da TV

Partidos de oposição acreditam que os deputados da base governista sofrerão um constrangimento maior ao defender o presidente em rede nacional de televisão

O líder do PT na Câmara dos Deputados, Carlos Zarattini (SP), disse nesta terça-feira que seu partido fará o possível para garantir que a votação da denúncia por corrupção passiva contra o presidente Michel Temer (PMDB) ocorra no final desta quarta, próxima ao horário nobre da televisão. A sigla está de olho na audiência da TV Globo e de outras emissoras que transmitirão ao vivo o desfecho da acusação apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Os índices de audiência das transmissões televisivas costumam aumentar entre o final da tarde e a noite, quando a maior parte das pessoas volta do trabalho. Na avaliação do PT, quanto mais expectadores, maior será o constrangimento e a pressão sobre os deputados governistas que defenderão Temer no plenário da Câmara. Cada parlamentar terá de registrar o seu voto nominalmente. A oposição precisa de 342 votos para dar sequência ao processo contra Temer.

Uma pesquisa do Ibope registrou que 81% dos eleitores querem que os deputados aprovem o prosseguimento da denúncia, com seu encaminhamento ao Supremo Tribunal Federal (STF)O instituto também registrou que 70% ficarão indignados caso os deputados optem pelo arquivamento da acusação. Outros 79% disseram concordar que o parlamentar que votar contra a acusação é cúmplice de corrupção. Para 73% dos eleitores, o deputado que rejeitar a abertura do processo não deve ser reeleito em 2018.

O PT se reuniu na Câmara para fechar uma posição única para a votação. O encontro da bancada do partido ocorreu com a presença da presidente do partido, senadora Gleisi Hoffmann (PR), além dos senadores Humberto Costa (PE) e Lindbergh Farias (RJ).

Rito questionado

Após uma reunião das bancadas da oposição, deputados decidiram que questionarão o rito estabelecido pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para a votação. Maia disse que quer encerrar a sessão no período da tarde. “Solicitamos uma reunião com Maia. Não dá para fazer um rito resumido. Votar a denúncia à noite é fundamental para que o trabalhador acompanhe”, disse o líder da minoria na Casa, deputado José Guimarães (PT-CE).

Os cerca de quinze deputados do PT, PCdoB, PDT, PSOL e Rede que participaram do encontro afirmaram que o governo está “desesperado” para derrubar a denúncia. A principal preocupação da oposição é que Maia permitiu que a sessão de debates comece com 52 dos 513 em plenário e que essa fase poderá ser interrompida após quatro discursos – dois contra e dois a favor da denúncia – , bastando que um requerimento seja aprovado no plenário.

O grupo de oposicionistas se reunirá novamente à noite para fazer uma nova avaliação no cenário, mas já definiu que não dará quórum durante o dia. “Não vamos dar quórum durante o dia. Esta votação precisa acontecer à noite, depois que trabalhador for para casa”, declarou o líder do PSOL na Câmara, deputado Glauber Braga (RJ).

(Com Estadão Conteúdo)