Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Proposta do guru de Bolsonaro sobre CPMF é ‘tiro no pobre’, diz Alckmin

Em agenda de campanha em Guarulhos, tucano afirmou que 'o candidato da bala deu o primeiro tiro'; ele propôs a unificação de cinco impostos em um só

Por João Pedroso de Campos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 20 set 2018, 17h39 - Publicado em 20 set 2018, 17h15

O candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, classificou nesta quinta-feira, 20, como “tiro no contribuinte, na classe média, no pobre e na economia” as propostas de Paulo Guedes, guru econômico de Jair Bolsonaro (PSL), de criar uma tributação aos moldes da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) e uma alíquota única de imposto de renda, de 20%, para pessoas físicas e jurídicas.

As promessas de Guedes, escolhido de Bolsonaro para comandar um superministério da economia, foram reveladas nesta quarta-feira pela Folha de S. Paulo.

Em agenda de campanha em Guarulhos (SP), na manhã de hoje, Alckmin disse que “é fácil fazer ajuste passando a conta para o povo”. “O candidato da bala deu o primeiro tiro: deu tiro no contribuinte, deu tiro na classe média, deu tiro no pobre e deu tiro na economia. O que ele quer é aumentar imposto, nós vamos fazer exatamente o contrário: ajuste fiscal pelo lado da despesa, cortar despesa”, criticou o tucano.

Alckmin declarou ainda que as propostas não atingiriam os mais ricos, que “deslocam dinheiro para o exterior”, e que um “imposto em cascata”, como a CPMF, “prejudica a economia”. O tucano defendeu como reforma tributária a proposta de unificar cinco impostos, ICMS, IPI, ISS, PIS e Cofins, em um só, o Imposto de Valor Agregado (IVA).

“O mundo inteiro faz o IVA, que é o que vamos fazer, imposto de valor agregado, vamos simplificar, tirar cinco impostos, apertar o cinto do governo para não apertar o cinto da população”, prometeu.

Continua após a publicidade

Questionado por jornalistas sobre os números do Datafolha divulgados na madrugada desta quinta-feira, que mostram o tucano estagnado em 9% das intenções de voto, Geraldo Alckmin respondeu que espera crescer nas pesquisas eleitorais nos últimos 15 dias de campanha, quando, na sua visão, aumenta o interesse da população pela eleição.

“Eleição é agora nesses próximos quinze dias. Estamos estáveis, o Datafolha mostra isso, e temos todas as condições para crescer nesse período, agora que aumenta o interesse da população, aumenta a participação na campanha eleitoral”.

Segundo o Datafolha, estão à frente de Alckmin Jair Bolsonaro, com 28%; Fernando Haddad (PT), com 16%; e Ciro Gomes (PDT), com 13%. Com ataques a Bolsonaro, o tucano tem buscado atrair eleitores antipetistas do deputado federal e se colocar como adversário mais competitivo contra o PT no segundo turno. Para o tucano, Haddad “já está” na parte decisiva do pleito.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.