Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Propina bancou viagem para Europa de esposa de Collor, diz doleiro

Acusação consta de denúncia apresentada contra ela e o ex-presidente pela Procuradoria Geral da República ao Supremo Tribunal Federal (STF)

Por Da Redação
24 Maio 2016, 11h37

Dinheiro proveniente de propina teria sido usado para custear uma viagem para a Europa da mulher do ex-presidente Fernando Collor de Mello, Caroline. O repasse foi relatado pelo doleiro Leonardo Meirelles, ex-sócio de Alberto Youssef, em acordo de delação premiada, segundo reportagem desta terça-feira do jornal Folha de S. Paulo. Segundo as investigações, a viagem aconteceu em julho de 2013, quando Caroline teria recebido 20.000 dólares em espécie. A acusação consta da denúncia apresentada ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra o casal.

Leia também:

Genu atuava também na BR Distribuidora, nicho de Collor

Propina durante mensalão revela que Genu é ‘profissional do crime’, diz Moro

Segundo a acusação da PGR, Caroline “auxiliava diretamente o marido quanto à lavagem de dinheiro”. Entre 2010 e 2014, ela recebeu em suas contas 453.000 reais em depósitos em dinheiro. A Procuradoria também apontou que a empresa de comunicação de Collor repassou 622.500 reais em 45 operações, além de 144.600 reais em empréstimos fictícios para justificar aquisição de bens de luxo, em especial veículos e imóveis. Além das despesas de Caroline, Meirelles também custeou despesas internacionais de Collor que somam 81.230 euros, ou 243.600 reais à época, de acordo PGR.

Continua após a publicidade

Meirelles também relatou que pagou despesas internacionais da mulher do ex-ministro de Collor Pedro Paulo Leoni Ramos, Luciana. Leoni Ramos é apontado como um dos operadores do ex-presidente. Em sua delação, o doleiro disse que, por solicitação de Youssef, carregou dois cartões pré-pagos internacionais com 30.000 dólares cada. O delator forneceu extratos do cartão, com gastos no exterior em lojas como Victoria’s Secret e Louis Vuitton.

Os investigadores apontam que a fonte dos repasses eram contratos de troca de bandeiras de postos de combustível celebrados entre a Petrobras e a DVBR Derivados do Brasil e de contratos com a UTC.

A assessoria de Collor disse ao jornal que o “senador não conhece Leonardo Meirelles”. “Nem ele nem sua mulher jamais receberam do referido senhor quaisquer valores para gastos no Brasil ou no exterior”, afirmou. Procurado, Leoni Ramos infirmou que “não se manifestará sobre fatos que desconhece e continuará prestando esclarecimentos”.

(Da redação)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.