Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

PT – pai do petrolão – não quer mais doação de empresas

Deputados do partido vão questionar no STF a decisão da Câmara que inclui na Constituição o financiamento empresarial de campanha

Parlamentares do PT vão recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar derrubar a proposta que incluiu o financiamento empresarial na Constituição. Os petistas, acompanhados de integrantes de siglas esquerdistas como PCdoB e PSOL, questionam a forma como a medida foi aprovada nesta quarta-feira. Sessenta e três deputados de cinco partidos assinam o mandado de segurança. Os petistas são maioria.

Depois de se beneficiar das doações privadas, via caixa um – com propina disfarçada – e caixa dois assumido, no petrolão e no mensalão, o PT resolveu encampar a tese de que as doações privadas são a maior causa da corrupção.

No mandado de segurança, os parlamentares alegam que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), descumpriu o Regimento ao colocar em votação uma emenda aglutinativa apresentada pelo PRB. Segundo os petistas, não havia apoio suficiente para que a proposta entrasse na pauta. Além disso, eles afirmam que o texto retomou uma proposta que já havia sido rejeitada no dia anterior.

O texto permite que as empresas façam doações para partidos, mas não para candidatos. Já as pessoas físicas continuam autorizadas a doar para siglas e para os candidatos. A proposta difere daquela rejeitada no dia anterior, que também permitia as doações de empresas para as contas eleitorais de candidatos.

O deputado Henrique Fontana (PT-RS) acusou o presidente da Câmara de ter feito pressão pela aprovação da medida. “Ele ameaçou os partidos pequenos que retaliaria na votação da cláusula de barreira”, afirmou o petista nesta quinta.